Câncer de pâncreas
 
Câncer de pâncreas
 


CÂNCER DE PÂNCREAS

 

O risco de desenvolver o câncer de pâncreas aumenta após os 50 anos de idade, principalmente na faixa entre 65 e 80 anos, havendo uma maior incidência no sexo masculino.

A maior parte dos casos da doença é diagnosticada em fase avançada e, portanto, é tratada para fins paliativos. O tipo mais freqüente é o adenocarcinoma com 95% dos casos.

No Brasil, o câncer de pâncreas representa 2% de todos os tipos de câncer, sendo responsável por 3,54% do total de mortes por neoplasias. A taxa de mortalidade por câncer de pâncreas é alta, devido principalmente a ser uma doença de difícil diagnóstica e extremamente agressiva.

Entre os fatores de risco, destaca-se principalmente o consumo de tabaco. Os fumantes possuem três vezes mais chances de desenvolver a doença do que os não fumantes. Dependendo da quantidade e do tempo de consumo, o risco fica ainda maior. Outro fator de risco é o consumo excessivo de gordura, de carnes e de bebidas alcoólicas.

Quando a doença está mais avançada, um sinal comum é a dor, que no início é de pequena intensidade, podendo ficar mais intensa, localizada na região das costas. Outro sintoma do tumor é o aumento do nível da glicose no sangue, causado pela deficiência na produção de insulina.

Algumas medidas preventivas podem ser adotadas, como, por exemplo, evitar o consumo de tabaco e a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas e adotar uma dieta balanceada com frutas e vegetais.

Pâncreas

O pâncreas é uma glândula em forma de folha, com aproximadamente12,5 centímetrosde comprimento. (MANUAL-MERCK, 1995).

O pâncreas é um órgão que apresenta funções tanto endócrinas quanto exócrinas, sendo por isso considerada uma glândula mista (anfícrina). (GUYTON, 2002).  A secreção endócrina é o hormônio insulina e a exócrina o suco pancreático. (DANGELO e FANTTINI, 2003).

 

Os sucos digestivos produzidos no pâncreas não são ativos até que tenham alcançado o intestino. As principais enzimas produzidas pelo pâncreas são a amilase, importante na digestão dos carboidratos (alimentos, como pão e batatas), a tripsina, que digere proteína (desde carne, queijo, leite e legumes, como grãos) e a lipase, que digere a gordura. (TAKAHASHI, 2004).

O pâncreas pode ser atingido por inflamação (pancreatite), por tumores, cálculos, cistos e pseudocistos (bolsas líquidas, geralmente conseqüentes a traumatismo); algumas dessas alterações desempenham importante papel na gênese do diabete.

Câncer

 

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.

Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas) ou neoplasias malignas. Por outro lado, um tumor benigno significa simplesmente uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco de vida.

Fatores carcinogênicos

Organismo humano encontra-se exposto a múltiplos fatores carcinogênicos, com efeitos aditivos ou multiplicativos. Sabe-se que a predisposição individual tem um papel decisivo na resposta final.  A incidência, a distribuição geográfica e o comportamento de tipos específicos de cânceres estão relacionados com múltiplos fatores, incluindo sexo, idade, raça, predisposição genética e exposição à carcinógenos ambientais.

Destes fatores, os ambientais são, provavelmente, os mais importantes. Os carcinógenos químicos (particularmente aqueles presentes no tabaco e resultantes de sua combustão e metabolismo), bem como determinados agentes, como os azocorantes, aflatoxinas e benzeno, foram claramente implicados na indução de câncer no homem e animais.

 

Outro fator ambiental importante é a dieta, onde está bem comprovado que a alta ingesta de gordura e carnes aumenta o risco, ao passo que a ingesta de frutas, vegetais, alimentos ricos em fibras e vitamina C reduzem o risco. Existe um dilema em confirmar ou não a associação da ingesta exacerbada de bebidas alcóolicas e café com o aumento do risco para o desenvolvimento do câncer de pâncreas. (CAMPOS, 2003).

Metástases

 

Os tumores malignos têm capacidade de invasão e disseminação que resulta na produção das metástases, principal característica do câncer. A metástase constitui o crescimento neoplásico secundário, à distância, sem continuidade com o foco primitivo.

 

A evolução do tumor maligno inclui várias fases, que dependem, em grande parte, da velocidade do crescimento tumoral, do órgão-sede do tumor, de fatores constitucionais do hospedeiro, de fatores ambientais etc.

Os tumores podem ser detectados nas fases microscópica, pré-clínica ou clínica. A história biológica de alguns tumores permite que eles sejam previstos quando a lesão ainda esteja na fase pré-neoplásica.

As ações preventivas na área da saúde podem se bem orientadas, imprimir uma profunda modificação na evolução natural dos tumores, levando a diagnósticos precoces que permitem não só aplicar o tratamento nas fases iniciais das lesões, assim como, o que é mais importante, tratar as lesões pré-neoplásicas e, com isso, evitar o aparecimento do tumor. (MINISTÉRIO DA SAÚDE - Biblioteca virtual).

Câncer pancreático

O adenocarcinoma do pâncreas é um tumor canceroso que se origina nas células que revestem o ducto pancreático. Aproximadamente 95% dos tumores cancerosos do pâncreas são adenocarcinomas. Esses tumores afetam os homens quase duas vezes mais do que as mulheres e são discretamente mais comuns entre os indivíduos da raça negra que entre os da raça branca. O adenocarcinoma do pâncreas é duas a três vezes mais comuns em tabagistas inveterados. (MANUAL-MERCK, 1995).

Atualmente a Organização Mundial da Saúde contabiliza mais de quatro milhões de vítimas fatais do cigarro a cada ano. Sabe-se que o tabagismo está relacionado à, no mínimo, 30% de todas as mortes por câncer. É fator de risco para o aparecimento dos carcinomas de pulmão, boca, faringe, laringe, esôfago, estômago, pâncreas, cérvix uterina, rim e bexiga. Também a morbidade por doenças cardiovasculares, cerebrovasculares, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), doença péptica e outras afecções é mais elevada entre os tabagistas. (BALBANI; MONTOVANI, 2005).

Raras vezes, desenvolve-se antes dos 50 anos, principalmente na faixa entre 65 e 80 anos. A taxa de mortalidade causa específica da neoplasia de pâncreas, é bastante elevada. Assim sendo, estima-se que no ano de 2000 foram diagnosticados nos EUA 28.300 casos e que foram registrados 28.200 óbitos por esta doença.

Os adenocarcinomas fazem metástase precocemente para os linfonodos. Quando é feito o diagnóstico do câncer pancreático, muitos pacientes já apresentam metástase hepática. A história natural do câncer de pâncreas é evoluir com metástases linfonodais na maioria dos casos, além de comprometer o fígado, o peritônio, os pulmões e pleura e a supra-renal.

 Segundo o Ministério da Saúde, 2008, amortalidade específica foi de 3.785 óbitos no ano de 1997, constituindo-se na décima causa de morte por câncer no nosso país, com 3,54% de todos os casos. Já no Japão, estima-se que esta incidência esteja aumentando, com mortalidade anual por esta causa superior a 13.000 casos. (WELTMAN et al, 2002).

Ainda segundo o autor acima, a intervenção cirúrgica radical, representada pela pancreatectomia total ou parcial, duodenopancreatectomia ou gastroduodenopancreatectomia, acompanhada ou não de esplenectomia, é considerada como a única modalidade de tratamento com real potencial curativo. Estas intervenções cirúrgicas, mesmo em centros com muita experiência, são factíveis em 15% a 34% dos casos. Ainda assim, a probabilidade de sobrevida em cinco anos dos pacientes radicalmente operados situa-se entre 10% e 20%. O prognóstico dos pacientes com tumor de pâncreas irressecável é ainda pior. Dentre 123 destes pacientes com metástases à distância tratadas na Universidade de Kyoto, a sobrevida mediana foi de apenas três meses. Neste estudo, considerando apenas os 52 pacientes com tumor irressecável, mas sem disseminação à distância, este resultado foi de 7,6 meses. Fatores favoráveis para maior tempo de sobrevivência são: tumores pequenos, lesões de baixo grau, margens livres, ausência de invasão linfonodal, venosa ou perineural, apesar do contrário já ter sido relatado.

Sintomas

 

O câncer de pâncreas não apresenta sinais específicos, o que dificulta o diagnóstico precoce. Os sintomas mais comuns variam de acordo com a localização do tumor no órgão, sendo a icterícia (causada pela obstrução biliar, e deixa a pele e os olhos amarelados) o sintoma mais comum do tumor da cabeça do pâncreas. Outro sintoma muito comum, mas que aparece já no tumor avançado é a dor que, inicialmente, pode ser de pequena intensidade; mas, habitualmente, é de forte intensidade, localizada na parte média à parte alta das costas. Outros sinais e sintomas que estão sempre associados são a perda do apetite e do peso. O aumento do nível sangüíneo da glicose está quase sempre presente, provavelmente por destruição e diminuição do funcionamento das células produtoras de insulina (hormônio responsável pela diminuição do nível de glicose no sangue). (CAMPOS, 2003).

Lesões de pele e manifestações articulares podem preceder sintomas abdominais da doença pancreática. Também podem ocorrer: diarréia, tontura, náuseas, vômitos, fígado palpável, desconforto abdominal, massa abdominal e ascite. (INCA).

Os tumores do corpo e da cauda do pâncreas (a parte média e a mais distante do duodeno) podem obstruir a veia que drena o baço, resultando em um aumento de volume deste órgão e varizes (veias varicosas dilatadas, tortuosas e edemaciadas) em torno do estômago e do esôfago. No caso de ruptura de veias varicosas, pode ocorrer um sangramento grave, sobretudo quando elas forem esofágicas. (MANUAL-MERCK, 1995).

Diagnóstico

O diagnóstico é realizado através do relato dos sintomas e de exames de laboratório, como de sangue, fezes e urina. Outros exames podem ser solicitados, como: tomografia computadorizada do abdome; ultra-sonografia abdominal; ressonância nuclear de vias biliares e da região do pâncreas; e também a biópsia do tecido. (INCA).

Tratamento

 

A cura do câncer de pâncreas só é possível quando este for detectado em fase inicial. Nos casos passíveis de cirurgia, o tratamento mais indicado é a ressecção, dependendo do estágio do tumor.

Em pacientes cujos exames já mostraram metástases à distância ou estão em precário estado clínico, o tratamento paliativo imediato mais indicado é a colocação de endo-prótese.  (INCA).

a) Cirurgia: A maioria dos cânceres ocorre na cabeça do pâncreas. Pacientes que necessitam de ressecção cirúrgica são submetidos á pancreatoduodenectomia (ressecção da região distal do estômago, da vesícula, do colédoco, cabeça do pâncreas, duodeno, e jejuno superior) ou á pancreatectomia total (retirada do corpo e da cauda do pâncreas e do baço e uma linfadenectomia regional). As complicações incluem hemorragia, trombose, infecção, e retenção gástrica.

b) Quimioterapia: As células cancerosas pancreáticas são relativamente resistentes à quimioterapia; 5-FU e mitomicina-C são os agentes que obtêm isoladamente maior resposta, mas atualmente vêm sendo usadas combinações com melhores respostas. Estas incluem estreptozotocinas, mitomicina-C e 5-FU; 5-FU, doxorrubicina e mitomicina-C.

c) Radioterapia: O uso de radioterapia é restrito por sua proximidade com estruturas que restringem a dose, como rins, intestino, fígado e medula espinhal.

O estresse causado pela doença geralmente pode ser aliviado pela participação em um grupo de apoio, onde os membros compartilham experiências e problemas em comum.

 

Prognóstico

 

O prognóstico é muito ruim. Menos de 2% dos indivíduos com adenocarcinoma sobrevivem até cinco anos após o diagnóstico. A única esperança de cura é a cirurgia, a qual é realizada quando não existem metástases do câncer. O cirurgião pode realizar a remoção apenas do pâncreas ou deste órgão e do duodeno. Mesmo com a cirurgia, somente 10% dos indivíduos sobrevivem mais de cinco anos, independentemente do tratamento subseqüente. (MANUAL-MERCK, 1995).

Prevenção

Algumas medidas preventivas podem ser adotadas, como evitar o consumo de derivados do tabaco e a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas e adotar uma dieta balanceada com frutas e vegetais.

Para indivíduos submetidos a cirurgias de úlcera no estômago ou duodeno ou que sofreram retirada da vesícula biliar, recomenda-se a realização de exames clínicos regularmente, como também para aqueles com histórico familiar de câncer. Pessoas que sofrem de pancreatite crônica ou de diabete melitus devem também fazer exames periódicos. (INCA).

 

Conclusão

 

O câncer, qualquer que seja sua etiologia, é reconhecido como uma doença crônica que atinge milhões de pessoas em todo o mundo, independente de classe social, cultura ou religião. O saber de que se é portador de câncer é, em geral, aterrador, pois, apesar dos avanços terapêuticos permitindo uma melhoria na taxa de sobrevida e qualidade de vida, permanece o estigma de doença dolorosa, incapacitante, mutiladora e mortal. Dessa forma, fica clara a necessidade e a propriedade de intervenções que auxiliem as pessoas no enfrentamento da doença e suas conseqüências, visando à reabilitação e à melhoria da qualidade de vida.

 

Referencial teórico

 

BALBANI, Aracy Pereira Silveira; MONTOVANI, Jair Cortez. Métodos para abandono do tabagismo e tratamento da dependência da nicotina. Rev. Bras. Otorrinolaringol. ,  São Paulo,  v. 71,  n. 6, dez.  2005 .  

CAMPOS, Shirley. Câncer/Oncologia/Tumor - Câncer do Aparelho Digestivo - 2003. Disponível em: http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/368.

DANGELO, José Geraldo; FANTTINI, Carlo Américo. Anatomia humana sistêmica e segmentar. 2º ed.. São Paulo: ed. Atheneu, 2003.

 

GUYTON, A. C.Tratado de fisiologia médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

 

INCA – Instituto Nacional do câncer – Ministério da saúde. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home .

 

MANUAL-MERCK. Seção 9: Distúrbios Digestivos. Capítulo 104 - Distúrbios do Pâncreas - 1995. Disponível em: http://www.msd-brazil.com/msd43/m_manual/mm_sec9_104.htm.

 

MINISTÉRIO DA SAÚDE - Biblioteca virtual. Fisiopatogogia do câncer – cap:02. disponível em : http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/inca/acoes_cap2.pdf.

 

TAKAHASHI, Marcela F. NAM - Pâncreas. Informativo 78 - Atualizado em Janeiro 2004. Disponível em: http://www.aidsmap.com/pt/docs/pdf/fs78.pdf.

 

WELTMAN, EDUARDO et al . Radioterapia em adenocarcinoma de pâncreas. Rev. Assoc. Med. Bras. ,  São Paulo,  v. 48,  n. 2, jun.  2002

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Clecilene Gomes Carvalho
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
CLECILENE GOMES CARVALHO- Graduada em Enfermagem pela Universidade Vale do Rio Verde (Unincor), campus Betim. Membro da Associação Mineira de Hipertensão Pulmonar – AMIHAP. Pós graduada em Psicologia multifocal; pós graduanda em Enfermagem do Trabalho e Pós graduanda em Saúde Pública com enfâse em E...
Membro desde outubro de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: