Afetividade e Aprendizagem: Relação Professor e Aluno

 

RESUMO:

Este estudo trata da afetividade e aprendizagem na relação professor/aluno, definindo como resultado imprescindível a atender os anseios dos alunos na sua aprendizagem. Afetividade é se preocupar com seus alunos é reconhecê-los como indivíduos autônomos em busca de sua identidade. Esta relação é uma condição do processo ensino/aprendizagem, ela dinamiza e dá sentido ao processo educativo.

Livro relacionado:

INTRODUÇÃO:

A Esse estudo foi realizado no Ensino Fundamental, do primeiro ao quinto ano de escolaridade da Rede Pública de Ensino do Município de Paracambi. (faixa etária 9 e 12 anos). Os alunos desta fase necessitam de um maior envolvimento, pois estão no início de sua "construção" e acreditamos que o afeto motiva o comportamento e os levará a uma melhor aprendizagem. A importância desta relação para o sucesso do aluno em sua vida estudantil é fundamental, de forma que a predileção do estudante por algumas disciplinas, muitas vezes passa por gostar ou não de um determinado professor. Não podemos viver sem afetividade e a vivência desta alicerça o caráter do sujeito refletindo em toda a conduta humana.

            O mundo tem atravessado grandes transformações que afastam o homem de sua essência interferindo nas relações interpessoais no contexto ensino-aprendizagem- afetividade: relação professor-aluno.

Considerando que a escola é um campo de vivência e cidadania é preciso que ela possa trazer no seu alicerce o ideal de proporcionar aos educandos momentos prazerosos de aprendizagem, por esta razão a grande importância do bom relacionamento afetivo entre docentes e discentes dentro da escola.

Sou professora da Rede Pública Municipal de Ensino e durante alguns anos inserida no contexto dasala de aula, hoje atuo como diretora e observo que no dia a dia com o aluno e observando otrabalho do professor muitas vezes podemos constatar entre ambos uma relação não compreendida. Há momentos em que o ambiente da sala de aula se transforma em uma pequena repressão, administrada sob o olhar atento do professor que se encarrega de ser o chefe. Este perfilse dá por conta da falta de limites que o alunos traz consigo e das dificuldades do professor em lidar com tais questões.

O processo de aprendizagem pode ser beneficiado quando professor e alunobuscam conhecimentos mútuo de suas necessidades, tendo consciência de sua forma de relacionar-se, respeitando as diferenças. O professor em sala de aula deverá contribuir para desenvolver em seus alunos a auto-estima, a estabilidade, tranquilidade, capacidade de contemplação do belo, de perdoar, de fazer amigos e de socializar-se. Assim sendo, as instituições escolares não podem dispensar tais conceitos de seu currículo, devendo estimular uma rede mais generalizada de afetividade nas relações interpessoais, no âmbito escolar, e trabalhando intensivamente para gerar oportunidades de integrar o homem na sociedade.

É importante ressaltar neste estudo que a afetividade, por sua vez, tem uma concepção mais ampla e complexa, envolvendo uma gama de manifestações e sentimentos de origem psicológica e biológica.

Com base nessas reflexões podemos situar a seguinte questão a ser estudada: Como a afetividade contribui para aprendizagem do aluno do primeiro segmento do ensino fundamental? Como hipótese para a questão desse estudo podemos dizer que a concepção bancária pode ser a grande responsável, com suas diversas ações, pela falta de afeto entre professor e aluno levando-se em conta o professor com baixa remuneração que se deixa influenciar na relação afetivacom o aluno.

Henri Wallon, (2003) considera a pessoa como um todo. Afetividade, emoções, movimento e espaço físico que se encontram num mesmo plano. As emoções para o autor têm papel preponderante no desenvolvimento da pessoa.

O objetivo deste estudo é refletir sobre a importância do relacionamento afetivo entre professor e aluno dentro das Instituições de Ensino, buscando fundamentação teórica que possibilite ao professor uma melhor compreensão da importância dessa relação, assim como de suas próprias relações interpessoais que envolvem a escola e suas diretrizes e estudar as conexões entre o desenvolvimento da afetividade do aluno e o sentimento de responsabilidade social do sujeito.

Os procedimentos metodológicos nos fazem entender que o embasamento teórico é de fundamental importância para a pesquisa, pois oferece fundamento para o referido estudo.

Dividida em quatro capítulos, esta pesquisa oferece aos educadores informações e reflexões sobre a importância da afetividade no processo ensino-aprendizagem. O primeiro capítulo busca uma definição para o tema em questão fazendo uma abordagem sobre as teorias de alguns autores; o segundo capítulo busca questionamentos acerca da importância do relacionamentointerpessoal professor-aluno, enfocando a escola e a família como mediadores na relação afetiva, e expressa ainda a importância da formação do educador para a conquista da cidadania; o terceiro capítulo discute as ações implementadas utilizadas pelo professor, levando-o a refletir sobre suas prática pedagógica; o quarto capítulo trata do importante papel da psicopedagogia na aprendizagem.

CAPÍTULOI - AFETIVIDADE: ALGUNS PRESSUPOSTOS

1.1– Conceito de Afetividade:

A afetividade pode ser definida segundo diferentes perspectivas, dentre outras, a filosófica, a psicológica e a pedagógica. Neste estudo a afetividade é abordada na perspectiva pedagógica, tendo em vista a relação educativa que se estabeleceentre professor e aluno em sala de aula.

A palavra afeto vem do latim "affectur" (afetar, tocar)e constitui o elemento básico da afetividade.

Segundo caracterização da Enciclopédia Larrousse Cultural. (1998), a afetividadeé o conjunto de fenômenos psíquicos em que se manifestam sentimentos, paixões, acompanhados sempreda impressão de dor, insatisfação, agrado ou desagrado, alegria ou tristeza.( p, 156 )

O afeto é a parte de nosso psiquismo responsável pela maneira de sentire perceber a realidade. A afetividade é, então, a parte psíquica responsável pelo significado sentimental de tudo que vivemos. Se algo que vivenciamos está sendo agradável, prazeroso, sofrível, angustiante, causa medo ou pânico, ou nos dá satisfação, todos esses conceitos são atribuídos pela nossa afetividade. A afetividade é impulsionada pela expressão dos sentimentos, das emoções, e desenvolve-se por meio da formação do sujeito.

Podemos constatar que o amor, carinho, compreensão, respeito, amizade, afeto, solidariedade, atenção e companheirismo têm uma forte chance de constituir o núcleo central da representação da afetividade. A concepção de afetividade em relação professor/aluno evidencia que ela emerge como um sentimento, uma atitude, um estadoe uma ação. Enquanto sentimento, a afetividade aparece no discurso dos participantes de duas maneiras: primeiro concebida com amor, carinho e afeição entre as pessoas, trata-se de um sentimento que nasce na interação entre os seres humanos na relação interpessoal. A afetividade é um estado de afinidade profunda entre os sujeitos. Assim, na interação afetiva com outro sujeito, cada sujeito intensifica sua relação consigo mesmo, observa seus limites e, ao mesmo tempo, aprende a respeitar os limites do outro. A afetividade é necessária na formação de pessoas felizes, éticas, seguras e capazes de conviver com o mundo que a cerca. No ambiente escolar afetividade é além de dar carinho, é aproximar-se do aluno, saber ouvi-lo, valorizá-lo e acreditar nele.

As psicólogas Cláudia Davis e Zilma de Oliveira em seus estudos retratam que,

A presença do adulto dá a criança condições de segurança física e emocional que a levam a explorar mais o ambiente e, portanto a aprender. Por outro lado, a interação humana envolve também a afetividade e a emoção como elemento básico. (1998:83:84).

De acordo com o exposto as emoções estão presentes quando estabelecemos relações com objetos físicos, concepções ou outros indivíduos. Afeto e cognição constituem aspectos inseparáveis, presentes em qualquer atividade. A afetividade se estrutura nas ações dos indivíduos. O afeto pode, assim, ser entendido como energia necessária para que a estrutura cognitiva possa operar. Ele influencia a velocidade com que se constrói o conhecimento, pois, quando as pessoas se sentem seguras, aprendem com mais facilidade.

Segundo Morales (1998:61) "a conduta do professor influi sobre a motivação, afetividade e a dedicação do aluno ao aprendizado". Podemos reafirmar que o aluno se vê influenciado por sua percepção em relação ao professor. O professor deve sempre reforçar a autoconfiança dos alunos, manterem sempre uma atitude de cordialidade e de respeito.

1.2– Afetividade segundo Henri Wallon

     Para Henri Wallon, a evolução afetiva está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento cognitivo, visto que difere sobremaneira entre uma criança e um adulto, supondo-se a partir disto que há uma incorporação de construções de inteligência por ela, seguindo a tendência que possui para racionalizar-se.

Observamos, portanto, a inigualável importância dos aspectos afetivos para o desenvolvimento psicológico, é por meio das emoções que o aluno exterioriza seus desejos e vontades. Em geral são manifestações que expressam um universo importante e perceptível, mas pouco estimulado pelos módulos tradicionais de ensino. A emoção é altamente orgânica, altera a respiração e os batimentos cardíacos, causa impacto no outro e tende a propagar-se no meio social. A afetividade é um dos principais elementos do desenvolvimento humano. Conforme as idéias de Wallon (2003), a escola infelizmente insiste em imobilizar a criança numa carteira, limitando justamente a fluidez das emoções e do pensamento tão necessária para o desenvolvimento completo da pessoa.

Falar de afetividade na relação professor/aluno é falar de emoções, disciplina, postura do conflito do eu e do outro. Isto é uma constante na vida da criança, em todo o meio do qual faça parte, seja a família, a escola ou outro ambiente que ela freqüente estas questões estão sempre presentes.

[...]

 
Download do artigo
Revisado por Editor do Webartigos.com
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Sou professora do 1º ao 5º ano, pedagoga e diretora da rede pública de Paracambi.
Membro desde abril de 2010