DIDÁTICA E METODOLOGIA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO
 
DIDÁTICA E METODOLOGIA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO
 



É importante distinguir os estágios cognitivos e os níveis evolutivos conceituais da criança, para que os professores possam traçar algumas metodologias que venham propiciar meios para orientar sua prática docente; as diferentes situações de ensino aprendizagem devem estabelecer critérios pré-definidos:
1º. As atividades devem contemplar os interesses das crianças e respeitar as condições de realização de cada uma; permitindo-lhe a possibilidade de realizar a tarefa que lhes interessam, de forma que envolvido emocionalmente, venham fazê-la sem fracasso, levando-a a sentir-se estimulada a vencer mais uma etapa no seu desenvolvimento, despertando nela sempre o interesse real pela atividade.
2º. Buscar atividades interdisciplinares nos diversos conteúdos didáticos sempre que possível.
3º. Os jogos e brincadeiras devem fazer parte das atividades diárias.
4º. As atividades em grupo devem ser priorizadas. A interação com o outro é um dos maiores suportes para a aprendizagem. Isso se dá gradativamente sem que as crianças sejam forçadas a isso.
5º. Atividades de auto-expressão estarão presentes durante o processo de alfabetização (expressão oral, plástica e corporal), que terá maior suporte quando há um clima afetivo estabelecido pelo educador.
6º. A solução de problemas ? o aprendizado nas classes de alfabetização deve ser um constante desafio a criatividade, a imaginação e ao raciocínio das crianças.
7º. O alcance da autonomia.
A criança precisa ter oportunidades de fazer suas escolhas, responsabilizarem pelas suas tarefas, exercerem sua independência, assumindo conscientemente seus direitos e deveres. A avaliação deverá ser diagnosticada, verificando sua evolução nos aspectos: cognitivo, pscicomotor, afetivo, social e na gênese da aprendizagem da leitura e da escrita. É necessário enfatizar um pouco de competição para favorecer a aprendizagem e a construção do conhecimento por eles mesmos.
É necessário que os professores desenvolvam e criem atividades para que as crianças avancem nos níveis conceituais da escrita e da leitura e nos seus estágios de desenvolvimento. A seguir teremos sugestões de atividades que possibilitarão trabalhar a linguagem oral e escrita nos diferentes níveis, tornando a aprendizagem mais prazerosa e natural.
Podemos durante as atividades propostas: observar, acompanhar e avaliar, registrando sempre o desenvolvimento das crianças. Teremos a seguir algumas atividades:
- jogos com alfabeto móvel e sílabas móveis;
- caça-palavras;
- cruzadinhas;
- jogos de memória;
- bingo;
- dominós diversos;
- leitura e interpretação oral de diferentes tipos de textos: poesias, músicas, parlendas, textos dos alunos, etc.
- produção de textos coletivos;
- adivinhações, trava-línguas, anedotas;
- hora da surpresa;
- planejamento e avaliação do dia;
- relatório oral e escrito de experiências vivenciadas;
- histórias mudas;
- escrita de cartas, bilhetes, listas, etc.
- análise e síntese de palavras significativas;
- escritas espontâneas, auto ditado;
- classificação e seriação de palavras;
- jogos e atividades orais que permitam rimas, acrósticos, etc.
- trabalhos manuais: recortes, dobraduras, pinturas, encaixes, etc.
- novas formas de expressão e uso em sua linguagem de novas palavras;
- oficinas de histórias, recontos, reescritas;
- diálogos, entrevistas surgidas no cotidiano;
- transcrição de receitas, piadas, etc.
- recorte de figuras para montar álbuns, quebra cabeça, etc.
- recontar vídeos, excursões, experiências;
- reestruturar frases de poesias, parlendas ou músicas que os alunos já sabem de cor;
- localizar palavras num texto, copiá-las separando suas sílabas num diagrama;
A partir dessas inúmeras atividades que as crianças vão identificando os materiais escritos, descobrindo o prazer da leitura e da escrita. Daí o cuidado de elaborar e confeccionar um material bonito, agradável, atraente e instigante, sendo eficiente e lúdico, visando proporcionar um estudo prazeroso.
Com certeza as atividades abrirão novos caminhos para que eles se apropriem gradativamente dos instrumentos necessários para aprender a ler, escrever, contar, conhecer e compreender o mundo a sua volta. E com isso, avançar nos conceitos e passar para uma nova fase de desenvolvimento. Todas as atividades devem ser elaboradas de forma interdisciplinar, buscando estabelecer uma correlação entre as diferentes áreas do conhecimento. Segundo Affonso Romano de Sant?Anna, o globo 12/11/2000:

"...que a leitura é um processo permanente mostrando que nossas atividades do cotidiano, profissionais ou pessoais, em diferentes contextos de produção, estamos lendo a realidade que nos cerca...".

Portanto, é primordial todo o empenho necessário para estarmos frente a uma classe de alfabetização, buscando desenvolver todas as atividades que ora sejam pertinentes à integração, socialização e desenvolvimento das habilidades que visem estimular o processo de ensino aprendizagem da leitura e da escrita, atendendo os diferentes níveis que se apresentam sendo assimilados de formas diferentes por cada criança. Umas avançam mais que outras e o professor deve estar atento a essas peculiaridades, fazendo sempre que necessário as devidas intervenções para ajudar o aluno no desenvolvimento das habilidades psicomotoras para atingir com êxito o processo de alfabetização, vindo a ler e escrever de forma clara e coerente. Embora sabemos que as dificuldades oriundas de inúmeras situações vivenciadas pelas nossas crianças interferem nesse processo, comprometendo o processo de ensino aprendizagem da leitura e da escrita. Mas não podemos em nenhum momento sentir-se desestimulado, afinal, temos que acreditar que nossos alunos são capazes, oferecendo-lhes oportunidades, de forma que ele inicie sua fase de estudo com seriedade e firmeza, pois, tudo isso depende de professores que conduzem o trabalho de forma compromissada e com muita paciência e dedicação.


FERREIRO, E. & TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre, Artes Médicas, 1986.
__________Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 1995.
_________(org.) Os filhos do analfabetismo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
_________Os processos de leitura e escrita: novas perspectivas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
6 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou educadora graduada em Letras pela UFMT ,atuo nas áreas de linguagem e estou Cursando, pós graduação em Leitura Litetura e Produção de Texto.Acredito que estamos sempre em busca de dias melhores,acredito na educação como perspectiva de mudar a nossa sociedade.Nós,professores devemos ter consciênc...
Membro desde novembro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: