EDUCAÇÃO E HUMANIZAÇÃO: o processo necessário para aprendizagem na educação inclusiva
 
EDUCAÇÃO E HUMANIZAÇÃO: o processo necessário para aprendizagem na educação inclusiva
 


EDUCAÇÃO E HUMANIZAÇÃO: o processo necessário para aprendizagem na educação inclusiva


Ana Carolina Silveira Ravagnani *


RESUMO: este trabalho retrata sobre alguns dos processos educativos necessários para a aprendizagem do corpo docente em busca de melhorias na qualidade do ensino. Enseja um método diferenciado para uma educação prazerosa e qualificado com olhar voltado para a humanização que se faz necessária na sala de aula e no dia a dia do relacionamento aluno-profissional. Alem disso, mostra que o Brasil esta tendo grandes avanços no que tange a evolução na Educação Inclusiva e seus processos de aprendizagem destacando temas diversos como a importância da psicopedagogia, arte e a musica no processo de ensino-aprendizagem para a expressão da verbalização desse alunado.
Palavras chave: educação, responsabilidade, disciplina;


INTRODUCAO


As ações humanas englobam muitas e diversificadas práticas profissionais, que vem sendo introduzidas no processo ensino aprendizagem, entre elas se destacam a psicopedagogia, arte e musica com seus variados métodos de trabalho, porm na visão de Freire, "ninguém educa ninguém, (ninguém educa sozinho; todos educamos no relacionamento)". (FREIRE apud GANDIN: 1997, p.94). Praticas essas que devem passar primeiro pelo mais nobre sentimento humano, o amor.
Amar é responder pela relação, é estar atento às necessidades do outro, respeitando, escutando, dando respostas às indagações "razão de ser maior de nossa existência" (SILVA: 1999, p.60). Para amar é preciso prestar atenção em nossa maneira de tratar o outro. É preciso ter o despertar de nossa consciência que "corresponde à noção que temos de nosso eu, ou seja, aquilo que pensamos que somos" (SILVA: 1999, p.27).
Ao ensinamento, com relação ao aspecto técnico-científico, cabe a responsabilidade do educador, do professor, ensinar ao aluno de forma competente, aplicar o que aprendeu e trazer para a sala de aula um currículo adaptado às necessidades desse alunado utilizando-se da ética, respeito e dignidade pra si e para ele.
________________________________________________________________
* Docente, Enfermeira. Pesquisadora na área da Educação Inclusiva; e-mail: anacarol-27@hotmail.com
Alguns professores merecem destaque pelo empenho em seu trabalho pedagógico aos aspectos da educação inclusiva. "Em âmbito estadual e municipal foram efetivadas as políticas educacionais norteadas por planos e ações estratégicas decorrentes das necessidades existentes em cada local" (JUNKES: 2006, p.58). A rede municipal e estadual merece o reconhecimento de seu alunado bem como das famílias pelo esforço no desenvolvimento de um trabalho enriquecedor que tem sido desenvolvido no estado de Rondônia. Destaque deve ser dado ao colégio "Ruth Rocha" na cidade de Ji-paraná.
Dentro dessa perspectiva os currículos foram adaptados para "se construir uma escola inclusiva e uma sociedade inclusiva" (LIMA: 2006 p. 31) dentro da própria escola. A musica, a arte, os brinquedos, voltados para a aprendizagem muito têm contribuído para a evolução desse alunado e também para o amadurecimento desses professores, que cada vez mais se aperfeiçoam e interessam-nos particularmente uma vez que "as definições não se apresentam essencialmente positivas ou negativas: incluem esses dois aspectos no brincar" (LIMA: 2006, p.133) aprender, na diversidade das formas de expressões.
Na visão dessas autoras a Educação inclusiva caminha sim para o desenvolvimento de praticas em diferentes formas. Esses profissionais estão buscando métodos e técnicas para o desenvolvimento de suas aptidões e habilidades na sala de aula, assim como os paises mais desenvolvidos já fazem. Neste aspecto convém lembrar que a reivindicação dos pais e dos próprios alunos para uma qualidade de ensino eficaz trouxe para a sala de aula a luta e o reconhecimento do desenvolvimento das intelectualidades em ambas as partes.
As autoras ainda enfatizam a importância de se obter "informações sobre o sujeito incluído, as condições físicas da escola, se há atendimento para as crianças dentro ou fora das salas de aula, se o aluno veio ou não de escola especial" (NUNES: 2006, p.130). Esta disposição para a importância do respeito da individualidade dos alunos estabelece um grau de adaptação e mudança, e em compensação abre espaço para a criatividade tão fundamental no relacionamento entre aluno e professor, afinal, "a educação é vista como um todo". (JUNKES: 2006, p.39).
Na escola atualmente tem se falado sobre a afetividade, em como usar as habilidades, ter confiança em si, escutar, ter empatia, estimular e motivar, respeitar as diferenças, humanizar-se. Os seres humanos são seres de relações, seres emocionais capazes de amar e realizar seu trabalho com amor. "A força educativa da cultura volta a definir a política do poder, a natureza da política da representação e a centralidade da pedagogia como um principio que define a mudança social" (IMBERNON: 2000, p.71).
A criatividade aplica-se em todas as ações da educação, pois o ato de ensinar é perceber o todo, é enxergar de uma forma global, criativa e criadora. Temos que mudar a forma como aprendemos e a forma como agimos. Como educadores é importante levarmos em consideração o ato de criar e de cuidar, como princípio na humanização do ser humano, afinal " o direito de aprender é como o direito a vida" (DEMO: 2005, p. 62). E esse resgatar no ensino e ao cuidado é um privilegio de todos.


DESENVOLVIMENTO


A política da educação enseja uma mudança social pela educação que se faz pela transformação do aluno em um ser autônomo, e determina no discente a medida exata da sua responsabilidade a partir de seus atos. O papel do professor se esgota no puro esforço de autonomizar atitudes e comportamentos. Habilitar o aluno, através do conhecimento a interpretar criticamente o seu mundo não significa tornar-se parceiro ou co-responsável de suas atitudes.
O professor na educação inclusiva deve ser humanizador e encarar essa realidade como desafio na prática pedagógica identificando as dificuldades de seus alunos e sanando-as assim como a incessante busca para o planejamento de suas atividades desenvolvendo-as e utilizando o velho vocabulário para reivindicar coisas novas, bem como na investigação, a busca de alternativas genuinamente autônomas.
As novas prticas pedagógicas de ensino lançam para o desenvolvimento de sua criatividade o desafio ao aluno no momento em que se depara com a capacidade de pensar sobre determinado assunto e refletir sua pratica cotidiana estando presente o universo social, ético, educacional e psíquico, observado ao relacionamento humano. As ações da humanização envolvem um vínculo subjetivo, entre quem ensina e quem aprende. Afinal de contas ninguém esta livre do simples conceito de educar. Esta é uma tarefa para todos.
Já humanizar é acolher a necessidade de resgatar e articular os aspectos indissociáveis: o sentimento e o acolhimento, mais do que isso, humanizar é adotar uma prática na qual o professor que ensina encontre a possibilidade de assumir uma posição ética de respeito ao outro, de acolhimento ao educando, do imprevisível, do diferente do singular, reconhecendo os seus limites.
É preciso repensar as práticas das instituições de ensino, que preparam os profissionais da educação, no sentido de buscar alternativas de diferentes formas de aprendizagem, pois a humanização é um processo de construção gradual, realizada através do compartilhamento de conhecimentos e sentimentos. Então o profissional deve obter esta parceria entre o conhecimento e o sentimento para favorecer uma aproximação mais real e verdadeira entre professor/aluno.
Creio que sem o sentimento o estudo perde o seu sentido, por outro lado, sem estudo, sem conhecimento, o sentimento pode acabar empobrecido. Sentimento e estudo são como as asas dos pássaros, dos anjos, se auxiliam no equilíbrio para o vôo, há uma maior valorização da vida. Há uma maior valorização dos sonhos, e da construção do futuro de uma nação.


BIBLIOGRAFIA

1. DEMO P. A educação do futuro e o futuro da educação. 2005.
2. GANDIN D. Planejamento como pratica educativa. São Paulo, 1997.
3. IMBERNOM F. & COL. A educação no Século XXI. Porto Alegre, 2000.
4. NUNES P. A. Educação Inclusiva e Igualdade Social. São Paulo, 2006.
5. SILVA M. A. D. Quem ama não adoece: o papel das emoções na prevenção e cura das doenças. São Paulo, 1999.













PARA REFLETIR


"Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo.
Não é.
A coisa mais fina do mundo é o sentimento.
Aquele dia de noite, o pai fazendo serão ela falou comigo:
Coitado, até essa hora no serviço pesado.
Arrumou pão e café, deixou o tacho no fogo com água quente.
Não me falou de amor
Essa palavra de luxo".

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Ana Carolina Silveira Ravagnani
Talvez você goste destes artigos também