Alterações hemodinãmicas agudas provocadas pelo treinamento resistido
 
Alterações hemodinãmicas agudas provocadas pelo treinamento resistido
 


Artigo original

 

 

 

 

 

 

ALTERAÇÕES HEMODINÃMICAS AGUDAS PROVOCADAS PELO TREINAMENTO RESISTIDO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hemodynamic Changes Caused by Acute Resistance Training

 

 

 

 

 

 

 

José Adnailson da Silva Ramos

Humberto Moura Barbosa

ASCES – Associação Caruaruense de Ensino Superior, Pernambuco, Brasil.

Comitê de ética e pesquisa – carta Nº 015/ 10 CEP/ASCES

José Adnailson da Silva Ramos

Rua: Cícero Bento Veras, 39 Centro, Cupira Pernambuco.

[email protected]

 

ALTERAÇÕES HEMODINÃMICAS AGUDAS PROVOCADAS PELO TREINAMENTO RESISTIDO

 

Resumo

 

Objetivo do presente estudo foi identificar o comportamento do duplo produto (DP) e da pressão arterial sistólica (PAS) e diastólica (PAD) em repouso e em esforço, nos exercício peck-deck, crucifixo, leg-press 45º e agachamento sendo realizadas 10 repetições a 75% de 1RM. A amostra foi constituída por sujeitos jovens do gênero masculino (n=31), com uma média de idade de 22,5 ± 1,55 anos, média da massa corporal de 75,5 ± 2,2 kg, média de estatura de 1,75 ± 0,62m e IMC (Kg/m2) 24,7 ± 1,8 Kg/m2. Para a aferição da Freqüência Cardíaca utilizou-se um freqüencímetro Polar MZ1, e para a Pressão Arterial (PA) utilizou-se um esfignomanômetro aneróide, e um estetoscópio Littman (EUA). Para análise estatística foi realizado inicialmente um estudo exploratório (assimetria, curtose, teste de normalidade de Shapiro Wilks) dos dados com o objetivo de atender aos pressupostos teóricos da normalidade da curva, e posteriormente a estatística descritiva e o teste t de Student para amostras repetidas. Todas as análises estatísticas foram realizadas no SPSS for Windows, versão 10.0. Evidenciaram-se diferenças significativas entre os valores médios da (PAS) (p = 0,000) e (DP) (p = 0,000) nos exercícios para membros superiores, crucifixo e peck deck. (PAS) (p = 0,071) e diferença significativa no (DP) de esforço (p = 0,008) nos exercícios para membros inferiores, agachamento e leg press 45º.  Ambos apresentando valores médios mais altos nos exercícios realizados na posição horizontal (crucifixo e leg press) Comparamos também os valores médios da (PAS e PAD) e (DP) do exercício e crucifixo leg press 45º, ficou evidenciada diferença significativa no valor médio da PAS (p = 0,014) sendo o valor médio da PAS mais alta no exercício para o membro superior (crucifixo). Os resultados apontaram que os exercícios resistidos realizados na posição horizontal, quando comparados com os exercícios realizados na posição vertical, acarretam alterações significativas na PAS e, especialmente nos membros superiores quando comparados com os membros inferiores.

Palavra chave: exercícios resistidos, freqüência cardíaca, pressão arterial, duplo produto.

 

 

 

 

 

 

Abstract:

 

This study was to identify the behavior of the double product (DP) and systolic blood pressure (SBP) and diastolic (DBP) at rest and during exercise, the exercise peck-deck, cross, leg press squat 45 and being held 10 repetitions at 75% of 1RM. (sample n = 31do male), age 22.5 (± 1.55 years), body weight 75.5 (± 2.2 kg), height 1.75 m (± 0.62 m) and BMI (kg/m2 ) 24.7 (± 1.8). We used the measures (HR) with a frequency meter Polar MZ1, and (PA) used an aneroid sphygmomanometer and a stethoscope Littman (USA). Statistical analysis was initially performed an exploratory study (skewness, kurtosis, normality test of Shapiro Wilks) data in order to meet the theoretical normal curve, and then the statistical parametric or nonparametric, with SPSS for Windows, version 17.0. The results were significant differences between the mean values (SBP) (p = 0.000) and (DP) (p = 0.000) in the exercises for upper limbs, crucifix and peck deck. (SBP) (p = 0.071) and significant difference in the (DP) effort (p = 0.008) in the exercises for legs, squat and leg press 45. We also compared the mean values (SBP and DBP) and (DP) for the year and cross leg press 45, was no significant difference in mean SBP (p = 0.014) obtained in two different years. Therefore, it is necessary for other studies analyzing different body positions, so that by comparison we can establish a conduct as to these exercises.

Keyword: resistance exercise, heart rate, blood pressure, double product.

 

 

Introdução

 

           Atualmente, as variáveis cardiovasculares vêm sendo monitoradas para indicar diretamente o impacto da intensidade de esforço e da modalidade de exercício sobre a taxa de trabalho do miocárdio1. A freqüência cardíaca (FC), pressão arterial sistólica (PAS) e a pressão arterial diastólica (PAD) são as variáveis mais utilizadas, e associadas fornecem o duplo produto (DP) que permite avaliar de forma indireta o trabalho do miocárdio2.

              

          Para tanto se recomenda a utilização do chamado duplo produto ou MTTS (Modificated Tensio Time Index), para parâmetro numérico resultante da multiplicação da (PAS), expressa em mmHg e pela (FC), expressa em bpm. Assim, como apontam3 é interessante a utilização do (DP) como um parâmetro de segurança para observar em que tipos de atividades o sistema cardiovascular é exposto à maior trabalho e, portanto, a maiores riscos.

                 

           Em um estudo realizado, mostrou que as variáveis (FC) e (PA) se alteram devido à postura corporal em que o individuo realiza o exercício4. As alterações relevantes podem ocorrer nesses parâmetros com mudanças significativas em exercícios que envolvem membros superiores e inferiores. Os mesmos enfatizam que mudanças na postura (envolvendo os seguimentos corporais acima citados) podem aumentar o retorno venoso e com isso, acarretar mudanças significativas nas respostas hemodinâmicas. Especialmente, tratando-se dos membros superiores em decorrência de uma menor área fisiológica muscular, o que pode acarretar um maior aumento da pressão sanguínea quando comparado ao aumento nas respostas hemodinâmicas acarretadas em exercícios com os membros inferiores5.

 

          Por esse motivo da postura corporal interferir nas respostas hemodinâmicas, nosso estudo buscou analisar e comparar esses efeitos para ter uma prescrição de exercício mais precisa.

                

          Devido à importância destes quatro parâmetros fisiológicos (FC, PAS, PAD e DP) para a prescrição e controle da intensidade dos exercícios com peso, e tendo em vista a grande carência de estudos que investiguem essas diferentes posturas corporais, o presente estudo teve como objetivo verificar e analisar as respostas hemodinâmicas dos participantes nos exercícios crucifixo e peck-peck e leg-press 45º e agachamento no aparelho, realizando 10 repetições a 75% da carga de uma repetição máxima (1RM).

 

Objetivos

 

          Verificar se existe diferença significativa no comportamento do duplo produto e da pressão arterial sistólica e diastólica no exercício dos exercicios peck-deck, crucifixo, leg-press 45º e agachamento do grupo de homens participantes.

 

 

Procedimentos metodológicos

 

          Participaram do estudo 31 indivíduos adultos do gênero masculino sendo todos residentes na cidade de Caruaru matriculado na academia escola da ASCES. Todos os participantes voluntários possuíam experiência mínima de seis meses nos exercícios com peso e já praticavam os exercícios que foram utilizados para a realização dos testes. Sem que tenha qualquer deficiência física, mental, auditiva e visual. Ressaltando que no momento da escolha dos sujeitos para a composição da amostra todos se encontravam-se gozando de um perfeito estado de saúde. Todos os sujeitos voluntários foram submetidos ao questionário PAR-Q e assinaram um termo de consentimento, conforme Resolução no 196/96 do Conselho Nacional de Saúde do Brasil.

 

Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa para Seres Humanos da Associação Caruaruense de Ensino Superior (carta Nº 015/ 10 CEP/ASCES) e todos os participantes foram informados sobre os procedimentos e riscos inerentes aos testes antes de assinarem o termo de consentimento.

Os participantes realizaram a pesquisa na academia escola da ASCES (Associação Caruaruense de Ensino Superior) durante o mês de março de 2010.

 

Procedimentos de análise

 

           A coleta de dados foi conduzida em quatro dias alternados. No primeiro dia foi realizado um teste para a determinação da carga máxima em 1RM no membro superior. No segundo dia (48 horas após a primeira avaliação), foi realizado o mesmo procedimento para o membro inferior. No terceiro dia (72 horas após o segundo dia) os indivíduos foram submetidos aos testes de 10 repetições, a 75% da carga de 1RM para exercícios para membros superiores e no quarto dia para membros inferiores para a aferição do DP (PAS x FC), da PAS e PAD. Ao chegarem ao local do teste, os indivíduos ficavam sentados em uma cadeira onde permaneceram por cinco minutos em repouso, e assim foram aferidos os valores da massa corporal, estatura, (PAS), (PAD) e (FC). Após os procedimentos antropométricos e hemodinâmicos, os participantes foram orientados sobre os procedimentos do teste nos exercicios agachamento, leg-press 45º, crucifixo e peck-deck.

 

          O indivíduo posicionou no primeiro aparelho, que foi escolhido de forma aleatória, e executou 10 repetições, com uma carga equivalente a 30% de 1RM, como forma de aquecimento. Após cinco minutos foram realizados 10 repetições a 75% da carga de 1RM. Foram aferidos os valores da (FC) e (PAS) e (PAD) simultaneamente, imediatamente antes do inicio do movimento e entre a penúltima e a última repetição com o indivíduo no próprio aparelho. Este procedimento foi tomado levando em conta que os maiores valores das respostas de (PAS), (PAD) e (FC), acontecem provavelmente durante as duas últimas repetições de uma série. Para a medida da PA, considerasse como valor sistólico, a primeira fase do som de Korotkoff e como valor diastólico a quarta fase. Para a FC, foi utilizado o maior valor registrado na realização do exercício ou momentos após seu término, devido ao tempo necessário para o monitor realizar a leitura correta. Foi dado então, um intervalo de cinco minutos e o indivíduo repetia o mesmo procedimento para o outro exercício. Foi solicitado aos avaliados evitarem a manobra de Valsalva durante a execução dos exercícios. As medidas da (FC) foram feitas através de um freqüencímetro Polar MZ1 (Finlândia). Nas medidas da (PA) utilizamos um esfignomanômetro aneróide, sempre localizado no braço esquerdo, e um estetoscópio Littman (EUA).

 

Procedimentos estatísticos

 

          O estudo teve a característica de ser descritivo comparativo. Para a determinação do tamanho amostral foi considerada um intervalo de confiança de 95%, ou seja, uma margem de erro de 5%. Partindo deste pressuposto do nível de confiabilidade do estudo (95%), utilizamos um valor de desvio-padrão de 1,96 para a estimativa do tamanho amostral6.  Considerando que um valor representativo de uma fração de sucesso é de 80% e, segundo valores na literatura indicam que, em condições razoáveis, pode-se obter uma fração de sucesso de 90%6. Logo, o tamanho amostral foi determinado pela fórmula abaixo:


    6

 

          Considerando os parâmetros descritos anteriormente, teremos um tamanho mínimo amostral de:

N = (1,962)2 x 0,80 (1 – 0,8) / (0,9 – 0,8)2 = 31 sujeitos

 

          Para análise estatística foi realizado inicialmente um estudo exploratório (assimetria, curtose, teste de normalidade de Shapiro Wilks) dos dados com o objetivo de atender aos pressupostos teóricos da normalidade da curva, e posteriormente a estatística descritiva e o teste t de Student para amostras repetidas. Todas as análises estatísticas foram realizadas no SPSS for Windows, versão 10.0.

 

Resultados

 

          De acordo com o objetivo do presente estudo que foi identificar o comportamento do duplo produto e da pressão arterial sistólica e diastólica em repouso e em esforço, no exercício do peck-deck, crucifixo, leg-press 45º e agachamento do grupo de homens participantes, estão apresentados nos quadros abaixo (02, 03 e 04), os resultados do mesmo.

 

          De acordo com o quadro 01 estão apresentados os valores médios e seus respectivos desvios das características da amostra do presente estudo. Organização Mundial de Saúde (OMS)7 mostram os valores de referencia da sua classificação para o Índice de Massa Corporal (IMC), e em que o grupo ficou classificado como EUTRÓFICO em relação ao valor médio obtido. Em relação aos valores médios dos níveis pressóricos (sistólico e diastólico), evidenciou-se que o grupo amostral ficou classificado em NORMOTENSO, segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial8.

 

 

Quadro 01 – Característica da amostra do presente estudo (amostra n= 31)

Variáveis

Média ± Desvio-padrão

Idade (anos)

22,5 ± 1,55

Massa Corporal (Kg)

75,5 ± 2,2

Estatura (metros)

1,75 ± 0,62

Índice de Massa Corporal (Kg/m2)

24,7 ± 1,8

Pressão Arterial Sistólica de Repouso (mmHg)

116,5 ± 6,0

Pressão Arterial Diastólica de Repouso (mmHg)

79,7 ± 1,8

Duplo Produto (mmHg.bpm)

9.632,2 ± 1.024,7

 

Quadro 02 – Comparação dos valores de PAS, PAD e Duplo Produto nos dois diferentes tipos de exercícios resistidos para os membros superiores.

Variáveis

Crucifixo

Peck Deck

t

p

Pressão Arterial Sistólica de Esforço

147,4 ± 8,9

139,7 ± 13,0

4,50

0,000

Pressão Arterial Diastólica de Esforço

82,6 ± 5,14

81,6 ± 4,54

1,79

0,083

Duplo Produto de Esforço

20.022,3 ± 1.678

18.915,8 ± 2.301

4,54

0,000

 

Quadro 03 – Comparação dos valores de PAS, PAD e Duplo Produto nos dois diferentes tipos de exercícios resistidos para os membros inferiores.

Variáveis

Agachamento

Leg Press 45º

t

P

Pressão Arterial Sistólica de Esforço

140,0 ± 14,8

142,9 ± 12,1

-1,87

0,071

Pressão Arterial Diastólica de Esforço

82,3 ± 4,5

83,2 ± 4,7

-1,36

0,184

Duplo Produto de Esforço

18.955,16 ± 2.464

19.699,68 ± 2.379

-2,84

0,008

 

 

Quadro 04 – Comparação dos valores de PAS, PAD e Duplo Produto entre os exercícios resistidos de membro superior e inferior

Variáveis

Crucifixo

Leg Press 45º

t

P

Pressão Arterial Sistólica de Esforço

147,4 ± 8,9

142,9 ± 12,1

2,62

0,014

Pressão Arterial Diastólica de Esforço

82,6 ± 5,14

83,2 ± 4,7

0,812

0,423

Duplo Produto de Esforço

20.022,3 ± 1.678

19.699,68 ± 2.379

1,18

0,247

 

 

Discussão

 

          De acordo com os resultados apresentados no quadro 02, ficaram evidenciadas diferenças significativas entre os valores médios da pressão arterial sistólica (p = 0,000) e no duplo produto de esforço (p = 0,000) nos exercícios para membros superiores (MS), crucifixo e peck deck. Sendo no exercício do crucifixo onde encontramos os valores médios mais altos quando comparados com o exercício do peck deck. O que vem a ser corroborado com a literatura que evidencia valores mais altos na (PAS) em exercícios realizados na posição deitada, quando comparados com exercícios na posição vertical. Outro estudo realizando os exercícios supino reto, deitado ou sentado, não apresentaram diferenças significativas em nenhum dos parâmetros fisiológicos estudados. Porém no supino reto deitado observou-se que todas as respostas fisiológicas (FC), (PAS), (PAD) e (DP) se apresentaram um pouco menores do que no supino reto sentado9. De forma geral, esse tipo de atividade é considerado adequado quando realizado com orientação especializada a indivíduos aparentemente saudáveis ou portadores de doenças crônicas, em virtude de sua contribuição à aptidão física e funcional. Além disso, sua realização parece revestir-se de níveis razoáveis de segurança, mesmo na presença de doença cardiovascular10, 11-17. As respostas agudas são provenientes de uma sessão isolada de exercício e as respostas crônicas são ocasionadas pelas repetições freqüentes das sessões isoladas, produzindo adaptações fisiológicas de acordo com o tipo de treinamento18. Segundo as considerações do I Consenso Nacional de Reabilitação Cardiovascular19 as respostas agudas podem ser tardias, ocorrendo até 24h após uma sessão de atividades físicas tendo com exemplo a discreta redução dos níveis pressóricos (principalmente nos hipertensos) ou imediatas, que se observam imediatamente após ou durante uma sessão de treinamento, como incrementos da pressão arterial sistólica e freqüência cardíaca20.

 

          De acordo com os resultados apresentados no quadro 03, ficou evidenciada diferença não significativa entre os valores médios da (PAS) (p = 0,071) e diferença significativa no (DP) de esforço (p = 0,008) nos exercícios para membros inferiores (MI), agachamento e leg-press 45º. Sendo no exercício do leg-press onde encontramos os valores médios mais altos quando comparados com o exercício do agachamento. O que vem a ser corroborado com a literatura que evidencia valores mais altos na (PAS) em exercícios realizados na posição deitada, quando comparados com exercícios na posição vertical. Durante o exercício resistido, maiores valores de (FC) e (PA) são obtidos nas últimas repetições de séries realizadas até a fadiga21 as quais têm sido contra-indicadas como prescrição no trabalho de força com hipertensos. Além disso, dentre outros fatores que influenciam o comportamento da (PA), observam-se respostas aumentadas quanto maior for à massa muscular envolvida no exercício22. Em fisiculturistas23 observaram aumentos (PA) extremos no exercicio leg-press (320/250 mmHg), quando esses indivíduos foram expostos a cargas entre 80% e 100%. Por sua vez, o nível de condicionamento físico em força parece apresentar relação inversa com as magnitudes das respostas de PA e FC ao exercício23.

 

          No quadro 04, foi realizada a comparação entre os valores médios da (PAS), (PAD) e (DP) dos exercícios de (MS) crucifixo e (MI) leg press 45º, com o intuito de identificar alterações nos níveis pressóricos e no duplo produto nos exercícios realizados na posição horizontal. A partir dos resultados ficou evidenciada diferença significativa no valor médio da PAS (p = 0,014) obtidos nos dois diferentes exercícios. Para verificar os efeitos hemodinâmicos com exercicios para os (MS) e (MI), rosca bíceps e cadeira extensora respectivamente, concluíram que tanto a (FC) e (DP) não apresentaram diferença significativa com carga de 10 RM. As (PAS) e (PAD) são consideravelmente mais altas quando é realizado com os braços que com as pernas24. Isso porque a menor massa muscular e árvore vascular dos braços oferecem uma maior resistência ao fluxo sanguíneo que a maior árvore vascular das pernas25. 26 verificaram que o comportamento (PAS) e (PAD) em testes de 1RM submetidos no exercício supino reto e agachamento, mensurada nas situações de repouso e imediatamente após a execução de uma série de aquecimento e de cada uma das três tentativas de 1-RM, nos exercícios analisados. Os valores da (PAS) de repouso foram estatisticamente menores (P < 0,05) do que aqueles observados após série de aquecimento e cada uma das três tentativas do teste de 1-RM, em todos os exercícios investigados. Por outro lado, nenhuma modificação estatisticamente significante foi identificada na (PAD).

 

Sabe-se que o (DP) tende a aumentar em função do tempo total da atividade para uma mesma carga de trabalho, de forma diretamente proporcional23. Assim, os seus valores seriam mais sensíveis ao tempo de tensão do que à própria carga mobilizada. Mesmo em treinamento intenso, a (FC) não costuma ultrapassar 70% da FC Max27. O percentual atingido neste estudo foi de 74,5 % mas ainda assim, o (DP) ficou distante do ponto de corte de 30.000, usualmente associado à angina de peito2.

 

Conclusão

 

           De acordo com os resultados apresentados nesse estudo, sugerimos que indivíduos com fatores de risco cardiovascular devam receber uma orientação especial na realização dos exercícios leg-press 45º e crucifixo, pois apresentaram resposta ao duplo produto de esforço significativo. Embora a sua realização apresente um trabalho exaustivo ao miocárdio, esses exercícios se forem bem orientados podem promover benefícios significativos aos praticantes de exercícios resistidos, como também os portadores de fatores de risco cardiovascular. Estudos futuros são necessários para um melhor entendimento da influência dessas formas de execução sobre as variáveis analisadas.

 

 

 

 

 

Referências

 

 

  1. POLITO et. al Resistence exercise in individuals with and without cardiovascular disease. Am College Sports Med 2000;101:828-833.2003

 

  1. LEITE T. C, FARINATTI P.T.V. Estudo da freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo- produto em exercícios resistidos diversos para grupamentos musculares semelhantes. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício 2003;2(1):29- 49.

 

  1. Farinatti PTV, Assis B. Estudo da freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em exercícios contra- resistência e aeróbio contínuo. Rev Bras Ativ Fis Saúde 2000; 5: 5-16.

 

  1. SIMÃO, Roberto: Análise da freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em diferentes posições corporais nos exercícios resistidos. Rev Bras Med Esporte _ Vol. 11, Nº 5 – Set/Out, 2005

 

  1. YASBEK JR, P.; BATTISTELLA, L. R. Condicionamento Físico – do atleta ao transplantado. Aspectos multidisciplinares na prevenção e reabilitação cardíaca. Savier Editora de Livros Médicos Ltda, SP. 1994

 

  1. WEYNE, G.R. de Sá. Determinação do tamanho da amostra em pesquisas experimentais na área de saúde. Arquivos Med. ABC, v.29, nº 2, 2004, pp. 87 – 90.

 

  1. Organização Mundial de Saúde (OMS), para o Índice de Massa Corporal (IMC),

 

  1. IV Diretrizes Brasileira de Hipertensão. Arq Bras Cardiol volume 82, (suplemento IV), 2004.

 

  1. MIRANDA, Humberto et al. Análise da freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em diferentes posições corporais nos exercícios resistidos. Rev Bras Med Esporte [online]. 2005, vol.11, n.5, pp. 295-298. ISSN 1517-8692.  doi: 10.1590/S1517-86922005000500010.

 

10. Pollock M, Franklin B, Balady G, Chaitman B, Fleg J, Fletcher B, et al. Resistance exercise in individuals with and without cardiovascular disease: benefits, rationale, safety, and prescription. Circulation 2000;101: 828-33.

 

11. Oliver D, Pflugfelder PW, McCartney N, McKelvie RS, Suskin N, Kostuk WJ. Acute cardiovascular responses to leg-press resistance exercise in heart transplant recipients. Int J Cardiol 2001;81:61-74. 

 

12. Fisher MM. The effect of resistance exercise on recovery blood pressure in normotensive and borderline hypertensive women. J Strength Cond Res 2001;15: 210-6.  

 

13. Martel GF, Hurlbut DE, Lott ME, Lemmer JT, Ivey FM, Roth SM, et al. Strength training normalizes resting blood pressure in 65- to 73 year-old men and women with high normal blood pressure. J Am Geriatr Soc 1999;47:1215-21. 

 

14. Verril D, Shoup E, McElveen G, Witt K, Bergey D. Resistive exercise training in cardiac patients: recommendations. Sports Med 1992;13:171-93. 

 

15. Featherstone JF, Holly RG, Amsterdam EA. Physiologic responses to weight lifting in coronary artery disease. Am J Cardiol 1993;71:287-92. 

 

16. Wiecek EM, McCartney N, McKelvie RS. Comparison of direct and indirect measures of systemic arterial pressure during weightlifting in coronary artery disease. Am J Cardiol 1990;66:1065-9.  

 

17. Haslam DRS, McCartney N, McKelvie RS, MacDougall JD. Direct measurements of arterial blood pressure during formal weightlifting in cardiac patients. J Cardiopulm Rehabil 1988;8:213-25. 

 

18. Thompson PD, Crouse SF, Goodpaster B, Kelley D, Moyna N, Pescatello L. The acute versus chronic response to exercise. Med Sci Sports Exerc 2001;33:S438-45.

 

19. I Consenso Nacional de Reabilitação Cardíaca (fase crônica). Arq Bras Cardiol 1997;69:267-91. 

 

20. Araújo CG. Fisiologia do exercício físico e hipertensão arterial: uma breve discussão. Hipertensão 2001;4:78-83.

 

21. Fleck SJ, Dean LS. Resistance-training experience and the pressor response during resistance exercise. J Appl Physiol. 1987; 63 (1): 116-20.

 

22. Lewis SF, Snell PG, Taylor WF, Hamra M, Graham RM, Pettinger WA, et al. Role of muscle mass and mode of contraction in circulatory responses to exercise. J Appl Physiol. 1985; 58 (1): 146-51. 

 

23. MacDougall JD, Tuxen D, Sale DG, Moroz JR, Sutton JR. Arterial blood pressure response to heavy resistance exercise. J Appl Physiol. 1985; 58 (3): 785-90.  

 

24. Welton D'Assunçãoet al. Respostas cardiovasculares agudas no treinamento de  força conduzido em exercícios para grandes e pequenos grupamentos musculares. Rev Bras Med Esporte vol.13 no.2 Niterói Mar./Apr. 2007.

 

25. Pendergast, D.R.: Cardiovascular, respiratory, and metabolic responses to upper   body exercise. Med. Sci. Sports Exerc., 21:S121, 1989.   

 

26. GERAGE, Aline Mendes et al. Comportamento da pressão arterial em testes de uma repetição máxima. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 18, p. 72-75, 2007. Suplemento. 

 

27. EffronMB. Effects of resistance training on left ventricular function. Med Sci Sports Exer 1989;21:694-97.

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
[email protected]
Membro desde fevereiro de 2012
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: