ALFABETIZAÇÃO INFANTIL:A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA PARA O SOCIOCONSTRUTIVISMO
 
ALFABETIZAÇÃO INFANTIL:A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA PARA O SOCIOCONSTRUTIVISMO
 


O início da vida escolar de uma criança é um momento extremamente importante para a família, que costuma depositar na escola a responsabilidade de alfabetização. A idéia que se tem de alfabetização, em sua maioria, normalmente é equivocada, principalmente se analisada sob a perspectiva socioconstrutivista. Acredita-se comumente que quando a criança aprende a ler já se pode considerá-la alfabetizada.
Para o socioconstrutivismo isso só não basta. A criança deve ser capaz de compreender o que lê, e além de que, considera o que a criança já sabe, já conhece, o conhecimento adquirido fora da escola é fator a ser considerado para um bom desenvolvimento escolar.
A família passa então a ter uma responsabilidade também de favorecer a alfabetização através de um ambiente rico em informações, desenvolvendo a curiosidade, a vontade de aprender. Segundo COLL (2004), o socioconstrutivismo incide na dimensão social da alfabetização como prática cultural que ocorre em contextos históricos determinados e que envolve não somente o aluno, mas também o grupo no qual está inserido. Para o autor, o socioconstrutivismo concebe o processo de alfabetização como um contínuo que começa antes da escola e implica um complexo de conjunto de conhecimentos que levam a criança à aprendizagem convencional da leitura e da escrita. Por isso, é notável que pais que lêem histórias para seus filhos colaboram potencialmente para a aprendizagem e conseqüentemente, esses se tornarão bons leitores. Para CARVALHO (2004), o bom leitor não se faz dissociando-se de sua realidade, o aluno precisa ter prazer em aprender e deixar de querer aprender apenas para passar de ano ou para copiar os exercícios dados pela professora.
Diante dessa nova perspectiva de educação, a qual a família tem participação efetiva e a escola aproveita seus conhecimentos adquiridos fora dela, o professor, segundo OÑATIVIA (2009) tem o desafio de se tornar um bom observador para ganhar subsídios a fim de elaborar de forma adequada sua aula, oportunizando a criança um espaço para que ela se expresse, erre e aprenda com seus erros, pense e resolva situações.
 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
6 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Jéssica Eleodoro
Talvez você goste destes artigos também