Breve Ensaio Sobre As Penas
 
Breve Ensaio Sobre As Penas
 


BREVE ENSAIO SOBRE AS PENASAgnaldo Simões MOREIRA FILHO [1]1. INTRODUÇÃO:O presente ensaio visa dar uma visão geral ao leitor sobre as penas vigentes no direito criminal brasileiro.Vale ressaltar que tal trabalho se presta a ser leitura complementar sobre o tema, ajudando na fixação do conteúdo.2. DA PENA:2.1. CONCEITO:Segundo Guilherme de Souza Nucci, pena é a sanção imposta pelo Estado, por meio de ação penal, ao criminoso como retribuição ao delito perpetrado e prevenção a novos crimes.[2]2.2. FINS DA PENA:Muito já se discutiu sobre os fins da pena, sendo que existem teorias legitimadoras e teorias deslegitimadoras.2.2.1. TEORIAS LEGITIMADORAS DA PENA:Dentre as teorias legitimadoras da pena, há três modalidades a saber:·As teorias absolutas ou retributivas;·As teorias relativas ou utilitaristas, também chamadas de teorias de prevenção;·E as teorias mistas.2.2.1.1. TEORIAS ABSOLUTAS OU RETRIBUTIVAS:Segundo as teorias absolutas ou retributivas, a pena tem um fim em si mesmo. O fundamento da pena é apenas castigar aquele que cometeu o crime. Aqui a pena não tem uma função, é apenas um pagamento pelo erro. Por essa razão chamam-se de retributivas, pois têm a função de retribuir a ação do apenado.2.2.1.2. TEORIAS UTILITARISTAS:Já para as teorias utilitaristas a pena não tem um fim em si mesmo, ela tem uma função especial que é a de prevenir a ocorrência de novos delitos.Para os teóricos dessa corrente, deve-se buscar a prevenção de novos crimes, e essa prevenção pode ser geral ou especial.2.2.1.2.1. PREVENÇÃO GERAL:Segundo a prevenção geral, que é subdividida em positiva e negativa, a pena é voltada a toda a coletividade e não só para o indivíduo apenado. Ela tem caráter educativo.2.2.1.2.1.1. PREVENÇÃO GERAL NEGATIVA:Na modalidade de prevenção geral negativa, a pena teria a função de intimidar os potenciais criminosos que existem na sociedade, mostrando que se cometerem crimes, sofrerão uma sanção.2.2.1.2.1.2. PREVENÇÃO GERAL POSITIVA:Já na prevenção geral positiva, que é uma teoria mais recente, a pena visa reforçar, confirmar o conteúdo do direito. Tem o escopo de mostrar aos cidadãos que o direito é eficaz e que contempla os valores e expectativas sociais. Vale lembrar que aqui o fim também é evitar o cometimento de novos delitos.2.2.1.2.2. PREVENÇÃO ESPECIAL:Segundo essa teoria utilitarista, a pena é voltada para o criminoso, e tem o fim específico de evitar a reincidência.A prevenção especial também pode ser positiva ou negativa.2.2.1.2.2.1. PREVENÇÃO ESPECIAL NEGATIVA:Segundo essa teoria, é evitada a reincidência através da segregação do criminoso do seio da sociedade, levando-o ao cárcere.2.2.1.2.2.2. PREVENÇÃO ESPECIAL POSITIVA:Para os teóricos dessa corrente da prevenção especial, a idéia central que evitaria a reincidência era a correção, a reeducação e ressocialização do condenado.Essa teoria sofre críticas uma vez que o Estado não é apto a "corrigir" os cidadãos.2.2.1.3. TEORIAS MISTAS:Superadas as teorias retributivas, as utilitaristas e suas subdivisões, passamos agora ao estudo das teorias mistas.Para estudarmos as teorias mistas, nos atentaremos aos ensinamentos de dois doutrinadores.2.2.1.3.1. A TEORIA DE CLAUS ROXIN:Estas teorias têm origem no pensamento de Claus Roxin. Aqui a pena também tem uma função, que é de prevenção geral subsidiária. Para esse autor, o direito penal tem sim uma função de evitar novos crimes, porém essa função só se operará de forma subsidiária, ou seja, quando não houver outros meios extra penais de evitar o acontecimento de injustos.2.2.1.3.2. O GARANTISMO DE LUIGI FERRAJOLLI;Para Ferrajolli, o direito é um sistema de garantias individuais constitucionalizadas que servem de freio à atuação do Estado que é parte mais forte em qualquer contenda.Segundo esse catedrático, a pena tem sim a função de prevenção geral negativa. Ela deve intimidar o sujeito a cometer novos crimes, porém na menor medida possível, com o mínimo de violência necessária. Por outro lado, a pena não pode ser tão branda a ponto de deixar na vítima do crime a sensação de que o autor do delito saiu impune e sentir-se a vontade para perpetrar a vingança, "fazendo justiça" com as próprias mãos.2.2.2. TEORIAS DESLEGITIMADORAS DAS PENAS:Existem duas teorias que negam legitimidade às penas aplicadas pelo estado em face de injustos penais.2.2.2.1. TEORIAS ABOLICIONISTAS:Segundo as teorias abolicionistas do direito penal, não deve haver pena alguma para qualquer que seja o caso.2.2.2.2. TEORIAS MINIMALISTAS RADICAIS:Para os minimalistas radicais, a pena deve ser restringida o máximo possível só sendo a plicada aos casos em que não haja outro meio de resolução do conflito social.Para esta teoria o direito penal é a última ratio, só aplicada em casos excepcionais.2.2.2.3. FUNDAMENTOS DAS TEORIAS DELEGITIMADORAS DAS PENAS:·O direito penal é uma invenção do Estado.·O direito penal, da forma com é posto, é seletivo e discriminante.·A cifra negra: é o mesmo que a cifra oculta. Indica o número de crimes que não chegam ao conhecimento do Estado, sendo, portanto, absorvidos pela sociedade. Se a sociedade absorve quase todos os crimes sem a atuação Estatal, então poderia absorver a sua totalidade.·A pena não ataca a origem do crime.·A pena não cuida da vítima, logo, não repara o dano causado pelo crime.·A pena é um elemento criminógeno. Ela não combate o crime, e sim, cria criminosos. O sistema carcerário contribui para a criação de criminosos profissionais.2.3. ESPÉCIES DE PENA:São espécies de pena:·Corporais.·Privativas de Liberdade.·Restritivas de liberdade.·Privativas ou restritivas de direitos.·Pecuniárias.·Infamantes.2.3.1. CORPORAIS:São as que incidem sobre o corpo do apenado. (Morte, Lesões) Essas penas são vedadas pela Constituição Brasileira. Violam a dignidade da pessoa humana, pois transformam o homem em coisa (objeto da pena).2.3.2. PRIVATIVAS DE LIBERDADE:São as penas que segregam o apenado do convívio no meio social. Implicam no afastamento do seio da sociedade.2.3.3. PENAS RESTRITIVAS DE LIBERDADE:Essas são as penas que limitam a liberdade de locomoção. São exemplos desse tipo de pena o banimento, e a obrigação de se manter em uma determinada circunscrição territorial. No Brasil utiliza-se, como exemplo desse tipo de pena, a restrição de ir a determinados lugares.2.3.4. PENAS PRIVATIVAS DE DIREITOS:São as que restringem toda espécie de direitos diversos do de locomoção e dos patrimoniais.2.3.5. PENAS PECUNIÁRIAS:São as penas que incidem sobre o patrimônio do condenado.2.3.6. PENAS INFAMANTES:São as penas que atingem a honra do apenado. O artigo 78, II do Código de Defesa do Consumidor traz uma pena infamante ao ordenamento jurídico brasileiro.Diz o artigo 78, II:Art. 78: Além das penas privativas de liberdade e de multa, podem ser impostas cumulativa ou alternativamente, observado o disposto nos artigos 44 a 47 do Código Penal:II  a publicação em órgãos de comunicação de grande circulação ou audiência, às expensas do condenado, de notícia sobre os fatos e a condenação.2.4. DISTINÇÕES ENTRE AS PENAS PRIVATIVAS DE LIBERDADE:Neste tópico serão traçadas as diferenças entre a reclusão, a detenção e a prisão simples.Primeiramente é necessário falar que a detenção e a reclusão referem-se a crimes, enquanto que a prisão simples diz respeito a contravenções penais.2.4.1 RECLUSÃO X DETENÇÃO - Distinções:- A lei diz se a pena aplicada ao crime é de reclusão ou detenção.- A reclusão é mais gravosa que a detenção.- Quando o acusado é condenado a uma pena de reclusão e a outra de detenção, cumprirá inicialmente a mais gravosa, ou seja, a de reclusão.- A medida de segurança tratamento ambulatorial, só é possível nos crimes apenados com detenção.- Apenas os crimes apenados com detenção podem ser objeto de fiança.- A perda do poder familiar como efeito da condenação só é possível nos crimes apenados com reclusão.- A principal distinção está presente no artigo 33 do CP que diz que na reclusão o regime inicial é mais gravoso que na detenção que só poderá ter os regimes aberto e semi-aberto, salvo necessidade de transferência para regime fechado. Na reclusão o regime inicial pode ser aberto, semi-aberto ou fechado.Obs: A prisão simples também começa em regime aberto ou semi-aberto, sendo que na prisão simples o regime não pode ser fechado, enquanto que na detenção pode haver regressão para regime fechado.2.5. REGIME INICIAL:Nesse último tópico serão estudados os critérios pelos quais são fixados os regimes iniciais de cumprimento de pena.Três são as circunstâncias que influenciam na fixação do regime inicial:·Quantidade de pena.·Reincidência.·Circunstâncias judiciais do artigo 59 do CP.Nos crimes com pena superior a 8 (oito) anos, o regime inicial será sempre o fechado por força do artigo 33, § 2º, "a" do CP.O condenado não reincidente, cuja pena vá de 4 (quatro) anos e 1 (um) dia até 8 (oito) anos, poderá começar no regime semi-aberto ou fechado, a depender das circunstâncias do artigo 59 do CP. (Culpabilidade; antecedentes; conduta social; personalidade do agente; motivos, circunstâncias e conseqüências do crime). Neste caso, em regra utiliza-se o regime inicial semi-aberto.Obs: Quando o crime é apenado com detenção, o regime inicial não poderá ser fechado. Quando o julgador decidir pelo regime mais benéfico, não precisa fundamentar sua decisão conforme súmulas 718 e 719 do STF.Quando o crime com pena entre 4 (quatro) anos e 1 (um) dia for apenado com detenção, o regime inicial deverá ser o semi-aberto, sendo que o reincidente nesses crimes terão regime inicial fechado.O condenado não reincidente com pena até 4 (quatro) anos poderá começar o cumprimento em regime fechado, semi-aberto e aberto. O que vai definir são as circunstâncias judiciais do artigo 59 do CP. Nos crimes punidos com detenção, naturalmente, só poderá iniciar o cumprimento em regime aberto e semi-aberto.O reincidente condenado a pena de até 4 (quatro) anos, começará o cumprimento em regime fechado ou semi-aberto, quando o crime for punido com reclusão, e semi-aberto, quando o crime for punido com detenção. O reincidente nunca começará com regime aberto.Por fim, a norma especial definiu que os crimes hediondos e os equiparados sempre terão regime inicial fechado.Esse foi um sucinto resumo sobre as prisões. Como foi dito no início, tal trabalho se presta a ser leitura complementar com o fim de fixação da matéria abordada, não substituindo os catedráticos que teorizam sobre as matéria abordadas.[1] Graduando em direito pelas Faculdades Jorge Amado. Salvador-Bahia.[2]NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 7ª edição. São Paulo, 2007. editora Revista dos Tribunais. p. 289;
 
Avalie este artigo:
4 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Agnaldo SimÕEs Moreira Filho
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: