Um dos maiores desafios enfrentados para execução de uma obra na construção civil, consiste em conciliar fatores como as normas da empresa e a perfeita execução do projeto, com comportamentos humanos, tais como: motivação, trabalho em equipe, conflitos, e até limitações técnicas dos profissionais envolvidos no processo. Pode-se resolver essa questão com uma liderança proativa, determinada e eficaz.

Quem nunca viu um determinado objetivo deixar de ser cumprido por “motivos” injustificáveis? Ou o pedreiro não compareceu, ou faltaram recursos não previstos no planejamento, o fornecedor não fez a entrega a tempo, ou até mesmo um provável problema com o projeto, que na verdade mais “parece” a desculpa de um profissional insatisfeito com o tratamento dado pelos seus superiores.

Dentre tantos desafios, aqueles de ordem técnica, são solucionados com uma boa preparação do gerente da obra. Caso não tenha essa capacitação, sempre poderá recorrer a um manual, ao fabricante ou a internet, para solucionar o problema. Entretanto, aqueles de origem humana, demandam muito mais que isso, esse fator requer certas habilidades, que são fundamentais para um líder.

Um bom líder considera a conciliação de três vertentes, ou fatores críticos da gestão de uma obra, como sendo importantes para atingir seus objetivos.
· As diretrizes e normas da organização;
· A parte técnica do projeto;
· E os fatores humanos.

Normalmente, a parte técnica é prevista no projeto e deve ser cumprida a “qualquer custo”. Aparar as arestas entre o previsto, alinhado ás normas da empresa, e às “vontades pessoais”, (por exemplo, do seu carpinteiro que trabalha na função há dez anos), exige grande capacidade e influência e determinação para conciliar o fator humano com a aplicação precisa e objetiva do projeto, sem perder o respeito e aprovação do colaborador.

Entender que é necessário ser incisivo e persistente, em momentos que demandam firmeza, e ser flexível nas horas apropriadas (para o bom andamento do serviço), gera um ambiente propício à alta produtividade e bom clima organizacional. Além de facilitar a execução dos projetos e aplicação das normas da instituição, de forma voluntária por parte dos colaboradores.

Influenciar a equipe para seguir na direção certa demanda muito tempo, dedicação e comprometimento, mas o custo-benefício por esta atitude gera um bom clima organizacional, eficácia na execução dos projetos e um grande crescimento profissional para a liderança da empresa.

Para influenciar positivamente sua equipe, o líder precisará desenvolver as seguintes competências pessoais que serão fundamentais em sua gestão:
· Capacidade de motivação – para manter sua equipe motivada continuamente, independente das situações adversas ou contratempos que possam ocorrer em suas vidas ou no trabalho.
· Produção de conhecimento – capacidade de desenvolver conhecimentos essenciais à realização de suas funções, e que sejam relevantes para a organização em que trabalha,
· Liderança – capacidade de dirigir pessoas, principalmente em momentos críticos, e tirar o melhor delas, levando-as a serem competentes e motivadas por trabalharem em equipe;
· Relacionamento interpessoal – capacidade de se comunicar com as pessoas de forma eficaz, fazer amigos e influenciar pessoas, ao mesmo tempo em que mantém o respeito e a postura profissional;
· Criatividade – capacidade de criar e perceber coisas novas, gerar novas maneiras de fazer tarefas, e reinventar métodos, produtos e formas de trabalhar;
· Capacidade de perseguir objetivos – exercício de imaginar coisas difíceis e criar condições para realizá-las. Fazer o impossível tornar-se realidade pela imaginação e pela persistência.

Ao desenvolver estas competências para gerenciar pessoas, o líder terá todas as condições para administrar a execução de uma obra de maneira eficaz. Conseguirá conciliar os objetivos da organização com a execução do projeto, dentro do prazo e de acordo com os recursos previstos, utilizando para isto a colaboração e o envolvimento de sua equipe trabalho.

Acreditamos, portanto, que o fator liderança, tem um peso fundamental no processo de executar obras com eficácia na construção civil, principalmente ao levarmos em conta as dificuldades operacionais próprias do setor, a mão de obra, em geral pouco qualificada, e o grande índice de desperdício que historicamente ocorre na construção civil.


Revisado por Editor do Webartigos.com