É Possível Ensinar Literatura?
Muito se tem discutido sobre Literatura, suas teorias e seu papel no processo ensino-aprendizagem. Percebe-se, claramente, que há uma diversidade de opiniões de acordo com a visão e a formação de cada um. Conceituar Literatura se tornou uma tarefa árdua e inacabada devido às diversas teorias que se desenvolveram através dos tempos. A leitura como fonte de prazer e conhecimento levou os teóricos a abordagens múltiplas, cujo foco principal está no próprio texto.
Afinal, é possível ensinar Literatura? Dentro do processo ensino-aprendizagem tradicional nas escolas de cursos regulares, pode-se dizer que sim, pois seu objetivo é apenas mensurar o aluno, ou seja, transformá-lo em um número de zero a dez e classificá-lo como aprovado ou retido. Na verdade, saber Literatura e Ciência em geral acaba se tornando condição necessária para a evolução acadêmica do aluno, menosprezando-se, em contrapartida, suas competências e habilidades no processo crítico e criativo, objetivo final do ensino de Literatura e Ciência.
A Literatura, enquanto disciplina curricular no Ensino Médio, preocupa-se em preparar o aluno para os processos seletivos, ou seja, torná-lo capaz de ingressar nas melhores universidades, no entanto, não o prepara para a futura vida acadêmica.
Essa prática vai de encontro ao posicionamento de muitos teóricos e suas teorias literárias, que privilegiam o texto, dissociado do autor e do momento em que foi escrito. Essas teorias, uma vez aplicadas, permitem a multiplicidade de sentidos, a plurissignificação dos textos, ampliando seu campo semântico e até extrapolando os limites lógicos da análise direcionada.
Seria esse o caminho ideal para o estudo da literatura que, na verdade, deve-se entender como "estudo do texto literário". Ensinar Literatura é apenas expor informações pré-definidas, prontas para serem "decoradas" e, posteriormente, cobradas nas avaliações e processos seletivos. Percebe-se que saber Literatura é apenas decorar o nome das escolas literárias, suas características, autores, obras e personagens.
Essa prática não desenvolve a habilidade da "trilogia" fundamental para a leitura: análise, síntese e antítese. Muito menos desenvolve o senso crítico, tão necessário à formação global do aluno. Ela apenas serve como um indicador se esse aluno pode ou não cursar uma universidade.
Cabe, então, ao professor apossar-se das teorias e levar o aluno a aprender Literatura através do texto. Este deve ser o princípio e não o fim desse estudo. O aluno não deve receber as informações prontas, os conceitos já definidos, mas sim ir construindo-os a partir do texto literário. Este sim não vem pronto nem acabado, pelo contrário, deve ser visto como o ponto de partida no ensino de Literatura. Ler um poema de Álvares de Azevedo e, através dele, levantar as características de sua poesia, é efetivamente aprender Literatura. E não "decorar" essas características, que vêm prontas no livro didático, para depois observá-las, se isso realmente ocorrer, no texto literário.
Portanto, saber Literatura não é saber, por exemplo, que Mário de Andrade é um autor modernista da primeira fase e escreveu Macunaíma, mas sim ter a habilidade de ler, interpretar e analisar de forma crítica o comportamento e as peripécias humoradas e "abrasileiradas" de Macunaíma. Assim, podemos dizer que as teorias literárias têm validade, diferentemente do ensino de Literatura proposto atualmente nas escolas regulares.
 
Revisado por Editor do Webartigos.com
Leia outros artigos de Wagner Torlezi
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Professor Especialista de Língua Portuguesa, Literatura e Redação para o Ensino Médio e para cursos preparatórios para a carreira militar. Pós-graduado em Língua Portuguesa pelo Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, em Itu e em Gestão Escolar pela FAE, de Curitiba.. No twitter: @wagnerto...
Membro desde maio de 2008