Empresas de Sucesso que Aplicam a Gestão Participativa
 
Empresas de Sucesso que Aplicam a Gestão Participativa
 


Empresas de Sucesso que Aplicam a Gestão Participativa

Muitas organizações conseguiram chegar ao topo, através da participação e valorização do patrimônio inestimável de suas organizações, o capital intelectual de seus clientes internos.
Na Herman Miller, indústria de móveis de estilo, já foi percebido que o segredo do sucesso esta na mente de cada funcionário Schermerhorn (2007, p. 03) diz:: "nossos maiores ativos como empresa são os dons, talentos e habilidades de nossos colaboradores - proprietários...".
A diretoria da Xerox quando percebeu que para continuar no mercado teria que mudar sua forma de trabalhar, logo colocou alguém que tivesse visão inovadora, com respeito aos colaboradores. A escolhida para o cargo foi Anne Mulcahy, que teve como primeira medida visitar os colaboradores em todo o mundo, ela afirma. Schermerhorn (2007, p. 04) fala que: "as pessoas precisam sentir-se engajadas, motivadas e sentir que estão contribuindo para algo importante".
A Microsoft é uma empresa de grande valor no mercado e segundo Chiavenato (2008, p. 51) "[...] o único ativo real de propriedades da Microsoft era a imaginação de seus trabalhadores". Isso mostra que o segredo do sucesso não está nos grandes investimentos financeiros, mas investir em pessoas habilidosas, que consigam contribuir com idéias e ações para o crescimento das organizações.
De acordo com: Chiavenato (2008, p. 51):

Como as pessoas constituem a sua principal vantagem competitiva, a empresa precisa investir nelas, desenvolvê-las e ceder-lhes espaço para seus talentos. Quanto mais ela fizer isto, mais enriquecerá seus passaportes e aumentará a mobilidade potencial das pessoas.

As empresas estão percebendo a importância do capital humano como um diferencial competitivo que agrega valor e possibilita o aumento da competitividade entre as mesmas. Pois como exemplo temos a estratégia da Mainframe Eletrônica, que para sair do sufoco contou com a colaboração dos seus funcionários na elaboração da missão, visão e estratégias da empresa, dessa forma ela conseguiu absorver a criatividade, motivação e comprometimento de todos (CHIAVENATO, 2008).

A razão do grande sucesso da HP é o modelo democrático adotado na empresa, onde os funcionários atuam de forma direta na tomada de decisão. O capital humano é o seu maior ativo. Vejamos algumas características que norteiam a HP, mencionados por Chiavenato (2008, p. 184):

? Descentralização ? Os colaboradores têm autonomia na tomada de decisão em seus setores de atuação, em conjunto com a equipe.
? Comprometimento com o pessoal ? Mesmo na grande crise de 1970 a empresa se recusou a demitir os funcionários, através de um acordo de redução salarial de 20% o grupo se manteve intacto.
? Mudança e inovação ? Para se manter no mercado a empresa depende de lançamento de novos produtos e só através da criatividade dos colaboradores, se faz possível.
? Qualidade de vida - A empresa prima pela qualidade de vida de seus clientes internos, os mesmos são tratados com respeito, participam do lucro da empresa e etc.
? Empowerment ? Os colaboradores de base têm poder no momento de tomar decisões.

Outro exemplo é a ASEA BROWN BOVERIA , uma colossal produtora de equipamento de eletrônica que, prevendo as mudanças globais, resolveu antecipar e sair na frente. Segundo Chiavenato (2008, p. 216) suas principais ações foram: "organizou-se ao redor de miniunidades, fortaleceu os seus empregados com o empowerment , achatou a sua hierarquia e eliminou o staff central da matriz". Com equipes auto-gerenciadas houve agilidade e eficiência em todas as unidades e como também a satisfação dos clientes externos que poderão ter suas reivindicações atendidas sem burocracia.
Chiavenato (2008, p. 216):

Seus empregados têm autoridade para tomar decisões de seu próprio negócio, sem precisar de consentimento da administração de topo. Se um cliente tem uma queixa a respeito de um equipamento de US$ 50.000, o empregado de uma minicompanhia pode aprovar sua substituição sem ter de pedir permissão para vários níveis hierárquicos.

Com essa atitude a empresa agiliza os processos, mantém a satisfação dos clientes externos, além de manter sua equipe motivada e comprometida.


 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
11 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Marcos Silvestre Da Silva Borges
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou formado em Administração pela Faculdade Atenas Maranhense - FAMA, Pós-Graduando em Metodologia do Ensino Superior - INESPO. Além disso tenho experiência na área Comercial atuando no setor de Vendas e Marketing na empresa Coca-Cola de Imperatriz - MA
Membro desde julho de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: