Conhecendo a Abordagem Crítico Emancipatória
 
Conhecendo a Abordagem Crítico Emancipatória
 


Esta abordagem é caracterizada e idealizada por Kunz (1994) que ao descrever esta adverte que deve ser necessariamente acompanhada de uma didática comunicativa, pois ela deverá fundamentar a função do esclarecimento e da prevalência racional de todo agir educacional [...] O aluno enquanto sujeito do processo de ensino deve ser capacitado para sua participação na vida social, cultural e esportiva, o que significa a aquisição de uma capacidade de ação funcional, mas também de reconhecer e problematizar sentidos e significados nesta vida, através da reflexão critica [...] Maioridade ou Emancipação devem ser colocadas como tarefa fundamenta da educação (p..29-31). Para que o aluno deixe  o estado de menor idade inicial, Kunz (1994) alerta, que é preciso que o aluno sofra um tipo de coerção do professor, ou seja, em certos momentos dificultar as ações do aluno, para que o mesmo sinta-se não-esclarecido e com isso se desperte do estado de menoridade inicial, e assim busque uma condição emancipada.

Na abordagem crítico-emancipatória são vistas três competências nas quais se deve trabalhar com o aluno a objetiva, social e comunicativa. A competência objetiva diz respeito ao que o aluno deverá receber entre conhecimentos e informações, também esta competência mostra que o aluno precisa treinar destrezas e diferentes técnicas que sejam racionais e eficientes, e que precisa aprender estratégias para ter suas ações feitas com competência. Já na competência social o aluno deverá compreender as diferentes relações que o homem tem em uma sociedade, como relações histórias, culturais, sociais, também deve entender os problemas que o norteiam e as contradições das relações que habitam ao seu redor. Por fim esta competência trata de estabelecer conhecimentos que o aluno ira utilizar em sua vida em comunidade. Enquanto a competência comunicativa é importante salientar que o ser humano utiliza a linguagem verbal, porém ela é apenas umas das linguagens que podem ser usadas. O movimento se exprime em forma de linguagem, a criança, por exemplo, se manifesta e se comunica através de seus movimentos, pois sabemos que sua capacidade de se expressar corporalmente é indiscutível.

A competência comunicativa na abordagem crítico-emancipatória faz-se importantíssima, pois para esta abordagem saber se comunicar e entender o que o outro quer dizer é um processo de reflexão que desencadeia ação de um pensamento critico.

    Para a competência comunicativa a linguagem verbal é muito importante, assim como a linguagem corporal, no entanto nesta abordagem a verbal é vista como um processo que ira auxiliar o aluno a sair apenas da fala dos problemas, fatos que o rodeiam e ira tornar em nível de discurso, ou seja, o aluno saber refletir e discutir as questões sobre o que se esta trabalhando.

Esta abordagem é completamente visada em uma ótica crítica, Kunz (1994), defende o ensino crítico, pois é a partir dele que os alunos passam a compreender a estrutura autoritária dos processos institucionalizados da sociedade e que formam as falsas con­vicções, interesses e desejos. Desta forma, a missão da Educação crítica é promover condições para que estas estruturas autoritárias sejam suspensas, e o ensino encaminha no sentido de uma emancipação, possibilitado pelo uso da linguagem

Referências bibliograficas

  • KUNZ, Elenor. Didática da Educação Física 1/Org.. 3.ed.Ijuí: Ed. Unijuí, 2003160p.:il.(coleção educação física).
  • ------ Transformação didático-pedagógica do esporte. 5.ed.- Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.
 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
27 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
meu nome é eliton seara, tenho 20 anos, sou formado em educação fisica e prentendo seguir a vida academica, sou professor da apae da cidade de itajai.
Membro desde setembro de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: