A origem dos escravos africanos em sergipe
 
A origem dos escravos africanos em sergipe
 



A origem dos escravos africanos em Sergipe
Por Hédila Maria Alves dos Santos Santana
e-mail:[email protected]



Na maioria das pequenas capitanias, assim como em Sergipe, não há fontes específicas para que possamos aprofundar um estudo sobre a procedência dos africanos que chegaram à Sergipe; embora saibamos que estes vieram pelos portos da Bahia e de Pernambuco.
A captura acontecia no interior do continente africano, em seguida eram trazidos para o ponto de embarque no litoral.

Composição Demográfica dos Escravos de Sergipe
Segundo a Origem e cor (1785)


AFRICANOS

Congo-Angola
Angola: 197
Congo:2
Benguela: 6


Total 276 (34%)

Costa do ouro Golfo Benin
Mina: 67 Gegê: 4

NACIONAIS

Crioulos: 340
Mulatos: 144
Mestiços 33
Cabras:19


Total: 538 (66%)

Fonte: "Sergipe Del Rey. População, Economia e sociedade". Luiz Mott (1986:143/144).

Conforme a maioria dos escravos sergipanos vinha do Congo - Angola, porém havia a presença de sudaneses da costa da Guiné
Percebe-se que foi somente no começo do século XIX que se registrou um número mais significativo de escravos, o que nos faz acreditar que foi a fase de mais rápido crescimento dos engenhos.
Neste mesmo período calcula-se que os escravos chegaram a representar mais de 1/3 dos habitantes de Sergipe. Todavia este índice de negros em comparação aos homens livres ficou numa faixa de 20%.







Crescimento da população Livre e escrava

População Livre População Escrava Total

1707 ? 1802 ___ ___ 3,2
1802 ? 1854 2,7 1,6 2,3
1854 ? 1888 2,8 menos 5,2 2,2

Fonte: Luiz Mott (1986)

Com o fim do tráfico negreiro, a proporção de escravos livres em 1850 havia sido 25,5%. Em 1869, os cativos representaram 17,9% do total da população sergipana.
Com a extinção do trabalho escravo houve uma redução para 5,6% devido a vários fatores, a exemplo das leis que emanciparam algumas classes de cativos.



? O escravismo em Sergipe

No inicio do século XIX, Sergipe tinha sua economia subordinada à Bahia, da mesma forma como aconteceu em outras províncias do Brasil.
A cultura canavieira começou a ganhar importância econômica somente a partir do século XVIII; contudo nesta mesma época a pecuária ainda era o suporte econômico de Sergipe.
De acordo com Santos (1998, p.23)
... o gado cedeu lugar à cana-de-açúcar, penetrando para o interior, invadindo as terras do agreste e do sertão semi-árido, ajudando a fixação do colonizador. Mas, pouco a pouco, os canaviais começaram a ocupar os vales férteis; com eles, emergem e proliferam engenhos. A cana floresceu, sobretudo, nas áreas de solos ricos como o massapé, que compreende a zona drenada pelo rio Sergipe e seus afluentes, Cotinguiba e Jacarecica, constituindo-se na mais tradicional atividade econômica do estado. A cana-de- açúcar exigiu braços, sendo crescente a importância do africano, como mão-de-obra escrava.
Para tanto a entrada dos primeiros cativos em Sergipe para trabalharem como escravos nos engenhos e fazendas aconteceram no século XVIII; estes cativos vinham principalmente do porto de Salvador, em direção à Vila de Estância, lá eram vendidos para os proprietários de engenhos e outros colonos da Capitania.
É importante enfatizar o tratamento dado aos escravos sergipanos. O historiador sergipano Corrêa (2005, p.43), nos diz que: "Os escravos da província de Sergipe eram muito mal tratados e explorados, alguns pareciam cadáveres seminus, magros e abatidos, com os corpos marcados por cicatrizes provocadas pelos castigos dos feitores".
De acordo com os estudos feitos por Luiz Mott (1986), em anuncio de jornais sergipanos, que tratam sobre a fuga de negros ele enfatiza que, Dom Marcos de Souza, na época vigário de Siriri, dizia que os escravos sergipanos recebiam o melhor tratamento dos seus senhores em comparação aos de outras regiões nordestinas, o que era decorrência do capital que significavam para o proprietário prejuízo trazido pela perda de um deles.
Ainda sobre este mesmo assunto retratou em suas pesquisas as historiadoras sergipana Thétis Nunes e Lenalda Andrade (1998).
É evidente que há divergências entre os historiadores e o vigário a cerca do tratamento dos escravos; assim como outros estudiosos do assunto.
Sabemos que os africanos trabalharam duramente nos engenhos e fazendas de gado para o desenvolvimento da Província de Sergipe, que houve a distinção de tratamento entre os senhores de escravos e sergipanos, com relação aos de outras províncias, não significa dizer que estes cativos eram livres, ou mesmo, que sua jornada de trabalho era reduzida. A mão de obra escrava foi largamente utilizada pelos seus senhores, tanto na zona rural como na zona urbana



Referências Bibliográficas

CORRÊA, Antônio Wanderley de Melo: Sergipe nossa História: Ensino Fundamental ? Aracaju: Info Graphic, 2005.
MOTT, Luiz Roberto de Barros, Sergipe Del Rey; População economia e sociedade. Aracaju; Fundesc,1986.
MUSEU do Homem Sergipano ? O Negro em Sergipe. Disponível em http//www.aracaju.com/museu/negrosergipe. Acesso em 20 de fev. 2010.
NUNES, Maria Thétis Sergipe Colonial II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.
NUNES, Maria Thétis Sergipe Colonial II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.
NUNES Maria Thétis Sergipe Provincial II 1820 ? 1840: Rio de Janeiro: Tempo
Brasileiro.SANTOS, Lenalda Andrada; Oliva, Teresinha Alves ? Para Conhecer a História de Sergipe. Aracaju, Opção Gráfica, 1998.
 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Hédila Maria Alves Dos Santos Santana
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Eu me chamo Hédila Maria, moro em Sergipe, na cidade de Carmópolis. Sou pedagoga e licenciada em História pela Universidade Tiradentes, especialista em Cultura Afro-brasileira pela FIJ (RJ). Atualmente sou tutora da UNITEAD dos cursos de História e de Pedagogia, professora de história da rede estadu...
Membro desde novembro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: