Elevador preparação na obra para equipe de instalação
 
Elevador preparação na obra para equipe de instalação
 


O crescimento urbano é um fenômeno que vem se desenvolvendo em proporções geométricas a cada ano e que está diretamente ligado ao crescimento de um país. Mais precisamente falando de Brasil, podemos constatar que estamos passando por um excelente e histórico ciclo de crescimento econômico, cada vez mais ganhando espaço no cenário mundial. Tal fato se iniciou quando em 1994 conseguimos estabilizar a moeda e diminuir a inflação através do plano real que originou a nossa atual e forte moeda, o REAL. Desde então, o que podemos constatar, foi um ganho na credibilidade internacional, fazendo com que, grandes empresa de outros países investissem no Brasil, além de termos reservas financeiras suficientemente capaz de creditamos recursos internacionais para concretizamos grandes projetos de infra-estrutura, investimentos na área social e nos controles do uso do meio-ambiente.

Analisando esse breve panorama do Brasil, podemos concluir que temos que ter um setor de construção civil bastante sólido e diversificado para podermos atender essas necessidades. Mas diretamente na área de edificações, temos muito trabalho pela frente, pois o Brasil possui um déficit habitacional em cerca de 7.934.719 moradias (dados IBGE - 2006) e cada vez mais, torna-se necessário formar profissionais capacitados na área de construção civil.

Também devemos ficar atentos a essa grande quantidade de obras e o pouco tempo a ser construída, fatores inversamente proporcionais que podem proporcionar diversos tipos de erros na construção, erros esses, que podem diminuir a margem de lucro das empresas ou dos órgãos públicos estourando os orçamentos.


12

A experiência adquirida em 10 anos de trabalho e estudo nessa área proporciona um vasto campo de pesquisa sobre os mais variados erros de execução do projeto executivo para preparação do local para instalação de elevador em edificações. Neste trabalho trataremos de um assunto muito presente nos canteiros de
obras que necessitam do sistema de transporte vertical, principalmente as edificações a partir de 05 (cinco) pavimentos, ou seja, que necessitam de equipamento de transporte vertical. Mas precisamente, estamos falando de erros no processo executivo de construção do local para a instalação do(s) elevador. Este é um problema para os engenheiros civis e encarregados da obra que sempre ficam surpresos ao perceberem que a empresa montadora do(s) equipamentos(s) não conseguirá iniciar seu processo de montagem, pois existem pendências e ou erros de execução na área construída destinada ao(s) elevador, tendo que sofrer uma re-programação dos prazos de entrega do(s) elevador, ou seja, impactando diretamente o cronograma físico da obra.

Nesta obra, procuramos definir as etapas do processo de compra e instalação de elevadores de passageiros na construção civil, no qual temos o "Recebimento de projeto executivo do elevador", "Análise dos serviços e materiais de responsabilidade do contratante", dando sequência vem o "Recebimento dos materiais na obra e da equipe de montagem", logo depois o "Acompanhamento durante a montagem" e por último o "Recebimento provisório ou definitivo do elevador".

Desta forma, esse trabalho irá contribuir de forma expressiva para a formação dos profissionais que irão executar projetos de edificações que necessitam de elevador, atendendo as normas técnicas vigentes, maximizando a eficiência dos trabalhos e proporcionando as melhores condições de segurança possíveis para os trabalhadores e usuários.

1.3 PROBLEMAS


Por que existem tantas irregularidades construtivas na execução da obra em relação á instalação de elevadores em edificações?
O que faz a instalação de elevadores na construção civil ficar em desconformidade com as normas técnicas vigentes?
Por que esse trabalho entre empresa fabricante de elevadores sofre desgastes que proporcionam um atraso no cronograma de entrega dos elevadores ou mesmo da obra?

1.4 HIPÓTESES

"Os profissionais da construção civil não estão tecnicamente treinados para executar esse tipo de trabalho".
A NM 207:99 ? Elevadores elétricos de passageiros ? Requisitos de segurança para construção e instalação não está sendo divulgada para os profissionais de construção civil".
"Os construtores desconhecem suas obrigatoriedades e responsabilidades dentro projeto executivo de instalação de elevadores em edificações".
"No âmbito acadêmico do curso de engenharia civil não é disponibilizado literatura pertinente ao assunto, deixando os próprios alunos leigos nesta matéria".

15
1.5 DEFINIÇÕES

Para o propósito deste trabalho, as seguintes definições se aplicam:

Pára-choque ? Batente resiliente no final do percurso constituído de meios de retardamento usando fluidos ou molas (ou outro meio similar).
Elevador de tração ? Elevador cujos cabos são acionados por atrito nas ranhuras da polia motriz da máquina.
Armação do carro ou do contrapeso ? Estrutura metálica sustentando a cabina ou os pesos do contrapeso, ligada aos meios de suspensão. Esta armação pode ser integrada com o fechamento da cabina.
Cabina ? A parte do elevador que transporta passageiros e objetos.
Cadeia elétrica de segurança ? O total de dispositivos elétricos de segurança ligados em série.
Massa de balanceamento ? Massa que economiza energia por meio de balanceamento de toda ou parte da massa do carro.
Carga de ruptura mínima do cabo ? Esta carga é o produto do quadrado do diâmetro nominal do cabo (em milímetros quadrados) pela tensão de tração nominal dos arames (em newtons por milímetros quadrados) e o coeficiente apropriado para o tipo de construção do cabo.
Carga nominal ? Carga para qual o equipamento foi construído.
Última altura ? Parte da caixa entre o pavimento extremo superior servido pelo carro do elevador e o teto da caixa.
Contrapeso ? Massa que assegura a tração.
Casa de máquinas ? Recinto no qual estão instaladas as máquinas e o equipamento relacionado com elas.
Casa de Polias ? Recinto que não contém a máquina e no qual estão localizadas as polias e no qual podem também estar localizados o limitador de velocidade e o equipamento elétrico.
Protetor de soleira ? Protetor vertical liso que se estende para baixo a partir da soleira do carro ou do pavimento.


16

Guias ? Os componentes rígidos destinados a manter a direção do movimento do carro ou do contrapeso.
Caixa ? Espaço onde o carro e o contrapeso viajem. Este espaço é limitado pelo fundo do poço, as paredes e o teto.
Limitador de velocidade ? Dispositivo que, quando o elevador atinge uma velocidade predeterminada, causa a parada do elevador e, se necessário, aciona o freio de segurança.
Máquinas ? A unidade que aciona e pára o elevador.
Nivelamento ? Operação que proporciona precisão de parada nos pavimentos.
Freio de segurança instantâneo com efeito amortecedor ? Freio de segurança na qual a ação de freada plena nas guias é quase imediata, mas a reação no carro ou no contrapeso é limitada pela presença de um sistema intermediário de amortecimento.
Freio de segurança instantâneo ? Freio de segurança no qual a ação de freada plena nas guias é quase imediata.
Freio de segurança progressivo ? Freio de segurança cujo retardamento é obtido pela ação de freada nas guias e para o qual são feitas prescrições especiais de modo a limitar as forças no carro ou no contrapeso a um valor admissível.
Freio de segurança ? Dispositivo mecânico para parar e manter travado nas guias o carro do elevador ou o contrapeso em caso de sobre-velocidade no sentido de descida ou de ruptura da suspensão.
Passageiro ? Qualquer pessoa transportada dentro da cabina do elevador.
Poço ? Parte da caixa situada abaixo do nível de parada baixo servido pelo elevador.
Área útil da cabina ? área da cabina medida a uma altura de 1 m acima do piso, desconsiderando corrimãos, que está disponível para passageiros e objetos durante a operação do elevador.
Usuário ? Pessoa que faz uso dos serviços de uma instalação elevadora.
Velocidade nominal ? Velocidade do carro para a qual o equipamento foi construído.
Vidro laminado ? Conjunto formado por duas ou mais lâminas de vidro coladas juntas por meio de um filme plástico.

1.6 UNIDADES

As unidades adotadas são as do Sistema Internacional de Unidades ? SI

Esse trabalho nasceu da necessidade de orientar de forma didática os profissionais da construção civil, na qual precisam da instalação de elevador na edificação. Diversos problemas são constatados no dia-a-dia das obras no Brasil, gerando um custo excessivo, atrasando o cronograma de execução da obra e o pior, um equipamento que terá um funcionamento irregular durante sua vida útil.
O setor da construção civil vem cada vez mais buscando soluções técnicas que proporcionem uma padronização e sequência dos serviços de uma obra, pois somente esses estudos técnicos e científicos proporcionarão melhores condições de uma maior competitividade no mercado imobiliário, através de uma execução rápida e com qualidade de uma obra, ou seja, realmente ser como uma linha de produção, como as demais indústrias.
Ao entregar uma edificação que possui elevador, o engenheiro recebe reclamações que o elevador apresenta ruídos, que não presta ou até mesmo que foi comprado de 2º mão, e isso é comum nos três primeiros meses de funcionamento pleno do edifício, pois é o tempo necessário para que o equipamento vá se adaptando às condições do local e que a manutenção preventiva vá surtindo efeito. No entanto, ao passar esses três meses, se as condições de funcionamento não melhorarem, já é um sinal que houve problemas durante a montagem do elevador, problemas estes que poderiam ser resolvidos se a equipe técnica da obra tivesse conhecimento dos cuidados necessários para que se tenha uma boa montagem do elevador. Cuidados estes, que a norma NM 207:99 ? Elevadores Elétricos ? Requisitos de Segurança dos Passageiros rege, mas que por acharem que só se aplica aos fabricantes de elevador, os construtores não atentam para ela.
Sendo assim, esse trabalho vem em boa hora para orientar esses profissionais da construção civil de forma simples e didática a respeito dessas recomendações técnicas, sem precisar que a equipe tenha na obra essa norma, pois basta esse manual para que possam tomar as soluções técnicas mais viáveis e econômicas para a construtora

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Sidney Brasil Coelho
Talvez você goste destes artigos também