Considerações sobre insetos pragas em sistemas agroflorestais
 
Considerações sobre insetos pragas em sistemas agroflorestais
 


1. Sistemas Agroflorestais (SAF´s)

Os Sistemas Agroflorestais (SAF’s) podem ser definidos como técnicas alternativas de uso da terra, que implicam na combinação de espécies florestais com culturas agrícolas, atividades pecuárias ou ambas. Essas combinações podem ser simultâneas ou escalonadas no tempo e espaço e de caráter temporário ou permanente.

Estes podem envolver uma cultura econômica (como o citros, por exemplo), mais espécies florestais nativas (ou introduzidas). Tem-se em mente que os mesmos, dados as suas características de adaptação, equilíbrio, eficiência produtiva e viabilidade econômica; poderiam ser incluído em propostas de políticas públicas que viessem a ajudar na sua consolidação, permitindo especialmente a melhoria de seu desempenho nos indicadores econômicos e apoiando sua ampliação com a agregação de novos produtores.

Uma agrofloresta bem manejada assegura o fornecimento contínuo de produtos úteis ao consumo e venda; pode ser ainda, importante instrumento para alcançar objetivos sócio-econômicos como fixar o produtor em sua terra, reduzir a expansão da fronteira agrícola e melhorar a qualidade de vida das populações.

2. Incidência de Pragas no SAF's

Estudos mostram que o desenvolvimento de pragas agrícolas em sistemas agroflorestais pode ser influenciado pela combinação que é feita no sistema, visto que, há uma tendência de existirem maiores populações de herbívoros quando existe uma combinação entre plantas perenes e anuais comparadas aos sistemas de cultivos mistos compostos somente de plantas perenes. Nos quais, segundo alguns estudos, em termos de crescimento populacional de pragas, mais importante a disponibilidade de alimentos para elas do que a atuação de seus inimigos naturais ao seu controle. Assim, pode-se esperar que os níveis de infestação das pragas tendessem a ser menores em sistemas agroflorestais (SAF’s) quando comparadas aos sistemas não diversificados, desde que, neles não se introduzam culturas anuais.

Espécies florestais componentes dos SAF’s são atacadas por um largo espectro de insetos em todos os estágios de seu crescimento exatamente como as lavouras anuais e perenes. No entanto, o manejo de insetos nos SAF’s não tem recebido tanta atenção, porém tem se dado ênfase recentemente na produção de produtos arbóreos de alto valor e no uso de germoplasma melhorado em sistemas tradicionais, pois a ocorrência de sérios problemasem alguns SAF’s promissores tem aumentado a consciência nos riscos ofertados pelos insetos.

Acrescenta-se ainda, que os insetos podem atacar uma ou mais espécies dentro de um sistema e através dos sistemas na paisagem, assim que as estratégias de manejo de pragas devem depender da natureza do inseto e do valor da magnitude de seus danos. Embora exista uma grande diversidade de plantas nos SAF’s é esperado um aumento de artrópodes benéficos, mas a diversidade por ela mesma pode não reduzir as pragas. A informação sobre a biologia e a ecologia dos insetos herbívoros das espécies florestais é essencial para determinar seu status de praga.

Vale lembrar, que mudanças no microclima em que árvores e plantios agrícolas são cultivados juntos influenciam a atividade dos insetos dentro do sistema. Uma mudança na configuração de uma área resultante da interação de espécies florestais e plantações agrícolas, ou vice-versa, podem afetar a colonização das plantas pelos insetos pragas. Esse efeito mascarado dos odores liberados por diferentes espécies de plantas em sistemas de policultura tais como aqueles dos sistemas agroflorestais, interfere na habilidade de orientação dos insetos. Ás espécies florestais colocadas junto com lavouras em campos de SAF’s agem como barreiras físicas ao movimento dos insetos, do campo ou dentro dele. Um efeito de barreira pode também resultar da presença de plantas não-hospedeiras entre as plantas hospedeiras.

