CONTRIBUIÇÕES DA PSICOPEDAGOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR
 
CONTRIBUIÇÕES DA PSICOPEDAGOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR
 


SANZIA GEINY PAULO DE ALMEIDA

RESUMO:

A psicopedagogia se constitui como novo campo do conhecimento voltado a pensar e a agir sobre as dificuldades de aprendizagem, sendo a escola o espaço institucional propício para ser desenvolvida uma prática psicopedagógica. Este artigo aborda a importância do professor psicopedagogo na instituição escolar na superaçãodos problemas de aprendizagem. O referencial teórico adotado para argumentação e confrontação dos dados obtidos é respaldado nas idéias de Bossa (2007) onde se enfatiza as contribuições da psicopedagogia e as limitações ainda existentes na práxis psicopedagógica.

1.INTRODUÇÃO

A escola é considerada por excelência o veículo de difusão do conhecimento e espaço onde ocorre o desenvolvimento sócio-cognitivo dos indivíduos. Como instituição social tem a incumbência de garantir aos que nela ingressam a construção saudável de saberes e competências necessárias para o enfrentamento dos desafios que a atual sociedade lhes apresenta. Entretanto, a escola de hoje se depara com sérios entraves que a impede de ser lócus principal no processo de desenvolvimento do sujeito, sobretudo das crianças com dificuldades de aprendizagem. À ineficiência da escola e dos professores diante dos problemas de aprendizagem sugere especialmente aos educadores a busca por uma formação que lhes permita uma compreensão global do sujeito em processo de aprendizagem.

Nesse sentido, a psicopedagogia surge como nova área do conhecimento na busca de compreender e solucionar os problemas de aprendizagem, tendo em sua configuração institucional a função de pensar e refazer o trabalho no cotidiano da escola.

Nesse contexto, a formação psicopedagógica constitui-se para os professores como uma oportunidade para entender o sujeito em suas múltiplas dimensões e refazer suas concepções e atitudes frente ao processo de ensino-aprendizagem, dando-lhes instrumentalização necessária para atender as demandas da escola especialmente no que concerne aos alunos com dificuldades de aprendizagem, foco principal do estudo da psicopedagogia. A intervenção psicopedagógica, exercida por um profissional habilitado na área da Psicopedagogia institucional fará um trabalho de prevenção a fim de perceber possíveis falhas no sistema educativo que dificulta a aprendizagem dos alunos participando do processo de reorientação metodológica da escola. Ao mesmo tempo em que realiza o trabalho preventivo poderá diagnosticar perturbações na aprendizagem do aluno numa ação educativa que envolva a escola, a família e outros profissionais na busca de soluções para o problema de aprendizagem que o aluno apresenta.

2.A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA PSICOPEDAGÓGICA NA INSTITUIÇÃO ESCOLAR.

Apesar de todo o debate em torno da importância da educação e da relevância das propostas que objetiva a melhoria das condições educativas, o sistema educacional brasileiro encontra-se ainda escamoteado. Mesmo com a evolução da oferta de vagas e os programas instaurados pelo governo que visam à melhoria do ensino nas instituições, a educação convive com graves problemas históricos que se arrastam até os dias de hoje entre os quais destacamos a desvalorização do profissional e a falta de uma formação adequada que ofereça ao professor lidar com problemas que vivencia na escola, sobretudo as dificuldades de aprendizagem dos alunos.

Alunos que por falta de competência do professor é taxado como retardado, desnutrido, inapto a desenvolver-se e em conseqüência excluído e culpabilizado pelo seu não aprender. Neste quadro de incertezas e esperanças surge a figura do psicopedagogo geralmente professores vindos das diversas modalidades de ensino, sedentos de respostas ao como fazer e lidar com problemas de aprendizagem. Conforme diz Bossa (2007, p. 63) "Alguém que, em geral, atua em uma função, para a qual foi habilitado na graduação, e que ao completá-la com estudos em nível de especialização em Psicopedagogia, modifica a sua práxis".

Em busca de redirecionar à sua prática o professor encontra na Psicopedagogia não o remédio para a cura dos males da educação, mas um aparato teórico metodológico que redimensione o seu fazer pedagógico na instituição educativa.

O trabalho do Psicopedagogo aqui é tratado no âmbito da instituição escolar, trabalho este de extrema relevância para os sujeitos envolvidos na dinâmica ensino-aprendizagem. O Psicopedagogo na instituição assumirá o compromisso com a transformação da realidade escolar, à medida que se propõe a fazer uma reorientação do processo de ensino-aprendizagem refletindo os métodos educativos e numa atitude investigativa descobrir as causas dos problemas de aprendizagem que se apresenta na instituição e que se depara em sala de aula. É papel do professor agora psicopedagogo na instituição conhecer a intencionalidade da escola em que atua através do seu projeto político pedagógico, de modo que o permita além de identificar as concepções de aluno e de ensino-aprendizagem que a instituição adota reconstruir esse projeto junto à equipe escolar conduzindo a reflexão e a construção de um ambiente propício à aprendizagem significativa. Além de repensar o fazer pedagógico da escola o psicopedagogo deve ter um olhar atento para entender o sujeito em suas características multidisciplinares, como ser cognoscente envolvido na teia das relações sociais, sendo influenciado por condições orgânicas e culturais. Conforme Bossa (2007, p.74).

O conceito de aprendizagem com o qual trabalha a psicopedagogia remete a uma visão de homem como sujeito ativo em um processo de interação com o meio físico e social. Nesse processo interfere o seu equipamento biológico, as suas condições afetivas - emocionais e as suas condições intelectuais. A psicopedagogia entendeainda que essas condiçõesafetivo-emocionais e intelectuais são geradas no meio familiar e sociocultural no qual nasce e vive o sujeito.

Nesse sentido, o psicopedagogo lança seu olhar numa perspectiva multidimensional do sujeito aprendente constituído de natureza biológica e social, determinado pelas dimensões sócio-históricas em que vive. Nessa perspectiva faz-se necessário o psicopedagogo se debruçar sobre os aspectos constituintes do aprendiz, levando em conta a instituição onde o aluno constrói o conhecimento, o conceito social onde está inserido e os fatores orgânicos que podem estar ocasionando o não - aprender.

Pensar o sujeito que aprende conforme os princípios da Psicopedagogia é reconhecê-lo como ser ativo e contextualizado onde a aprendizagem é um processo inevitavelmente produzido e inter-relacionado pelas relações que estabelece com a escola, a família, ou seja, do grupo social da qual é integrante.

Dentro da escola, o professor deve adotar o olhar e a escuta psicopedagógica como forma de identificar, intervir e prevenir os problemas de aprendizagem de modo a entender seu aluno, bem como através do diagnóstico encaminhá-lo se preciso a outros profissionais além de realizar um trabalho preventivo para que sejam evitadas perturbações no processo de aprendizagem. Segundo (Bossa 2007). De fato o trabalho psicopedagógico na instituição é essencialmente preventivo, pois é na escola que se manifesta e tornam-se visíveis as chamadas dificuldades de aprendizagem, sendo ainda o lugar onde estas podem ser ocasionadas, pois acreditamos que grande parte das dificuldades de aprendizagem acontece devido à inadequada pedagogia da escola.

Nesse sentido, é fundamental ao professor fazer uma leitura da sua prática, rever suas metodologias, elencar maneiras de atender ao aluno com dificuldades, e revelar-se como aprendente numa relação de troca e diálogo com os alunos. É necessário ao psicopedagogo que atua em sala de aula considerar o nível de aprendizagem do aprendiz, compreendendo as etapas evolutivas da aprendizagem, como um processo que é vivenciado por cada aprendiz de maneira diferente. Cabe ao professor vê o seu aluno, como sujeito da aprendizagem, que carrega em sua bagagem, conhecimentos trazidos da vida cotidiana; considerar sua forma de ser e estar no mundo, e acima de tudo ver suas potencialidades que por vezes é ignorada pelo meio escolar e familiar. Torna-se essencial ao professor pensar e agir psicopedagogicamente, pois é isto que lhe compete e para qual foi habilitado conforme os estudos da Psicopedagogia institucional. Apostar numa postura psicopedagógica é contemplar o sujeito em sua plenitude, onde numa relação dialógica tentarão compreender suas dificuldades, seus interesses, suas expectativas diante do aprender, bem como a realidade onde o aluno constrói o conhecimento. Segundo Benzoni (2007,p.02).

O olhar psicopedagógico tem que buscar as respostas para as perguntas: "Por que este indivíduo não aprende?" "ou" Por que este indivíduo não estar conseguindo utilizar em plenitude as suas potencialidades?"" O que estar impedindo de se desenvolver?" ". Não são respostas simples de serem encontradas, mas é possível encontrá-las, temos que ver aquilo que não está visível; temos que ver o que está no não dito, tanto no jeito de dizer, quanto naquilo que silencia.

Como fala a autora, esta não é uma tarefa da mais fácies, porém é possível olhar o aprendente numa visão totalizante. Com a finalidade de verificar como este aprende e o que dificulta no desenvolvimento de suas habilidades, de modo que seja resgatado o prazer de aprender pelo sujeito.

Deixamos claro que não é função do psicopedagogo ser um "detetive" em busca de encontrar alunos-problemas, que classifica e pré-julga o indivíduo, esse é um ato irresponsável do professor que ao terminar um curso de pós-graduação se porta de maneira errônea e incompetente, mostrando-se inabilitado para exercer uma prática psicopedagógica. Ao contrário dessa postura o profissional que atua com seriedade busca constantemente além de refletir sobre as dificuldades de aprendizagem busca fazer uma revisão de sua práxis, buscando respostas para inquietações que surgem no seu fazer pedagógico.

Portanto, a ação psicopedagógica na instituição escolar configura-se como uma prática instigante e desafiadora que exige do profissional a adoção de uma postura que veja o sujeito na sua integralidade. É lançar um olhar reflexivo no cotidiano da escola, se comprometendo a modificá-la tornando-a um ambiente que proporcione e favoreça a aprendizagem ao mesmo tempo buscando soluções para os problemas já existentes. Assim consideramos de extrema relevância a ação do professor numa perspectiva psicopedagógica, pois essa possibilita uma intervenção e reorganização do processo de aprender para que este seja significativo para todos os sujeitos que deles fazem parte.

3.CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Portanto a Psicopedagogia contribui significativamente para o processo de ensino  aprendizagem. Caberá, pois ao professor a partir dos conhecimentos psicopedagógicos adotarem o olhar e a escuta direcionado ao sujeito multidimensional, sujeito da aprendizagem, rompendo com velhas práticas que não condizem com o nível de formação do qual é portador. Para tanto, defende-se o processo de formação constante e permanente para a construção de uma prática e de uma postura essencialmente psicopedagógica.

4.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BENZONI: G.A. Selma. Reflexões sobre diagnóstico psicopedagógico. 2007. Disponível em: < http: // www.abpp.com.br / acesso em 26 de julho de 2008.

BOSSA, Nádia A. A Psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática / Nádia A. Bossa  3, ed  Porto Alegre: Artmed, 2007. 160 p. Jl, 23 cm

 
Avalie este artigo:
2 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também