As Propostas de Celéstin Freinet e Sua Prática Pedagógica
 
As Propostas de Celéstin Freinet e Sua Prática Pedagógica
 


Palavras Chaves:

Educação, criança, escola,realidade, prática, proposta, contextualização.

Introdução:

Tendo como finalidade estudar o que venha a ser as propostas de Freinet, mostrando seus conceitos de aprendizagem, sua técnica e suas ferramentas, este texto traz em seu bojo uma discussão sobre o que temos usado na prática escolar de seus conceitos e o que pode vir a ser integrado, das idéias de Freinet na nossa prática escolar.

Este trabalho nasceu no momento em que, ao entrar em contato com bibliografias que tratavam das idéias propostas por Freinet, foi notado que muito de suas idéias estão sendo colocadas em práticas, de forma errônea, mas que com conhecimento de seus conceitos poderiam ser aprimoradas e assim servir de melhoria para nossos aspectos educacionais.

Material e Métodos:

Este texto é fruto de levantamento bibliográfico de livros, revistas e artigos, onde a prioridade era elucidação das propostas feitas por Freinet, procurando sempre fazer com que ao se escrevesse este texto, os conceitos e propostas estudadas pudessem serem tomadas de forma simples e ao alcance de entendimento de todos.

Resultados e Discussão:

Para se entender o trabalho deste educador é conceber que para ele este ser que nós chamamos de criança, numa pratica educacional contextualizada, pode a colaborar para que no futuro este aluno possa vir a desempenhar seus papéis com correção e justiça, tornando-se a chave do futuro na melhoria da coletividade.

O papel do educador será primeiro o de despertar  ou antes conservar  na criança suas forças vivas que condicionam a verdadeira educação: depois colocar os alunos em condições de satisfazerem suas necessidades, fornecendo-lhes todos os elementos que contribuirão para sua instrução e educação."(Freneit 1978, p.63)

De modo que por fim possam se liberar ao máximo as crianças, mostrando caminhos para sua realização, que para isso se faz necessário a organização dos interesses e das capacidades infantis, possibilitando o desenvolvimento máximo de sua personalidade em atividades-trabalho que lhe garantam o prazer, a satisfação na sua realização.

Segundo Costa (2006), há a necessidade de cuidar para que na formação escolar do professor seja de uma educação propiciada às crianças, onde não deve estar em desacordo com a vida. No quais as paredes das salas de aula não devem ser vistas como limites do processo: não deve haver divisão entre a vida dentro e fora da escola. A criança deve ser preparada para a vida, dentro de condições, de experiências, situações e conhecimentos equilibrados, condizentes com a vida fora dos muros das escolares.

Freinet partia do principio que a criança necessitava de atividades espontâneas; de se levar em conta as suas experiências; também ressaltava a necessidade de disciplina escolar onde o professor pudesse atuar com autoridade; e por fim o trabalho cooperativo das crianças.

A técnica pedagógica de Freinet é construída com base na experimentação e documentação, almejando uma prática educacional totalmente centrada na criança, atribuindo grande ênfase aos trabalhos (atividades) manuais, tendo em vista a formação de crianças ativas, que serão responsáveis por uma futura transformação social. O autor defende ainda que é através das experiências que as crianças chegarão ao verdadeiro conhecimento. Para isso acontecer, as escolas deverão se adaptar ao meio social das crianças, serem totalmente ativas e dinâmicas, permitindo assim, que elas alcancem com a máxima exuberância, seu destino de homem.(COSTA, 2006, p.27)

Vale ressaltar que as concepções de aprendizagem de Freinet, não estariam na observação, a explicações ou na demonstração, processos essenciais e tradicionais em nossas escolas, mas que as únicas vias normais de aquisição de conhecimento, estariam na experiência tateante, que é conduta natural e universal de todos os seres humanos, pois a escola cultiva apenas uma forma abstrata de inteligência, que atua fora da realidade viva, fixada na memória por meio de palavras e idéias.

Infeliz educação a que pretende, pela explicação teórica, fazer crer aos indivíduos que podem ter acesso ao conhecimento pelo conhecimento e não pela experiência. Produziria apenas doentes do corpo e do espírito, falsos intelectuais inadaptados, homens incompletos e impotentes. (Freinet, 1991, p. 42)

Freinet defendia o uso de uma imprensa escolar aonde as crianças poderiam, auxiliadas e direcionadas pelo professor expressar suas idéias e poder assim se sentir parte integrante de um coletivo, afinal, também teria voz ativa.

Outro conceito relevante para o nosso pesquisado era o fato de defende o uso de aulas passeios, não como uma distração e relaxamento, mas de usar a experiência como meio de adquirir o saber e que tem o objetivo de buscar motivação extra escolares para o processo de ensino-aprendizagem. (COSTA, 2006)

O comportamento escolar de uma criança depende de seu estado fisiológico e orgânico, de toda a sua constituição, era o que acreditava Freinet, chegando a defender também o fato que a criança e o adulto não gostam de imposições autoritárias; não gostam de uma disciplina rígida, quando isso significa obedecer passivamente uma ordem externa; e que todos gostam de escolher seu próprio trabalho, mesmo que essa escolha não seja a mais vantajosa.

Assim podemos notar que de forma geral, as idéias de Freinet são simples, pois apenas pregam a contextualização e o entendimento do ser humano que está por traz de cada criança. Faz do que ele mesmo intitulou de pedagogia do "bom senso" um desafio ao orgulho dos profissionais da área da educação. Com isso tira-se o foco ao detentor da verdade do conhecimento e prega-se o simples: "(...) Ame-os! Espalhe a sua bondade a sua volta e sentirá poderosamente a sua ação! (...)"(FREINET, 1998, p.276).

Por considerar a criança de mesma natureza do adulto, quebra a hierarquia presente na relação entre professores e alunos e estabelece consequentemente, uma relação amigável e produtiva entre esses, porém de extremo respeito e admiração.

Considerações Finais:

Baseado em tudo o que foi exposto e discutido neste texto podemos afirmar que as concepções estudadas a partir das conclusões de Celéstin Freinet não se tratam de demagogia, podem ser vistas como um desafio a uma educação onde o respeito a diversidade é cada vez menos num contexto, que paradoxalmente, prega-se a inclusão, podendo sim, as propostas de Freinet indicam um caminho onde as realidades vividas foras e dentro dos muros da escola possam ser integradas de maneira harmoniosa.

Referências Bibliográficas:

COSTA, M.C.C.C. A pedagogia de Celéstin Freinet e a vida cotidiana como central na prática pedagógica. In:Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.23, p. 26 31, set. 2006.

Disponível em: < http://www.histedbr.fae.unicamp.br/art02_23.pdf >

Acessado em : 02 de Abril de 2009.

FREINET, C. Ensaios de Psicologia sensível. São Paulo: Martins Fontes,1998.

FREINET, É. Nascimento de uma Pedagogia Popular. Lisboa: Editorial Estampa,

1978.

FREINET, C. Para uma Escola do Povo. São Paulo: Martins Fontes, 1966.

FREINET, C. Pedagogia do Bom Senso. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1973.

FREINET, C. Pedagogia do bom senso. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Michelle Medeiros
Talvez você goste destes artigos também