Acrescenta-se que os componentes do sistema atuam protegendo herbívoros e inimigos naturais e que ás práticas agroflorestais auxiliam o estabelecimento de inimigos naturais dos insetos pragas. Sendo recomendado cuidado ao introduzir plantas exóticas em sistemas agroflorestais. Regular e prolongar o monitoramento das populações de insetos chaves e de seus inimigos naturais sobre diferentes situações de manejo junto com parâmetros sazonais do tempo ajudarão a determinar as circunstâncias que favorecem o aumento das pragas. Essa informação é extremamente útil para fazer exame de medidas preventivas do ataque de insetos. Ao introduzir uma nova espécie florestal é essencial coletar informações detalhadas sobre as pragas endêmicas e seus inimigos naturais.

Ao levar em consideração fundamentalmente aspectos econômicos, ás características e o comportamento das espécies, bem como a conservação do solo e a dinâmica de nutrientes no sistema, não são levados em consideração no momento de planejar e manejar os arranjos agroflorestais, com consequente desenvolvimento lento e irregular das espécies e desequilíbrios nas populações de insetos e microorganismos entomopatogênicos.

3. Importância dos Sistemas Agroflorestais na Amazônia

Atualmente o mundo se preocupa com a sustentabilidade e preconiza como alternativa viável para atingir o desenvolvimento sustentável, os sistemas agroflorestais. Desta forma os SAF’s passaram a fazer parte de diretrizes centrais de desenvolvimento rural sustentável pelo potencial de serem implantados em áreas já degradadas, reincorporando-as ao processo produtivo e minimizando, assim, o desmatamento sobre florestas primárias.

Além de se constituírem em uma opção estratégica para pequenos produtores por causa da baixa demanda de insumos, ao maior rendimento líquido por unidade de área em comparação com sistemas convencionais de produção e por fornecerem inúmeros serviços sócio-ambientais. Esses serviços podem ser valorizados e convertidos em créditos ambientais, propiciando agregação de valor à propriedade agrícola. Os sistemas agroflorestais praticados na Amazônia vêm sendo vistos pelos agricultores como uma fonte de renda de médio a longo prazo, dependendo da qualidade da cultura que está sendo empregada. Os SAF’s preenchem, portanto, um papel importante na luta contra a pobreza nos meios rurais.

 Estima-se que recentemente 62% das áreas desmatadas na Amazônia foram destinadas a empreendimentos agropecuários, onde foram implantados cerca de 25 milhões de hectares de pastagens. Desse total, calcula-se que a metade está degradada ou em processo de degradação. Dessa forma, os sistemas agroflorestais oferecem alternativas menos impactantes e podem auxiliar na reversão de processos de degradação, contribuindo para o aumento da diversidade animal e vegetal, além de satisfazer necessidades elementares e melhorar ás condições de vida das populações rurais da região.

Grande parte da região amazônica não possui características fisiográficas e edafoclimáticas ideais para a prática agrícola convencional. Monoculturas extensivas e grandes projetos pecuários, em geral impactantes ao meio natural amazônico, também não estão ao alcance da unidade familiar típica amazônida. Na tentativa de reverter esse cenário buscam-se alternativas e novas pesquisas que contribuam significativamente para o desenvolvimento sustentável dessa região, com custos sociais, econômicos e ambientais mínimos.

Quanto a observação de pragas em sistemas agroflorestais para região, RODRIGUES (2005) em trabalho no estado do Acre, observou que, de um total de 170 agricultores entrevistados, 17 possuíam mais de 15 espécies introduzidas nos seus SAF’s, das quais nenhuma citou a ocorrência de pragas, doenças e desenvolvimento insatisfatório das culturas como sendo problemas enfrentados em seus plantios.

Estudos no estado do Pará, onde foi avaliada a infestação da cochonilha Ortézia, Orthezia praelonga (Hemiptera: Aleyrodidade), em sistema de plantio de citros convencional comparado ao agroflorestal envolvendo citros e plantas de Teca (Tectona grandis). Para todas as avaliações foram observadas maiores infestações de cochonilha em sistema convencional, quando comparado ao agroflorestal. Para o mesmo estudo, resultados contrários foram obtidos para a mosca-negra-dos-citros, Alurocanthus woglumi (Hemiptera: Aleyrodidade). Diferentemente dos resultados obtidos para a ortézia, o sistema agroflorestal foi mais infestado que o convencional, principalmente por oferecer uma maior proteção contras às chuvas, que atua como um importante agente de mortalidade natural da mosca-negra.

Há pouca informação disponível sobre insetos pragas em diferentes sistemas agroflorestais. Os efeitos das interações entre os insetos nos componentes do sistema precisam ser mais bem estudados.

4. Referências Consultadas

ARIAS, H. A. Influencia de la diversidad de especies de plantas em la incidencia de plagas de cultivos en sistemas agroflorestales. Agronomia Colombiana, Bogotá, v. 4, p. 57 - 62, 1987.

ARIMA, E.; UHL, C. Pecuária na Amazônia Oriental: desempenho atual e pespectivas futuras. Belém: IMAZON, 1996. p. 1 - 44. (Série Amazônia).

FAZOLIN, M.; SILVA, W. S. Comportamento de pragas de importância econômica em culturas anuais, componentes de sistemas agroflorestais. Rio Branco, AC: EMBRAPA-CAPAF-AC, 1996. 26 p. (Boletim de Pesquisa, 14).

GANDARA, F. B.; KAGEYAMA, P. Y. Biodiversidade e dinâmica em sistemas agroflorestais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS, 2000, Manaus. Palestra...  p. 25 - 32.

LOPES, S. B.; ALMEIDA, J. Arranjos institucionais e a sustentabilidade de sistemas agroflorestais: a importância das formas de organização. Cadernos de Ciências e Tecnologia, Brasília, v. 19, n. 3, p. 377 - 406, 2002.

RAO, M.; SINGH, M.; DAY, R. Insect pest problems in tropical agroforestry systems: Contributory factors and strategies for management. Springer, Dordrecht, v. 50, n. 3, p. 243 - 277, 2000.

RATHORE, M. P.; FELLOW, S. V. Insect pests in agroforestry. (Working Paper, 70). GTZ, 1995.

RODIGHERI, H. R. Rentabilidade econômica comparativa entre plantios florestais e sistemas agroflorestais com erva-mate, eucalipto e pinus e as culturas de feijão, milho, soja e trigo. Colombo: EMBRAPA, CNPF, 1997. 35 p. (Circular Técnica, 26).

RODRIGUES, F. Q. Composição florística, estrutura e manejo de sistemas agroflorestais no Vale do Rio do Acre. 2005. 81f. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2005.

SANTOS, M. J. C. Avaliação econômica de quatro modelos agroflorestais em áreas degradadas por pastagens na Amazônia Ocidental. 2000. 75. Dissertação (Mestrado): Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2000.

SANTOS, S. R. M; MIRANDA, I. S.; TOURINHO, M. M. Análise florística e estrutural de sistemas agroflorestais das várzeas do rio Juba. Acta Amazonica, Manaus, v. 34, n. 2, p. 251 - 263, 2004.

SERRÃO, E. A. S.; UHL, C.; NEPSTAD, D. C. Deforestation for pasture in the humid tropics: is it economically and enviromentally sound in the long term? In: INTERNATIONAL GRASSLAND CONGRESS, 17., 1993, Rockhampton. Proceedings...  p. 2215-2221.

SMITH, N. J. H.; FALESI, I. C.; ALVIN, P. T. Agroforestry trajectories among smallholders in the Brazilian amazon: innovation and resiliency in Pioneer and oider settled áreas. Ecological Economics, Amsterdam, v. 18, n.1, p. 15 - 27, 1996. 

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Anderson Gonçalves Da Silva
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Prof. Dr. Universidade Federal Rural da Amazônia (Entomologia)
Membro desde julho de 2012
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: