Análise do "Soneto de Fidelidade" (Vinícius de Moraes)
 
Análise do "Soneto de Fidelidade" (Vinícius de Moraes)
 


(SONETO) DE FIDELIDADE
                                                                                                                                     (Vinicius de Moraes)

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quanto mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama.

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

 

O texto acima exposto se trata de uma produção poética lírica formada por quatorze versos, divididos em dois quartetos e dois tercetos; assim sendo, como consta no título, temos nesta composição um soneto. Vinícius de Moraes utiliza nestes versos uma simetria intermitente, sendo as duas primeiras estrofes com uma formação decassílaba, com a qualidade dos versos classificados como raras, a tonicidade grave e uma sonoridade dita perfeita, pois há uma notável identidade dos sons finais assim como uma semelhança entre as últimas vogais e consoantes. Possui rimas soantes com disposição cruzada (A-D, B-C) de posicionamento externo, e um ritmo heroico (6-10). Curioso ressaltar que em todos os versos os ritmos são marcados pelas tônicas igualmente, sendo sempre 2-4-6-8-10.

Na primeira estrofe, o autor realiza uma exaltação ao amor, e ao mesmo tempo uma promessa de fidelidade a este; note o primeiro e segundo versos: “De tudo, ao meu amor serei atento, Antes, e com tal zelo, e sempre, [...]”. Também ocorre a valorização deste sentimento e a atenção ao fato de cuidar para que ele não diminua diante de quaisquer circunstâncias, mas antes, que seja sempre engrandecido. “[...] mesmo em face do maior encanto, Dele se encante mais meu pensamento.”

Na segunda estrofe, ele continua mantendo seu sistema silábico, rimas e ritmo. Vinícius de Moraes enaltece o amor como um sentido para sua vida vã: “Quero vivê-lo em cada vão momento, E em seu louvor hei de espalhar meu canto”. A possibilidade de desfrutar tal sentimento gera em si prazer, mesmo não sendo este algo que lhe traga apenas felicidade, como é possível notar nos versos: “E rir meu riso e derramar meu pranto, Ao seu pesar ou seu contentamento”.

Na terceira estrofe (primeiro terceto), o sistema de rimas continua soante e com posicionamento externo, mas a disposição se torna interpolada com a estrofe posterior (A-C, B-A, C-B), e o ritmo continua heroico com a mesma marcação (2-4-6-8-10); a qualidade das rimas continua como raras e permanece a simetria e toda a estrutura das duas primeiras estrofes. Aqui, ele não prioriza o tempo, mas sim o fim das coisas, demonstrando sua contrariedade em relação à morte e ao amor: “Quem sabe a morte, angústia de quem vive, Quem sabe a solidão, fim de quem ama”, explicitando sua vontade de que a morte e a solidão não cheguem tão cedo: “E assim, quanto mais tarde me procure”.

Na última estrofe, o poeta expressa seu desejo de vivenciar este sentimento: “Eu possa me dizer do amor (que tive)”, sabendo que tal não durará para sempre: “Que não seja imortal, [...]”, completando o sentido da estrofe anterior: “[...] solidão, fim de quem ama”, mas é imortalizado através de momentos “[...] que seja infinito enquanto dure”.

Há ao longo do poema elementos que caracterizam o autor como ser e como poeta, a forma narrativa utilizada (pois estabelece um conflito de pensamentos, considerando que o amor é bom, mas também pode ser ruim) deixa claro o tema do poema. O período aqui foi o segundo do modernismo, por isso considero sua narrativa ideológica, no sentido de corresponder aos princípios que estruturam as poesias daquele período. O modernismo objetivava uma nova forma de captar a realidade e interpretar a alma do sentimento humano a partir do mundo concreto; em seu primeiro período foram inseridos os “versos livres”, entretanto, em um segundo momento (modernismo) foi resgatado algumas formas poéticas anuladas no primeiro período modernista, como o soneto entre outras normas estruturais relativas ao ritmo, isso com o intuito de criar um equilíbrio formal na criação deste gênero textual, a poesia. Assim, este poema, apesar de ser um poema modernista, foi elaborado com uma estrutura clássica, observando as regras de ritmo, simetria, posicionamento, etc.

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
(4 de 5)
25 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Virginia Maria Nuss
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Universitária, 4º ano do curso de Letras Único na UEM (Universidade Estadual de Maringá, PR)
Membro desde maio de 2012
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: