EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A PRESERVAÇÃO DA FAUNA
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E A PRESERVAÇÃO DA FAUNA
 


A preservação da fauna é de grande importância, pois estamos indiretamente preservando a biodiversidade da flora, visto que grande parte das espécies vegetais é disseminada através da zoocoria. A perda da biodiversidade da fauna é atribuída à devastação dos habitats naturais e agravada por práticas como a caça e o tráfico de animais. Assim, este trabalho tem por objetivos ressaltar a importância da educação e conscientização ambiental para a preservação da fauna e sua contribuição para o meio ambiente como um todo. Palavras-chave: fauna; educação ambiental; preservação; biodiversidade

1.INTRODUÇÃO

A perda da biodiversidade da fauna é atribuída, principalmente, a dois fatores: a devastação dos habitats e a caça ou apanha dos animais. A exploração desordenada do território brasileiro é uma das principais causas de extinção de espécies. O desmatamento e degradação dos ambientes naturais, o avanço das fronteiras agrícolas, a caça de subsistência e a caça predatória, a venda de produtos e animais procedentes da caça, a apanha ou captura ilegal (tráfico) na natureza e a introdução de espécies exóticas em território nacional são fatores que participam de forma efetiva do processo de extinção.

Além da importância imediata da preservação da fauna, podemos atribuir a ela muitas outras contribuições ao meio ambiente, como a disseminação de sementes, quebra de sua dormência, manutenção e estabilidade de populações de insetos, dentre outras. Assim, este trabalho tem por objetivo ressaltar a importância das práticas de educação ambiental na formação de agentes de atuação consciente e preservacionista, preocupados com as questões ambientais e atentos para a reprodutibilidade dos ecossistemas ao longo do tempo.

2.DISCUSSÃO

O hábito da caça e do aprisionamento de animais silvestres como animais de estimação é bastante antigo no Brasil, remonta da época do descobrimento, em que os europeus recolhiam em nossas matas araras, papagaios e macacos, pois a manutenção desses em cativeiro representava nobreza, riqueza e poder. Os indígenas aqui existentes também os mantinham como animais de companhia, porém eles estavam em seu habitat natural e usufruindo praticamente de sua alimentação de origem.

 Essas condicionantes históricas, aliadas ao hábito alimentar, tornaram a caça e o aprisionamento de animais um costume corriqueiro entre a população de nosso país, o que pode acarretar, além da extinção de espécies, a redução da biodiversidade de nossos ecossistemas, visto que cada espécie, seja ela vegetal ou animal, apresentam fundamental importância para a estabilidade do mesmo. Assim, preservando a fauna estaremos indiretamente garantindo também a sobrevivência das espécies da flora, pois de acordo com Galetti & Guimarães (2004) apud Veiga (2009), aproximadamente 80% das espécies vegetais de florestas tropicais e em torno de 50% das de florestas subtropicais são disseminadas pela fauna, fenômeno esse conhecido por zoocoria.

 Além da caça, o tráfico de animais é o grande responsável pelo extermínio de animais de nossa fauna. Anualmente, milhões de animais são retirados de seus habitats, e cruelmente "preparados" para o comércio ilegal, elegendo o tráfico de animais silvestre a terceira mais lucrativa atividade ilegal do planeta. Tamanha a crueldade, que de dez animais retirados da natureza, nove morrem antes de chegar aos compradores finais. Cabe aqui ressaltar que sem interesse por parte dos compradores, que nesse caso passam a condição de cúmplices, não existiria traficantes e, portanto, o tráfico.

 Ao tratarmos da importância da conservação da fauna, não devemos atentar apenas para a preservação de indivíduos isoladamente. Devemos nos conscientizar de que determinado representante de uma espécie poderá vir a reproduzir-se, ou pode ser responsável pela orientação de um bando durante a atividade migratória para a reprodução, dentre outros. Dessa forma, devemos estar cientes de que cada exemplar de nossa fauna tem seu papel na manutenção e reprodutibilidade de sua espécie e conseqüentemente, a estabilidade dos ecossistemas.

 Além da preocupação com sustentabilidade ambiental, a transmissão de doenças graves também é motivo para não aprisionarmos animais silvestres, visto que estes são portadores de aproximadamente 150 zoonoses que podem ser transmitidas para o homem, dentre elas a ornitose, leishmaniose, leptospirose e a raiva, que acarreta óbito em aproximadamente 100% dos casos.

 Logo, a educação ambiental é ferramenta de fundamental importância para o combate ao tráfico de animais silvestres e também à transmissão de zoonoses. É papel do educador ambiental, transmitir ao público a essencialidade da preservação das mais diversas formas de vida existentes na Terra. Porém, para tal função, os mesmos devem ser conhecedores das relações existentes entre meio ambiente e o homem, bem como os fatores sociais e econômicos que estão intrinsecamente relacionados aos processos de degradação ou preservação.

3.CONCLUSÃO

Assim, ao formarmos educadores ambientais, devemos antes de tudo, formar cidadãos conscientes, responsáveis e compromissados com a preservação do meio ambiente como um todo, sem esquecer em momento algum de que nós, seres humanos, fazemos parte dele e da sua estabilidade dependemos para absolutamente todas as nossas atividades econômicas. Esse deve ser o norte e o princípio básico da educação ambiental em nosso país, pois somente depois de despertarmos essa consciência ecológica, poderemos então difundir as práticas conservacionista.

 Cabe então ao educador ambiental, despertar a consciência ecológica e difundir as práticas conservacionistas de forma a adaptá-las a realidade do local de trabalho, escolhendo a tática de difusão do conhecimento que melhor se encaixe as condições socioeconômicas e culturais da comunidade em questão. Além do mais, para garantir a reprodutibilidade do seu trabalho, o educador ambiental deve constantemente formar novos educadores e divulgadores dessa consciência.

 BIBLIOGRAFIA

LOUREIRO, Frederico B., AZAZIEL, Marcus e FRANCA, Nahyda. Educação ambiental e gestão participativa em unidades de conservação. Rio de Janeiro. Ibase : IBAMA, 2003.

MOURA, Sandovaldo G. de, PESSOA, Fabiano B. Liberdade e Saúde: animais silvestres livres, pessoas saudáveis. Brasília: IBAMA, 2007. 18p

VEIGA, Nabor, et al. O papel dos centros de triagem de animais silvestres (CETAS) na conservação da biodiversidade. Resumo expandido disponível em http://www.amigosdanatureza.org.br/noticias/396/trabalhos/668.viviane_biodiversidade.doc, acessado em janeiro de 2009.

 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
9 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Keli Souza Da Silva
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Engenheira Agrônoma, Especialista em Educação Ambiental (UFSM), Mestranda do Programa de Pós-graduação em Agronomia da mesma Instituíção. Desenvolve trabalhos relacionados ao controle químico de plantas daninhas na cultura do arroz irrigado, bem como a utilização racional desses produtos aliada ao m...
Membro desde junho de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: