Administração De Recursos Humanos
 
Administração De Recursos Humanos
 


Francisca Elisângela Pedrosa Mendes[1] 

O ambiente de recursos humanos, hoje, considerado por vários autores como vasto e complexo, representa todo um universo que envolve externamente uma organização. É tudo aquilo que está situado fora da organização. É a própria sociedade, constituída por outras empresas, organizações, grupos sociais etc.

As organizações são estruturadas pelo o homem para se adaptarem a circunstâncias ambientais, a fim de alcançarem objetivos que façam delas eficazes e com condições de sobrevivência e crescimento.

O ambiente de recursos humanos, direcionado para as organizações e sua estrutura, é um contexto externo que apresenta uma enorme variedade de condições extremamente variáveis e complexas, que as organizações precisam discernir para reduzir a incerteza a seu respeito.

Conforme o sistema de mapeamento ambiental[2] de Idalberto Chiavenato[3], existe três dificuldades: a seleção ambiental, quando as organizações selecionam seus ambientes e passam a visualizar na estrutura exterior, apenas uma pequena porção de todas as inúmeras variáveis ambientais possíveis, a participar realmente do contexto da organização; a percepção ambiental, quando as organizações percebem subjetivamente seus ambientes de acordo com suas expectativas, suas experiências, seus problemas, suas convicções e suas motivações; e os limites ou fronteiras, que são as linhas imaginárias que definem o que é a organização e o que é o ambiente, e servem para delimitar ou reparar a organização do contexto[4] ambiental que a envolve.

As organizações vivem em um mundo humano, social, político e econômico em constante mudança. Daí o conceito de o ambiente ser extremamente multivariado e complexo.

Segundo Idalberto Chiavenato, para uma melhor compreensão sobre o que constitui o ambiente de recursos humanos de uma organização, é necessário dividi-lo em duas partes: o ambiente geral (comum a todas as organizações) e o ambiente de tarefas (específico de cada organização)[5].

O ambiente geral constitui variáveis tecnológicas, políticas, econômicas, legais, sociais, demográficas, ecológicas.

O ambiente de tarefas ou específico, diferente do geral, é constituído pelas outras organizações, instituições, grupos e indivíduos com quem uma determinada organização mantém interface[6] e diretamente interada para operar.

É o contexto ambiental que fornece a uma organização as entradas ou insumos[7] de recursos e informações, e distribuição de saídas ou resultados.

Sabe-se que os ambientes organizacionais, como os demais ambientes, tornam-se "doentes" a partir de práticas de ARH[8] que não levam em conta o aspecto humano do negócio, como também valorizam em primeiro lugar apenas a produtividade esquecendo-se do trabalhador, ou seja, de suas necessidades humanas.

Até porque, num mundo, onde o trabalhador está cada vez mais escolarizado e as organizações estão obrigadas a competir globalmente, é importante pensar que as empresas terão melhores resultados, se trabalharem com colaboradores com significativa autonomia, engajados e felizes. Neste ponto exige-se uma estrutura de ARH pró-ativa e estratégica, a fim de permitir que "a toxidade das emoções[9]" definida por Peter Frost, seja minimizada e/ ou eliminada do corpo da organização.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário eletrônico Aurélio da língua portuguesa. Software. Versão 05. Curitiba: Positivo Informática Ltda., 2004.

CHIAVENATO, IDALBERTO,1936. Administração de Recursos Humanos: fundamentos básicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

FROST, Peter. As emoções tóxicas no trabalho. Editora Futura. São Paulo.


[1] Acadêmico do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual Vale do Acaraú.

E-mail: [email protected]

[2] Mapeamento ambiental: Tatear, explorar e discernir o ambiente da organização, para reduzir a incerteza a seu respeito. (Chiavenato, Idalberto, 1936. Administração de Recursos Humanos: fundamentos básicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003).

[3] Chiavenato, Idalberto, 1936. Administração de Recursos Humanos: fundamentos básicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. P. 54 a 55.

[4] [Do lat. Contextu] Aquilo que constitui o texto no seu todo; composição. (FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário eletrônico Aurélio da língua portuguesa. Software. Versão 05. Curitiba: Positivo Informática Ltda., 2004.).

[5] Chiavenato, Idalberto, 1936. Administração de Recursos Humanos: fundamentos básicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. P. 55 a 59.

[6] [De inter- + face; ingl. interface.] 3. Meio que promove a comunicação ou a interação entre dois ou mais grupo. (FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário eletrônico Aurélio da língua portuguesa. Software. Versão 05. Curitiba: Positivo Informática Ltda., 2004.).

[7] [Trad. Do ingl. Input, por analogia com consumo.] 1.Econ. elemento que entra no processo de produção de mercadores ou serviços: máquinas e equipamentos, e equipamentos, trabalho humano, etc.;fator de produção.(FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário eletrônico Aurélio da língua portuguesa. Software. Versão 05. Curitiba: Positivo Informática Ltda., 2004.).

[8] Administração de Recursos Humanos.

[9] FROST, Peter. As emoções tóxicas no trabalho. Editora Futura. São Paulo.

 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Francisca Elisângela Pedrosa Mendes
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Nascida na cidade de Sobral no Estado do Ceará; Filha de Raimundo Eduardo Mendes e Rosa Maria Pedrosa Mendes; Reside atualmente na cidade de Tianguá no mesmo Estado; Aluna da Faculdade de Ciencias Contábeis na Universidade Estadual Vale do Acaraú.
Membro desde janeiro de 2008
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: