Empresas de Sucesso que Aplicam a Gestão Participativa
 
Empresas de Sucesso que Aplicam a Gestão Participativa
 


Empresas de Sucesso que Aplicam a Gestão Participativa

Muitas organizações conseguiram chegar ao topo, através da participação e valorização do patrimônio inestimável de suas organizações, o capital intelectual de seus clientes internos.
Na Herman Miller, indústria de móveis de estilo, já foi percebido que o segredo do sucesso esta na mente de cada funcionário Schermerhorn (2007, p. 03) diz:: "nossos maiores ativos como empresa são os dons, talentos e habilidades de nossos colaboradores - proprietários...".
A diretoria da Xerox quando percebeu que para continuar no mercado teria que mudar sua forma de trabalhar, logo colocou alguém que tivesse visão inovadora, com respeito aos colaboradores. A escolhida para o cargo foi Anne Mulcahy, que teve como primeira medida visitar os colaboradores em todo o mundo, ela afirma. Schermerhorn (2007, p. 04) fala que: "as pessoas precisam sentir-se engajadas, motivadas e sentir que estão contribuindo para algo importante".
A Microsoft é uma empresa de grande valor no mercado e segundo Chiavenato (2008, p. 51) "[...] o único ativo real de propriedades da Microsoft era a imaginação de seus trabalhadores". Isso mostra que o segredo do sucesso não está nos grandes investimentos financeiros, mas investir em pessoas habilidosas, que consigam contribuir com idéias e ações para o crescimento das organizações.
De acordo com: Chiavenato (2008, p. 51):

Como as pessoas constituem a sua principal vantagem competitiva, a empresa precisa investir nelas, desenvolvê-las e ceder-lhes espaço para seus talentos. Quanto mais ela fizer isto, mais enriquecerá seus passaportes e aumentará a mobilidade potencial das pessoas.

As empresas estão percebendo a importância do capital humano como um diferencial competitivo que agrega valor e possibilita o aumento da competitividade entre as mesmas. Pois como exemplo temos a estratégia da Mainframe Eletrônica, que para sair do sufoco contou com a colaboração dos seus funcionários na elaboração da missão, visão e estratégias da empresa, dessa forma ela conseguiu absorver a criatividade, motivação e comprometimento de todos (CHIAVENATO, 2008).

A razão do grande sucesso da HP é o modelo democrático adotado na empresa, onde os funcionários atuam de forma direta na tomada de decisão. O capital humano é o seu maior ativo. Vejamos algumas características que norteiam a HP, mencionados por Chiavenato (2008, p. 184):

? Descentralização ? Os colaboradores têm autonomia na tomada de decisão em seus setores de atuação, em conjunto com a equipe.
? Comprometimento com o pessoal ? Mesmo na grande crise de 1970 a empresa se recusou a demitir os funcionários, através de um acordo de redução salarial de 20% o grupo se manteve intacto.
? Mudança e inovação ? Para se manter no mercado a empresa depende de lançamento de novos produtos e só através da criatividade dos colaboradores, se faz possível.
? Qualidade de vida - A empresa prima pela qualidade de vida de seus clientes internos, os mesmos são tratados com respeito, participam do lucro da empresa e etc.
? Empowerment ? Os colaboradores de base têm poder no momento de tomar decisões.

Outro exemplo é a ASEA BROWN BOVERIA , uma colossal produtora de equipamento de eletrônica que, prevendo as mudanças globais, resolveu antecipar e sair na frente. Segundo Chiavenato (2008, p. 216) suas principais ações foram: "organizou-se ao redor de miniunidades, fortaleceu os seus empregados com o empowerment , achatou a sua hierarquia e eliminou o staff central da matriz". Com equipes auto-gerenciadas houve agilidade e eficiência em todas as unidades e como também a satisfação dos clientes externos que poderão ter suas reivindicações atendidas sem burocracia.
Chiavenato (2008, p. 216):

Seus empregados têm autoridade para tomar decisões de seu próprio negócio, sem precisar de consentimento da administração de topo. Se um cliente tem uma queixa a respeito de um equipamento de US$ 50.000, o empregado de uma minicompanhia pode aprovar sua substituição sem ter de pedir permissão para vários níveis hierárquicos.

Com essa atitude a empresa agiliza os processos, mantém a satisfação dos clientes externos, além de manter sua equipe motivada e comprometida.


 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
11 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Marcos Silvestre Da Silva Borges
Talvez você goste destes artigos também