Conceitos de auditoria em enfermagem
 
Conceitos de auditoria em enfermagem
 


Conceitos de Auditoria em Enfermagem

Bratifisch, Andrews Markus

Resumo

 

            Este trabalho nasceu a partir da curiosidade sobre os serviços prestados sobre a auditoria em ambiente hospitalar.

 Este estudo teve como objetivo identificar na produção nacional artigos sobre auditoria de enfermagem, analisando a contribuição destes na melhoria da qualidade da assistência e no desempenho do papel do enfermeiro nessa área. Trata-se de uma revisão de literatura constituída de artigos científicos nacionais da temática auditoria de enfermagem. Os dados encontrados foram agrupados em categorias: “Auditoria de enfermagem e a qualidade da assistência”, “o papel das anotações de enfermagem para a auditoria” e “atribuições do enfermeiro auditor”. A análise dos artigos mostrou que a efetivação da auditoria de enfermagem facilitaria a avaliação da qualidade da assistência prestada ao cliente oferecendo condições para a sua melhoria. Observou-se que as anotações de enfermagem representam um dos objetos de investigação na auditoria e que o enfermeiro é um dos profissionais na área da saúde habilitado para a função de auditor.

Sabendo que a enfermagem passa por uma reforma curricular, entendemos que é momento para reflexão sobre a responsabilidade que as instituições de ensino têm em preparar profissionais para desempenhar a função de auditor nos serviços de enfermagem e de saúde.

 

PALAVRAS CHAVES: Auditoria de enfermagem; Avaliação em saúde; Qualidade da assistência à saúde; Papel do profissional de enfermagem.

 

Abstract

 

This work grew out to ensure the quality of services, health institutions have been keen to use the audit. This study aimed to identify articles in the national audit of nursing, examining their contribution in improving the quality of care and performance of the role of nurses in this area. This is a review of the literature consists of scientific articles of national thematic audit of nursing. The data were grouped into categories: "Audit of nursing and quality of care", "notes the role of nursing audit" and "duties of the nurse auditor." The analysis of the articles showed that the effectiveness of the audit nursing facilitate the assessment of quality of care provided to the client providing conditions for its improvement. It was observed that the nursing notes represent one of the research in the audit and that the nurse is the professional nursing enabled the audit function. Knowing that nursing is undergoing a curriculum reform, we believe it is time for reflection on the responsibility of educational institutions have to prepare professionals to perform the audit function in nursing and health.


KEY WORDS:  Audit of nursing; Quality of health care; Role of professional nursing. Parte superior do formulário.Dicionário

 

INTRODUÇÃO.

 

A palavra auditoria tem sua origem no latim “audire” que significa ouvir, e que toda pessoa que possui a função de verificar a legitimidade dos fatos econômico-financeiros, prestando contas a um superior, poderia ser considerado como auditor. No setor saúde, a primeira auditoria foi realizada em 1918 com o objetivo de avaliar a prática médica.

 De início, esta atividade se caracterizava como uma ação policialesca, mas aos poucos, foi recebendo uma nova conotação. O serviço de auditoria sempre esteve associado ao controle administrativo-financeiro das organizações. Erros em cobranças, gerando prejuízo financeiro à instituição de saúde, são relacionados à falha de registros de materiais e medicamentos utilizados, tanto pela equipe de enfermagem quanto médica. Nesse caso, a auditoria que visa à diminuição de perdas financeiras é de grande relevância. No Brasil, em 1990 aLei nº 8080, conhecida como Lei Orgânica da Saúde estabeleceu a necessidade de criação do Sistema Nacional de Auditoria – SNA. Em 1993, a Lei nº 8689, de 27 de julho de 1993, criou o SNA e estabeleceu como competência sua o acompanhamento, a fiscalização, o controle e a avaliação técnico cientifica, contábil, financeira e patrimonial das ações e serviços de saúde.

De acordo com Motta (2003), a auditoria de enfermagem é a avaliação sistemática da qualidade da assistência prestada ao cliente pela análise dos prontuários, acompanhamento do cliente in loco e verificação da compatibilidade entre o procedimento realizado e os itens cobrados na conta hospitalar, visando garantir justa cobrança e pagamento adequado. A auditoria de enfermagem pressupõe avaliação e revisão detalhada de registros clínicos selecionados por profissionais qualificados para verificação da qualidade da assistência, sendo, portanto, uma atividade dedicada à eficácia de serviços, que utiliza como instrumentos o controle e análise de registros.

Considerando que a auditoria de enfermagem é uma área ainda pouco investigada, que serve como um instrumento de avaliação da qualidade da assistência nas instituições de serviços de saúde questiona-se: Qual a produção científica nacional a cerca de auditoria em enfermagem? Qual a repercussão da auditoria de enfermagem para o cuidado prestado aos usuários destes serviços e o papel que o enfermeiro desempenha nesta área?

ASPECTOS HISTÓRICOS 

SÁ (1973) em sua obra “curso de auditoria”, comenta que a auditoria é reconhecida como importante desde tempos remotos, existindo notícias de sua utilização já na longínqua civilização numérica. Salienta ainda, que existe a crença de que o termo auditor, empregado para designar a pessoa que pratica a técnica da auditoria, surgiu na Inglaterra no final do século XIII, durante o reinado de Eduardo I.

Por sua vez SANTI (1988), diz que devido ao fato da história da auditoria ter se perdido no tempo, o nome do primeiro auditor continuará ignorado para sempre. Provavelmente ele foi um guarda-livros que trabalhava para algum mercador da Itália durante os séculos XV ou XVI que passou a ser consultado por outros mercadores, devido a sua sabedoria, técnica e reputação neste tipo de trabalho.

Na Idade Média, em vários países da Europa, surgiram diversas associações de profissionais que realizaram as atividades de auditoria, como por exemplo, os conselhos concluíram em 1310, o Tribunal de Contas em Paris em 1640, dentre outras. A partir, destas associações, que desde então, a profissão passa a contar com entidades que trabalhavam na organização da profissão e na moralização da atividade criando normas e regulamentos a serem seguidos (SÁ, 1973).

A revolução industrial, vivenciada a partir da metade do século XVIII, é também um fato marcante na evolução da auditoria. O desenvolvimento das empresas, o aumento da demanda de capital e a ampliação das atividades tornaram mais complexos os problemas contábeis e conseqüentemente as atividades da auditoria, o que levou ao desenvolvimento de novos procedimentos e técnicas de trabalho.

Quanto à utilização da auditoria no Brasil, SANTI (1988) comenta que não existem divulgações de estudos sobre os primórdios da auditoria neste país. Entretanto, apresenta alguns trabalhos que demonstram sua existência na primeira década do século XX.

O início do seu desenvolvimento ocorre a partir da metade do século XX, quando se inicia o movimento de organização dos auditores e a criação das associações que passaram a organizar a profissão (SÀ; 1973).

É importante lembrar que desde seu início a auditoria esteve relacionada à contabilidade e tinha a finalidade de verificar a exatidão, não é utilizada apenas com esta finalidade, sendo empregada para avaliar os resultados, o processo de trabalho e a estrutura.

Na área de saúde, de acordo com Araújo Apud PEREIRA & TAKAHASHI (1991) a auditoria é utilizada pela primeira vez nos Estados Unidos, em 1918, um trabalho em que se verificasse a qualidade da assistência prestada ao paciente, através dos registros no prontuário. Aqui no Brasil, relata a existência de experiências isoladas ocorridas por volta de 1980, citando como exemplo o Hospital Ipanema no Rio de Janeiro.

Na enfermagem brasileira, uma experiência bem sucedida é a do Hospital Universitário de São Paulo, onde existe um processo de auditoria em enfermagem implantado desde 1983, que se baseia nos padrões de assistência estabelecidos e nas normas de seu Sistema de Assistência de Enfermagem (PREIRA & TAKAHASHI, 1991).

Um outro trabalho importante é aquele realizado por SILVA (1993), que teve o objetivo de validar um modelo de controle de qualidade assistencial de enfermagem, onde utilizou a auditoria de processo para mensurar o alcance dos padrões estabelecidos e verificar a correlação entre expectativas e satisfação.

Hoje a auditoria vem sendo utilizada, com maior freqüência nas instituições de saúde, sendo inclusive considerada como essencial por aquelas que buscam se adequar as normas das entidades de acreditação.

Também na enfermagem é crescente o número de serviços que utilizam a auditoria na busca da qualidade da assistência, principalmente após a implementação dos programas de qualidade ou acreditação e da sistematização da assistência que estimulam a criação de instrumentos normativos, dos padrões de assistência e das avaliações sistemáticas.

É importante lembrar que desde seu início a auditoria esteve relacionada à contabilidade e tinha a finalidade de verificar a exatidão, não é utilizada apenas com esta finalidade, sendo empregada para avaliar os resultados, o processo de trabalho e a estrutura.

 

TIPOS DE AUDITORIA

 

A Auditoria de Enfermagem pode ser dividida em dois tipos: Retrospectiva Operacional ou Concorrente.

A auditoria retrospectiva e operacional é aquela realizada após a alta do paciente, onde se utiliza o prontuário do paciente para avaliação. Neste tipo de auditoria, o paciente não é beneficiado após a avaliação dos dados obtidos na auditoria, entretanto o benefício se reverte para a assistência de forma global.

Já na auditoria concorrente, o paciente ainda encontra-se hospitalizado ou em atendimento ambulatorial, podendo ser realizada de 4 maneiras: avaliação feita pelo paciente e sua família verificando suas percepções a cerca da assistência prestada; entrevista com o funcionário após a prestação do cuidado levando-o à reflexão; exame do paciente e confronto com as necessidades levantadas com a prescrição de enfermagem e/ou avaliação dos cuidados in loco; e pesquisa junto à equipe médica, verificando o cumprimento da prescrição médica e interferências das condutas de enfermagem na terapêutica médica.

Em ambos os tipos de auditoria o procedimento consta da elaboração de um plano

Auditorial que propõe a forma de realização da auditoria, sendo ao final da mesma elaborada um relatório apresentando à chefia do departamento de enfermagem um parecer técnico sobre o que foi auditado bem como sugestões para aperfeiçoamento da assistência de enfermagem prestada.

 

CONCLUSÃO

A auditoria tem como finalidade possibilitar a eficiência das ações assistenciais e administrativas no serviço de enfermagem pelo levantamento das falhas e deficiências existentes e pelo apontamento das medidas corretivas necessárias.

A auditoria em enfermagem pode ser realizada com duas finalidades distintas: avaliar a questão financeira analisando os custos da assistência e avaliar os resultados alcançados, o processo de trabalho e os resultados.

Ela pode ser feita nas diversas atividades administrativas e assistenciais e ter diferentes objetivos específicos. Dentre outros podemos citar:

Fornecer informações sobre condições da estrutura física que dificultam a assistência ou colocam em risco a segurança do paciente. Exemplo:

  • Grande distância entre o posto de enfermagem e os pacientes
  •  Macas sem grades laterais de proteção.
  • Fornecer dados sobre a utilização de materiais de consumo em geral. Exemplo: não utilização de luvas em procedimentos de risco
  • Consumo exagerado de equipos de soro por desconhecimento do tempo de utilização.
  • Fornecer dados para adequação do número de pessoal de enfermagem ou para melhoria da qualidade deste pessoal.
  • Identificar falhas no processamento e utilização de equipamentos e apontar soluções.
  • Identificar falhas, na realização de rotinas técnicas ou procedimentos de enfermagem que atrapalham o processo administrativo ou causam prejuízos à assistência de enfermagem Exemplos: distribuição inadequada das folgas dos funcionários
  • Erro na aplicação de medicações.
  • Identificar falhas que prejudicam a eficiência do plano de cuidados. Exemplo: falta de evolução de enfermagem
  • Cuidados prescritos e não realizados.
  • Fornecer dados sobre o alcance dos padrões de qualidade da assistência previamente estabelecidos. Exemplo: em 15% dos prontuários as anotações de enfermagem não foram feitas como padronizadas.
  • Identificar falhas nas contas hospitalares. Exemplo: lançamento indevido de materiais ou de procedimentos não realizados (muito utilizada, pelos planos de saúde e pelo Sistema Único de Saúde.

 

É importante lembrar, como salienta PEREIRA & TAKAHASHI (1993), que a auditoria em enfermagem não tem como finalidades:

  • A avaliação da assistência total ao paciente, mas apenas a assistência de enfermagem;
  • Apunição de funcionários, mas sim a detecção de erros e o fornecimento de informações para modificação de procedimento;
  • Avaliação de desempenho de indivíduos ou grupos, mas sim a avaliação do processo e da estrutura do trabalho. 

 

            PEREIRA & TAKAHASHI (1991) apresentam como requisitos para a implementação da auditoria em enfermagem, além dos padrões de assistência já mencionados, a filosofia do serviço, sua estruturação administrativa, a existência de recursos humanos capacitados tecnicamente para realização de tal atividade e os recursos materiais necessários.

            Quanto aos recursos humanos, entendemos que não pode ser determinado um número de profissionais para trabalhar na auditoria. Este depende do trabalho a ser executado e do tamanho da instituição. Porém é importante que sejam capacitados a trabalhar no processo e que seja garantida a participação não só de enfermeiros, mas dos técnicos e auxiliares de enfermagem, criando um clima de envolvimento, oportunidades, confiança para todos envolvidos na assistência ao paciente.

            Com relação aos recursos materiais dependente dos volumes de trabalhos, é necessário a existência de uma sala exclusiva para esta atividade, com os móveis de escritórios indispensáveis e os formulários que serão utilizados (PEREIRA & TAKAHASHI, 1991).

 

Conceito Pessoal

Ao navegar por diversos sites, livros online e artigos científicos, pessoalmente pude fazer uma reflexão avaliativa sobre a performance do auditor em ambiente hospitalar e constatei que o mesmo em outros ambientes empresariais possui outras denominações assim como: Chefe de Almoxarifado, Analista de sistema, Contador, Controlador de estoque entre outros. Ou seja, o auditor tem por nata finalidade analisar, verificar, controlar e registrar (custos, entrada e saída de materiais, desperdício, estoque, prazo de validade) e deferir ou indeferir a auditoria empregada.

 

BIBLIOGRAFIA

 Araujo, M. V. et al. Auditoria em enfermagem. Ver. Brasileira. Enf. Brasilia,n. 31, 1978.

Lei Orgânica da Saúde. Disponibilizada no site http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm  

Luz A, Martins AP, Dynewicz AM.Características de anotações de enfermagem encontradas em auditoria. Disponibilizada  no site : http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n2/v9n2a05.htm.  Ultimo acesso; 7/12/2011

Motta ALC. Auditoria de Enfermagem nos hospitais e seguradoras de saúde. São Paulo: Látria; 2003.disponível site http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n4/pdf/v11n4a28.pdf Último acesso 05/12/2011

PEREIRA, Luciane L.; TAKAHASHI, Regina T.: Auditoria em Enfermagem. In: Kurcgant, Paulina (Coord). Administração em Enfermagem. São Paulo: EPU, 1991. Cap. 17, p 215-2.

SÁ, Antônio Lopes de. Curso de auditoria.   6.ed.rev.aum. São Paulo: Atlas

SÁ, Antônio Lopes de. Curso de auditoria : Obra pioneira. v.21.  5.ed. São Paulo:Atlas, 1973.  

SANTI, Paulo Adolpho. Introdução à auditoria. S. Paulo: Atlas, 1988.

Silva SH. Auditoria em enfermagem: proposta de um instrumento. In: Anais 39º

Congresso Brasileiro de Enfermagem; Salvador (BA). Salvador (BA): ABEn; 1993.

SITES PESQUISADOS

http://www.uff.br/anaissegerenf/premio/Auditoria%20em%20Enfermagerm%20-%20concorrer%20a%20pr%EAmio.pdf: ultimo acesso  07/12/2011

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8689.htm ultimo acesso 12/12/2011

 
Avalie este artigo:
2 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Estudante de Enfermagem, atualmente trabalhando no Hospital Regional de Presidente Prudente com o cargo de Aux. de Enfermagem. Pretensão: Pesquisador Cientifico focado em auditoria em ambiente hospitalar.
Membro desde dezembro de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: