Análise de fertilidade do solo e a necessidade de adubação
 
Análise de fertilidade do solo e a necessidade de adubação
 



1. Introdução
Fertilidade do solo é a capacidade que o solo tem de fornecer nutrientes às plantas em quantidades adequadas, em proporções apropriadas ou necessárias e em concentrações não tóxicas para o seu desenvolvimento. Essa capacidade está determinada pelas propriedades mecânicas e físicas, biológicas e químicas do solo, (Menete & Chongo, 1999).

Na prática, estabelecem-se teores (valores) críticos ou faixas adequadas (ou de suficiência) para o bom desenvolvimento das culturas. Os solos cujos valores dos indicadores de fertilidade estão fora das faixas, em geral produzem menos ou não produzem, enquanto os de fertilidade adequada tendem produzir mais.

A finalidade principal da análise química do solo é verificar a quantidade de elementos nutrientes presentes no solo. Uma vez conhecida essa quantidade, é possível realizar a recomendação da nova correcção ou adubação (Natale & Renato, 2002).

Existem várias técnicas de análise de fertilidade do solo desde as mais complexas até as mais simples (Carnieri, 2002).

Na objectividade de reflectir acerca do modo de vida da população moçambicana e por ser um país com base de sustentabilidade agrícola houve a necessidade da escolha deste tema, tendo em conta a revolução verde. A agricultura é feita nas zonas rurais com suporte de técnicas tradicionais, fazendo com que haja um défice na produtividade. As técnicas usadas para análise de fertilidade do solo e a necessidade de adubação são de custos elevados, muitas vezes as populações rurais implantam as culturas sem a pré-avaliação da necessidade de adubação, levanta-se então a seguinte questão de investigação:

Como fazer a análise de fertilidade do solo e a necessidade de adubação usando técnicas simples?

Fazer a análise de fertilidade do solo para avaliar a necessidade de adubação usando a técnica de diagnose por subtracção e a técnica de diagnose visual, pode constituir um recurso simples e prático. A técnica pode contribuir para a melhoria da produção agrícola e estudos de comportamento de plantas agrícolas.

Este trabalho tem como objectivo analisar a fertilidade do solo e a necessidade de adubação usando técnicas de "diagnose por subtração" e "diagnose visual".

2. Material e Métodos

2.1. Amostragem e colecta de amostra

A amostragem foi feita tipo Ziguezague. A amostra foi colectada a uma profundidade de 20cm com auxílio de uma sonda e enxada, no Distrito de Dondo, Bairro de Nhamainga da Província de Sofala. O solo apresentava-se com as seguintes características: cinzento-escuro de textura mediana. Foram tomadas 15 amostras parciais, seguidamente uniformizada de modo a aumentar a homogeneidade assim como obter uma amostra representativa do terreno, posteriormente foi distribuída na quantidade de 5 kg/vaso.

2.2. Técnicas usadas

Duas técnicas foram usadas, nomeadamente, técnica de diagnose por subtracção e a técnica de diagnose visual.

A técnica de diagnose por subtracção consiste em comparar a biomassa obtida quando se subtrai um elemento de adubação com aquelas conseguidas com a ajuda de uma adubação completa e a técnica de diagnose visual consiste em comparar o aspecto visual da amostra com um padrão. O padrão significa, uma planta normal do ponto de vista da nutrição e que, por conseguinte, produz bem.

2.3. Extractor e Nutrientes

Extractor usado, planta de feijão Nhemba, Reino: Plantae, Divisao: Magnoliophyta, Classe: Magnoliopsida, Ordem: Fabales, Família: Fabaceae (leguminosas), Sub-família: Faboideae (papilionoídea) , Género: Vigna, Espécie: Vigna unguiculata, (Araújo, 2007).
Nutrientes usados por 1000 ml de solução: 114.72g de CO(NH2) 2 , 22.30g de NaH2PO4 e 42.00g de KCl para aquisição de Macronutrientes, 1.20g de Na2B4O7 .10H2O, 0.72g de (FeCl3), 0.88g de CuSO4.5H2O e 2.53g de ZnSO4 . 7H2O, para aquisição de Micronutrientes, tendo sido usado CaCO3 puro para calagem

2.3. Modo de realização da experiência

1. Realizou-se a calagem nos vasos (Carvalho, 2008), 16 dias depois, efectuou-se a adubação de
base (Rodrigues, et al.,), e fez-se a rega ao fim do dia seguinte com 750 ml de água/vaso;
2. Três (3) dias depois da adubação de base lançaram-se 3 sementes/vaso (Carvalho, 2008), numa
profundidade de 1.5 cm e fez-se a rega 2 vezes/dia (manhã e tarde);
3. Desbastaram-se 2 pés, deixando-se 1 pé/vaso dez (10) dias depois da emergência das plantas,
seguidamente, observou-se e registou-se cuidadosamente os estágios de desenvolvimento e
crescimento das plantas num intervalo de quatro (4) dias;
4. Quinze (15) dias depois das plântulas emergirem, os vasos foram fertirrigados, com auxílio de
seringa à distância de 8 cm do pé, e daí em diante num intervalo de dez (10) dias, (Rodrigues, et
al.,);
5. Após a maturação, as plantas foram transplantadas (sem separá-las dos frutos e raízes) e forradas
com jornal etiquetado, e postas a secar em condições ambientais;
6. Pesou-se a biomassa da matéria seca e sementes no Laboratório de Química da Universidade
Pedagógica Moçambique-Delegação da Beira e fez-se tratamento estatístico de dados usando a
ANOVAII.

3. Resultados e Discussão

Com objectivo de analisar o estado de fertilidade do solo e a necessidade de adubação usando a técnica de "diagnose por subtracção" foi feito diagnóstico precoce através de observação directa de aspecto ou do comportamento da planta durante o seu ciclo biológico cujos resultados apresentam-se na Tabela 1. Os resultados do ensaio de "diagnose por subtracção" são mostrados na Tabela 2 em termos de biomassa produzida da matéria seca/vaso e biomassa de sementes/vaso em diferentes níveis de volume de nutrientes. A percentagem relativa foi determinada com base no tratamento que teve melhor biomassa de matéria seca e sementes. Os resultados foram analisados estatisticamente, usando ANOVAII com as seguintes hipóteses:

H0: O solo forneceu a mesma quantidade e qualidade de nutrientes às plantas para a produção da biomassa em todos tratamentos; e

H1: O solo não forneceu a mesma quantidade e qualidade de nutrientes às plantas para a produção da biomassa em todos tratamentos.









Tabela 1: Resultados de diagnóstico precoce das plantas durante o ciclo com o solo de
Nhamainga-Dondo
Nº Tratamento Descrição

1
Menos K Folhas e nervuras verdes, boa quantidade de folhas e ramos, com aspecto saudável sob ponto de vista nutricional.


2

Menos MN1
Folhas verdes por vezes enrugadas, nervuras verdes, boa quantidade de folhas e ramos, com aspecto saudável sob ponto de vista nutricional.

3
Menos CaCO3
Folhas e nervuras de cor verde, com tamanho apreciável, planta saudável sob ponto de vista nutricional.


4

Menos N
Folhas verdes tendentes a verde-amarelo de tamanho menor e as novas folhas representavam-se por vezes enrugadas, nervuras amarelas, número de ramos reduzido, diâmetro do caule menor com crescimento lento, foi atacada por fungos.

5
Menos nutrientes
Folhas e nervuras verdes de tamanho apreciável, planta saudável sob ponto de vista nutricional com caule comprido.

6
Menos P
Folhas reduzidas, verdes, planta com crescimento reduzido, reduzido número de folhas e ramos.


7

Completo
Folhas verdes de tamanho reduzido por vezes enrugadas, nervuras tendentes a cor verde limão, diâmetro do caule assim como número reduzido de ramos, assim como morte precoce da planta.


8

Sem adubação
Folhas e nervuras cor verde limão, paragens prolongadas no crescimento e desenvolvimento da planta, reduzido número de ramos e folhas, maior vulnerabilidade a ataque de parasitas e predadores.


A Tabela 3 apresenta os resultados da ANOVAII. De acordo com os dados apresentados, verifica-se que à 95% de confiança o factor tipo de adubo mostrou diferenças significativas (Fcalculado > Fcrítico), o que leva a rejeitar a hipótese nula e concluir que as diferenças são devido ao estado de fertilidade do solo, assim, foi necessário analisar cada tratamento. O factor quantidade de adubo ao mesmo nível de significância não mostrou diferenças significativas (Fcalculado < Fcrítico). Em relação ao solo em análise, os dois níveis usados para a fertirrigação não diferem bastante, apesar dos tratamentos correspondentes ao nível 2 apresentarem relativamente melhores resultados.


Tabela 2: Resultados de ensaio de "diagnose por subtracção" com solo de Nhamainga-Dondo

Tratamento Biomassa das sementes/vaso Biomassa da matéria seca/vaso
Nível 11 Nível 22 Nível 1 Nível 2
Quantidade (g) % Quantidade (g) % Quantidade (g) % Quantidade (g) %
1 Menos K 6.2 45 13.7 100 19.0 51 37.4 100
2 Menos MN 8.0 58 8.8 64 24.4 65 30.0 80
3 Menos CaCO3 7.1 52 4.2 31 20.3 54 14.0 37
4 Menos N 0 0 3.1 23 2.4 6 11.6 31
5 Menos nutrientes 4.2 31 4.2 31 11.2 30 11.2 30
6 Menos P 1.3 9 0 0 6.6 18 1.9 5
7 Completo3 0 0 1 7 6.1 16 6.6 18
8 Sem adubação 0 0 0 0 5.65 15 5.65 15
Tabela 3: Análise de variância (ANOVAII) da biomassa
Fonte de variação Variações g.l1 DQM2 FCalculado FCrítico
BMS3 BS4 BMS BS BMS BS BMS BS BMS BS
Factor tipo de adubo 1164.168 171.49 5 5 232.834 34.298 5.406 5.166 5.050 5.050
Factor quantidade de adubo
43.092
5.598
1
1
43.092
5.598
1.001
0.843
6.608
6.608
Variação residual 215.354 33.197 5 5 43.093 6.639
Total 1422.614 210.285 11 11
1- Graus de liberdade, 2- Desvios quadrados médios, 3- Biomassa da matéria seca, 4- Biomassa das sementes.

1 - Nível a 6 ml, 2- Nível a 12.5 ml, 3 -N, P, K, MN, CaCO3


Os resultados apresentados na Tabela 2 mostram que com adubação completa poder-se-ia ter uma produção maior, mas não aconteceu para os dois níveis (tratamento 7). Apesar dos adubos proporcionarem boa fertilidade ao solo, a redução no rendimento da cultura de feijão Nhemba verifica-se quando se ultrapassa o nível de recomendação de adubação, provavelmente, devido ao efeito salino provocado pela alta concentração de nutrientes na solução do solo. Veduim & Bartz, 2008, Araújo et al., (1984) constataram também resultados insatisfatórios para a cultura de feijão Nhemba num solo com elevada concentração de nutrientes, pois segundo Dechen et al., a elevada quantidade de nutrientes na solução do solo possibilita a ocorrência de interacções antagónicas entre os nutrientes provocando um desbalanço e deficiência destes.

No tratamento 8, o solo revelou uma indisponibilidade de fertilizante. Contrariamente, nos tratamentos 1 e 2, ambos os níveis apresentaram percentagens elevadas de biomassa, o que mostra que o solo possui teores apreciáveis de Potássio e de Micronutrientes. Silveira & Damsceno (1993) e Lima et al., (2001) constataram não existir influência positiva no cultivo de feijão Nhemba em solos com moderada ou alta concentração do Potássio, assim como, Aguario-jr et al., (2006) similarmente obtiveram resultados paralelos.

No tratamento 3 (menos calagem), a produção de sementes foi de 52% e de matéria seca 54% para o nível 1, 31 e 37% para o nível 2 respectivamente. No tratamento 5 onde a calagem está presente sem nutrientes a produção das sementes baixou relativamente para 31% e de matéria seca 30% em ambos níveis, o que explica mais uma vez ausência de Nitrogénio e de Fósforo. Pois vejamos, nos tratamentos 1, 2 e 3 onde o Nitrogénio e Fósforo estavam presentes as percentagens foram relativamente elevadas na ordem de 31% a 100% segundo mostra a Tabela 2, entretanto, ao subtrair-se o Nitrogénio no tratamento 4 e o Fósforo no tratamento 6, as percentagens das biomassas de sementes e a matéria seca nos dois níveis baixaram na ordem de 0 ? 31%, respectivamente. Silva (2007) & Oliveira et al., constataram o aumento de produção do feijão Nhemba quando o solo contém boa quantidade do Nitrogénio. Ibraimo (2007), afirma que quando o solo possui uma deficiência de Nitrogénio verifica-se a redução na produção.

Com a subtracção de fósforo, foram observadas precocemente anomalias durante o desenvolvimento da cultura. Silva (2007) e Araújo (2007, p.63), constataram que o fósforo é o elemento extraído em menor quantidade e o que mais limita a produção do feijão Nhemba enquanto não existir no solo, para além de prejudicar a produção, a planta apresenta folhas com manchas de coloração tipicamente arroxeada, atrasa o florescimento e faz com que o número de flores, frutos e sementes sejam reduzidos.

Geralmente, ao nível 2 constatou-se um aumento na produção da biomassa. Entretanto, no tratamento 6 (menos Fósforo) verificou-se diminuição da produção da biomassa, provavelmente, devido à escassez do fósforo ter prejudicado em grande escala nos eventos fisiológicos que se sucedem durante o ciclo vegetativo.

De acordo com a Tabela 1, os dados referentes ao comportamento visual, tomado pelas plantas durante a experiência, apresentam uma certa semelhança em certos tratamentos diferentes, pois, segundo Natale & Prado (2002), a diagnose visual não decifra antagonismo ou sinergismo iónico. Para Menete & Chongo, (1991, p.52), quando há deficiência simultânea de dois ou mais nutrientes, ou haver ataque de pragas e doenças, a aplicação excessiva de pesticidas, de reguladores de crescimento, excesso de sais, e stress hídrico podem surgir sintomas muito diferentes dos provocados isoladamente por um nutriente.

Em certos casos a técnica de "diagnose visual" pode ser útil, pois no caso da experiência desenvolvida esta técnica possibilitou um diagnóstico precoce.

De um modo grosseiro a necessidade de adubação/ha para : 2800 Kg de CaCO3, 1871,2 Kg de Nitrogénio e 200 Kg de Fósforo.

4. Conclusões

Os resultados deste estudo mostram que a técnica de "diagnose por subtracção" dá informação qualitativa bastante boa a respeito do estado de fertilidade do solo e a necessidade de adubação, mas está sujeita frequentemente a influência de factores de difícil controle. A técnica de "diagnose visual" não é convincente para avaliar a fertilidade do solo, isto porque nem sempre os sintomas visuais são muito distintos uns dos outros. Entretanto, verificou-se um provavelmente antagonismo do Nitrogénio e Fósforo para a Cultura em causa. Para o referido campo de um modo grosseiro a necessidade de adubação/ha é de 2800 Kg de CaCO3, 1871,2 Kg de Nitrogénio e 200 Kg de Fósforo.

Recomendações

No sentido de validar os resultados, recomenda-se que o ensaio deve ser repetido no campo pelo qual se adquiriram as amostras do solo. Para se obter melhores resultados do estado de fertilidade e necessidade de adubação do solo recomenda-se a técnica "Químico-Biológico", que consiste no uso de plantas como extractor e posterior análise química do tecido vegetal. Para se ter uma informação detalhada sobre a necessidade de adubação, recomenda-se usar um factor de 3x3x3 no qual são empregues três (3) níveis de N, P e K, cruzados de todos modos possíveis.

Agradecimentos

Ao Eng. Agr. Camilo, às Faculdades de Ciências Agrárias da UCM e UMBB, e o Instituto de Investigação Agrária de Chimoio (IIAC).

Referências

1. Banzato, D. A. & kronka, S. N.. Experimentação agrícola. Jaboticabal: FUNEP, 1989.
2. Bevitori, R. N. Das, Rios, G.P, Oliveira, I. P. De, GUAZZELLI, R. J..A cultura do caupi, Informe agropecuário, Belo Horizonte, volume 16, nº 174 p. 12-20, 1992.
3. Bonato, c. M; filho, c. J. R; Melges, e s. V. D. Dos..Nutrição Mineral de Plantas, Maringá (PR), 1998, 60p.
4. Brito, D. P. S..Curso de Estatística Experimental, Partes I e II. Itaguaí: Ed. UFRRJ, 1970.
5. Calzada Benza, J..Experimentacion agrícola, Lima: Edicones agor Ganaderia S.A., 1954.
6. Cardoso, M. J..A cultura do feijão caupi no Meio-Norte de Brasil, Teresina: Embrapa Meio-Norte, 2000, 264p.
7. Cardoso, m. J; Melo, F de B; ANDRADE JÚNIOR, A. S. De..Densidade de plantas de caupi em regime irrigado. Pesquisa agropecuária Brasileira, Volume 32, nº4, 1997.
8. Carnieri, i.m.r.s.a; Serrat, b. M; Lima, M.R..Análise de solo ou planta que os laboratórios podem fazer para o produtor rural. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Projecto de Extensão Universitária Solo Planta, 2002.
9. Carvalho, Miguel Angelo, Protocolos para experiências de germinação, Centro de Ciências Geológicas e Biológicas, Universidade da Madeira, 2008.
10. Castellane, P. D..Nutrição mineral da cultura do tomateiro (Lycopersicon esculentum Mill). I. Efeitos dos nutrientes na qualidade dos frutos. In: Muller, J. J. V. Casali, V. W. D. (ed.). Seminários de olericultura. V.3. Viçosa: UFV, pp.113 -157, 1982
11. Costa, A. R. da..As relações hídricas das plantas vasculares, Departamento de Biologia, Universidade de Évora, Portugal, Novembro de 2001.
12. Craufurd, p.q; qi, a; Ellis, r. H; Summerfiel, r.j; roberts, R. H; Development in Cowpea (Vigna unguiculata). II, Effect of temperature and saturation deficit on time of flowering in photoperiod insensategenotypes, Experimental Agriculture, 1996a.
13. Craufurd, p.q; ellis, r. H ; Summerfiel, r.j; Roberts, R. H; Development in Cowpea (Vigna unguiculata). II, Effect of temperature and photoperiod on time to flowering in photoperiod- sensitive genotypes and screening for photothermal responses, Experimental Agriculture, 1996b.
14. D?hainaut, Luís..Conceito e Métodos da Estatística: Uma variável e uma dimensão, 2ª Edição, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997, 362p.
15. Dechen, a. R; Haag, h. P; Carmelo, Q. A. C..Mecanismos de absorção e translocação de micronutrientes. In Ferreira, M. E; Cruz, M. C. P. (Ed)..Micronutrientes na agricultura. Piracicaba: Potafos: CNPq, pp.79 ? 97, 1991.
16. Dourado Neto, D; Fancelli, A. L..Produção de Feijão, Guaibá, Agropecuária, pp. 23-48, 2000.
17. Ellis, r. H; Lawer, r.j; Summerfield, r.j; Roberts, r. H; Chay, p.m; Brouwer, j. B; Rose, j. L; Yeates, S.J.. Towards the reliable prediction on time to flowering in six annual crop. III. Cowpea (Vigna unguiculata), Experimental Agriculture, Volume 30, 1994.
18. Fancelli, a. L; Dourado Neto, D..Tecnologia da Produção do Feijão Irrigado, 2ª Edição, Piracicaba: Publique, 1997, 182p.
19. Gepts, P & Fernándes, F..Etapas de desarrollo de la planta de frijol comum (Phaseolus Vulgaris L. ), Cali: Ciati, 1982.
20. Glinka, N..Química Geral, Volume 2, Editora Mir Moscovo, URSS, 1984.
21. GNU Free Documentation License, Vigna unguiculata. [Online] disponível na Internet via http://pt.wikipedia.org/wiki/Vigna_unguiculata" capturado no dia 15.10.08, Ultima actualização às 13h: 46min de 8 de Outubro de 2008.
22. Gonçalves, J.L.M..Documentos Florestais: Recomendações de Adubação para Eucalyptus, Pinus e Espécies Nativas. [Online]. Disponível na Internet via correio electrónico: [email protected] "Instituto de pesquisa e estudos florestais", 09 de Novembro de 2005.
23. Hadley, p; Roberts, r. H; Summerfield, R.J..A quantitative model of reproductive development (Vigna unguiculata (L) Walp) in relation to photoperiod and temperature and implication for screening germoplasm. Annals of Botany 1983.
24. Ibraimo, Mamade Mamudo..Manual de Fertilidade de Solos (Solos Tropicais), Universidade Mussa Bin Bique, Nampula, 2007.
25. Kliemann, H. J. & Lima, D. V..Eficiência agronómica de fosfatos naturais e sua influência no fósforo disponível em dois solos de cerrado, Escola de Agronomia da Universidade Federal de Goiás - Cx. Postal 131, CEP 74001-970. Goiânia ? GO, abril de 2001.
26. Leite, m. L; Rodrigues, j. D; Virgens Filho, J. S..Avaliação de cultivares de caupi (Vigna unguiculata (L) Walp.) quanto à produtividade e componentes de produtividades, sob condições de estufa plástica , Revista de agricultura, Volume 72, Nº 3, 1997.
27. Lima, e. V; Morais, o. M; Tanaka, r; & Grassi Filho, H..Adubação NK no desenvolvimento e na concentração de macronutrientes no florescimento do feijoeiro. Scientia Agrícola, v.58, nº 1, pp.125-129, 2001.
28. Littleton, e.j; Dennet, m. D; Monteith, j. L; eliston, J..The growth and development of crowpeas (Vigna unguiculata) under tropical field conditions. 2. Accumulation and partition of dry weight, Journal of Agricultural Science, Volume 93, 1979.
29. Marinho, J. T. de S; Pereira, R. de C. A; Costa, J. G da..Caracterização de Cultivares de Caupi (Vigna unguiculata (L.) Walp), em plantio no acre, Boletim de Pesquisa número 31, Empresa Brasileira de Agropecuária, Setembro, 2001.
30. Menete, M. Z. L & Chongo, D. A..Fertilidade do Solo, nº 117/INLD/99, AJAP, nº 01643/INLD/99, Maputo, Moçambique, 1999.
31. Ministério da Administração Estatal, Perfil do Distrito do Dondo Província de Sofala, Edição 2005, [Online] Disponível na internet via WWW. URL: http//: www.metier.co.mz & http//:www.govnet.gov.mz, capturado no dia 16, 12, 2008, pelas 11:32h.
32. Natale William e Prado, Renato de Mello, Avaliação da fertilidade do solo, 2002.
33. Oliveira, I. P. de & Thung, M. D T..Nutrição Mineral, Cultura de feijoeiro : Factores que afectam a produtividade, Piracicaba: Potafos, 1988.
34. Owen, G. H..Manual Básico de agricultura, Portugal, 1991.
35. Parry, m. M; Kato, M. do S. A. & Carvalho, J. G. de. Macronutrientes em caupi cultivado sob duas doses de fósforo em diferentes épocas de plantio. Rev. bras. eng. agríc. ambient. [Online]. 2008, vol.12, nº 3, pp. 236-242. ISSN 1415-4366.
36. Phogat, B. S; Singh, D. P; Singh, P.. Responses of cowpea (Vigna unguiculata (L.) Walp.) and Mung Bean (Vigna radiata (L.) Wilczik) to irrigation . II. Effects on CO2 exchange, radiation characteristic and growth. Irrigation science. Volume 5, 1984.
37. Poncini, S.. Manual de Horticultura, 2ª Edição, Editorial Presença, 1975.
38. Prado, R. de M.. Absorção e movimento de nutrientes nas plantas, Natural Soluções Sectoriais, 2004.
39. Revista Plantio Directo, Departamento Editorial da Plantio Directo, Edição 101, Aldeia Norte Americana, Setembro/Outubro 2007 (Bimestral).
40. Rodrigues, Domingos Sávio; PONTES, Adriana Luzia; Minami, Keigo; DIAS, Carlos Tadeu dos Santos..Determinação de teores de micronutrientes nas plantas e frutos, Monografias.com S.A., [email protected] [Online], capturado no dia 13.08.08.
41. Rossi, Carla & Monteiro, Francisco António..Doses de fósforo, épocas de colecta e o crescimento e diagnose nutricional nos capins braquiária e colonião, Scientia Agrícola, v.56, n.4, p.1101-1110, Out./Dez. 1999.
42. Severino, A. J..Metodologia de Investigação Cientifica, 23ª Edição, Revista e actualizada, São Paulo, Cortez Editora, 2007.
43. Sguario-Jr, J. C.; Daros, E.; Pauletti, V.; Ronzeli-Jr, P.; Soares-Koehler, H.; Oliveira, R.A.. Doses e formas de aplicação do potássio em sistema de plantio directo na palha, Scientia Agrária, v.7, nº 1-2, pp. 9-14, 2006.
44. Silva, Davi José & Faria, Clementino Marcos Baptistas..Nutrição, calagem e adubação: Efeito e funções dos nutrientes na cultura, Amostragem e análise de solo, Amostragem e análise de planta, Calagem, Adubação, Embrapa Semi-Árido, Sistemas de Produção, 2 ISSN 1807-0027 Versão Electrónica, Julho/2004. [Online], disponível na Internet via http://www.cpatsa.embrapa.br, Arquivo consultado em 04 de Julho de 2008, as 14:24h.
45. Silva, Maria Anita Gonçalves da; Muniz, António Saraiva, Costa, António Carlos Saraiva da; Cegana, António Cristiano Vieira.. Extractores para a quantificação de Fe em solos cultivados com soja, Maringá, v. 26, n º 3, pp. 367-372, 2004.
46. Silva, V.P..Efeitos da fertirrigação com enfluentes de lagoa de polimento nos atributos do solo e na produção de feijão caupi (Vigna unguiculata(L.) Walp ), Tese de Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife-Pe, 2007,128p.
47. Silveira, P. M.; & Damasceno, M. A?Doses e parcelamento de K e N na Cultura do Feijoeiro Irrigado, Pesquisa Brasileira Agropecuária, Brasília, v. 28, nº 11, pp.1269-1276, 1993.
48. Slack, A, V..Os produtos fertilizantes, In: Manual de Fertilizantes ? The fertilizar institute, IPT/CEFER, São Paulo, Brasil, 1980.
49. Skoog, D. A, West, D.M, Crouch, S. R, Fundamentos de Química Analítica, Tradução da 8ª Edição norte americana, São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.
50. Stevenson, W. J..Estatística Aplicada a Administração, Tradução Alfredo de Farias Harper & Raw do Brasil , São Palulo, 1981, 495p.
51. Steele, W.M & Mehra, K. L.. Structure, evolution and adaptation to farming systems and environments in Vigna. In Summerfield, R.J; Bunting. A. H. (Eds), Advance in legumes science, Kew: Royal Botanic Garden, 1980.
52. Thung, m. D. T; Oliveira, I. P de O..Problemas abióticos que afectam a produção do feijoeiro e seus métodos, Santo António de Goiás, EMBRAPA-CNPAF, 1998, 172p.
53. Vieira, S..Estatística Experimental, São Paulo, 2ª Edição Atlas, 1999, 185p.
54. Veduim, Juceli Vicente Rigue & Bartz, Hardi Rene.. Fertilidade do Solo e Rendimento do Tomateiro em Estufa de Plástico, v.28, nº 2, Santa Maria, Apr. /June 1998.
 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Docente na Universidade Pedagogica Delegacao de Nampula, Docente Colaborador na Universidade Catolica de Mocambique-CED, Nampula. Licenciado Em Ensino de Quimica Pela Universidade Pedagogica, Delegacao da Brira.
Membro desde setembro de 2011
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: