A MULHER ROMÂNTICA EM AMOR DE PERDIÇÃO
 
A MULHER ROMÂNTICA EM AMOR DE PERDIÇÃO
 


Normal 0 21 false false false MicrosoftInternetExplorer4 /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin:0cm; mso-para-margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-ansi-language:#0400; mso-fareast-language:#0400; mso-bidi-language:#0400;}

A MULHER ROMÂNTICA EM AMOR DE PERDIÇÃO*

 

 

Elma Santos Souza**

Rafaela Silveira de Menezes

 

RESUMO

 

Objetiva-se no presente artigo, apresentar uma discussão a respeito da obra romântica portuguesa AMOR DE PERDIÇÃO, mas precisamente o papel da mulher no romantismo a fim de compreender a personagem Teresa de Albuquerque, e sua postura romântica diante de um amor correspondido, porém proibido, visto que o casal pertencia a famílias rivais.

 

 

PALAVRAS-CHAVE

 

Papel da mulher; romantismo; Amor de Perdição; Teresa.

 

 

Que é o romantismo? Mais do que qualquer outro movimento estético, é impossível dizê-lo em poucas palavras, 1) porque seu contorno, extremamente irregular e movediço, abarca não raro tendências contraditórias ou contrastantes, 2) porque corresponde a muito mais do que uma revolução literária: sendo mais uma nova maneira de enfrentar os problemas da vida e do pensamento, implica uma profunda metamorfose(...) ( MOISÉS, 2005:116).

 

 

A mulher, entre os românticos, aparece convertida, em anjo, em figura poderosa, inatingível, capaz de mudar a vida do próprio homem. (Idem, ibidem, 224).

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

O Romantismo surgiu como expressão literária no recém inaugurado ciclo ideológico Português no qual o país estava passando por um momento crítico de aceitação da reforma romântica, haja vista que, este novo estilo literário originou-se na Alemanha em 1825, e foi introduzido em Portugal com a publicação do poema Camões de Almeida Garret como uma espécie de biografia sentimental do poeta soldado.

 

____________________

­­* Artigo apresentado a Prof.ª Mirian, do componente curricular Aspectos da Literatura Portuguesa, do curso de Letras Vernáculas, da Universidade do Estado da Bahia  UNEB, Campus XXI, como requisito para complementação de nota.

*Acadêmicas do VI Semestre, vespertino.

Dois acontecimentos da história européia marcaram o período em que se desenvolveu o Romantismo: a Revolução Industrial e a Revolução Francesa. Juntas, provocaram o fim do absolutismo na Europa e incentivaram a livre iniciativa, o individualismo econômico e o liberalismo político, estimulando também o nacionalismo.

 

As primeiras manifestações românticas surgiram quando alguns escritores passaram a falar da natureza e do amor num tom bem pessoal e melancólico, fazendo da literatura uma forma de desabafo sentimental.

 

O Romantismo é assim caracterizado pelo vocábulo romântico traduzindo a existência de um condimento feminino na atitude romântica, revelado pela vaidade das mulheres e, por características dele decorrentes ao culto da razão, do coração, do sentimentalismo, em que este é contraditório e leva ao desequilíbrio estético, pois o romântico acaba por senti melancolia e tristeza que conduzem ao mal do século.

 

Desse modo o que se pretende demonstrar neste artigo é a relação sobre o papel da mulher romântica enfatizando a personagem Teresa, exemplo de amor e determinação crendo na eternidade como a única maneira de ser feliz ao lado do amado.

 

Como suporte teórico, oito textos base nos orientará na construção do artigo: CUNHA, Helena (1999), DEL PRIORE, Mary (1997), DEL PRIORE, Mary (1989), JÚDICE, Nuno (1986), MOISÉS, Massaud (2005), MOISÉS, Massaud (2006), SAMUEL, Rogel (2002), SARAIVA, Antonio José (2008).

 

O nosso artigo está dividido em três seções: A primeira intitulada O PAPEL DA MULHER ROMÂNTICA, na qual analisaremos a figura feminina na obra supracitada numa abordagem a respeito do seu papel na sociedade da época. Na segunda seção, TERESA: A MULHER ROMÂNTICA, em que nos ateremos a personagem feminina e a sua obstinação pelo amor que versa a eternidade.

 

A edição que utilizamos para a elaboração deste artigo foi CASTELO BRANCO, Camilo. Amor de Perdição. Klick editora, 1997.

 

1- O PAPEL DA MULHER ROMÂNTICA

 

 

A mulher era vista pelos escritores românticos como um ser distante, que era idealizado por aquele que amava. Esta idealização era expressa nos elogios de que era objeto e na sensação de que não se era digno de merecer o amor desta mulher. No período romântico a mulher vivia essencialmente no ambiente doméstico, ou como ajudante nos ambientes sociais, acompanhando o cavalheiro, servindo-lhe de adorno. As leituras femininas circunscreviam-se, em sua maioria, aos romances franceses, enquanto os homens aventuravam-se pela política, pela filosofia e pelas ciências em geral.

 

 

A Revolução Industrial trouxe uma série de transformações para a humanidade algumas boas e, outras ruins. Um dos aspectos negativos foi à corrida imperialista entre as potências industrializadas, tendo como conseqüência as guerras geradas pelas disputas de territórios. O aspecto positivo é que, com as guerras, a mulher passou a ser novamente uma personagem importante nas nações beligerantes, já que foi a partir deste acontecimento que elas começaram a conquistar o seu lugar no mercado de trabalho, mas esta luta não foi fácil e necessitaram de alguns séculos à frente para que isso tornasse uma realidade circunstancial.

 

 

 

É dentro dessa conturbada atmosfera que se deve compreender o aparecimento do romantismo, expressão literária do recém-inaugurado ciclo ideológico. Enquadrado em momento tão crítico para a história de Portugal, entende-se porque a aceitação da reforma romântica não foi pronta nem calorosa: só a acalmia trazida pela Regeneração permitirá o florescimento do ideário romântico entre os letrados portugueses. (MOISÉS, Massaud. 2005:112)

 

 

Neste período, a obra intitulada Amor de Perdição surge como forma de representar esta nova fase da literatura portuguesa podendo ser considerada como a obra-prima do chamado Ultra- Romantismo. Nesta novela Camiliana passional e exemplar pela temática, o escritor Camilo Castelo Branco levou as ultimas conseqüências a ideia de submeter à vida aos ditames do sentimento. A obra trata do amor impossível e discute a oposição entre a emoção e os limites impostos pela sociedade à realização dos ideais românticos. Na história o mesmo amor que redime resulta em morte.

 

 Considerando que Camilo Castelo Branco escreveu a história em Portugal do século XIX e que a obra pertence ao Romantismo Português é importante salientar a existência de uma característica predominante para a época e que vem reforçar o papel da mulher na sociedade deste tempo. Atentemo-nos para a idealização da mulher que na obra estudada é emoldurada por Teresa.

 

 

 

A mulher é indissociavelmente ligada ao conhecimento de amor ocupando um lugar de destaque. De certo modo, ela foi uma testemunha da dualidade romântica. Ora a mulher era representada com graciosidade e delicadeza, em harmonia com os princípios árcades, ora sob o signo de um amor que parece ignorar a ordem racional, aproximando-se do romantismo. Nesse sentido, o sentimento amoroso vincula-se quase sempre ao sofrimento, oriundo da indiferença da mulher amada ou do ciúme que ela desperta.

 

Almeida Garret afirma que os sofrimentos e as privações são características da índole feminina, haja vista, para um sentimento mais fino, apurado e sensível que transcende a literariedade no mais delicado objeto artístico.

 

A mulher camiliana é fundamentalmente representada por sua ambigüidade, essa maneira de lidar no conceito que Castelo Branco tinha de felicidade amorosa. Ele entendia que os períodos felizes causariam de maneira inevitável a consciência de sua fugacidade, fazendo com que fossem vividos em duas circunstâncias; o hoje, em que se tem a posse da mulher amada, e posteriormente, o momento em que a separação seria fatal. Salientamos também que o caráter excepcional da personagem evidencia indiscutivelmente ao perfil feminino romântico.

 

 

3-TERESA: A MULHER ROMÂNTICA

 

 

 

 

 

Adolescente de 15 anos, bonita e bem nascida. Aparentemente frágil, porém, com forte caráter, ela contraria seu pai em nome do seu amor. Portanto a coragem, que caracteriza as heroínas, rompe com os desígnios da sociedade e de sua família em defesa dos seus sentimentos.

 

A personagem Teresa, é vista como a heroína romântica, pois apesar de frágil ela opõe-se firmemente ao destino que a família quer para ela, mas se vê obrigada a cumprir as ordens do pai, o dominador Tadeu de Albuquerque. Obstinada e apaixonada, luta para não se casar com o primo Baltasar Coutinho e troca cartas com Simão, na tentativa de acalmar a chama da paixão. Marginalizada e enclausurada num convento, reflete a fé na justiça divina e as injustiças cometidas em função dos preconceitos da época, que se interpunham entre ela e a felicidade que não se realiza. Por isso, a única certeza de que Teresa tem é que só será feliz com Simão Botelho na eternidade em que não haverá ninguém que a impeça de viver esse amor.

 

Diante de inúmeras características, para Cândida Vilares Gancho esse tipo de personagem é denominado de personagem redondo, por possuir uma variedade de características (física, psicológica, social e etc.).

 

As cartas trocadas entre os apaixonados protagonistas, inseridas no livro, são um importante recurso retórico que intensifica o teor passional e dramático da história. Trazendo emoções e confissões de Simão e Teresa, os textos se transformam também em narradores. Amor de Perdição é, portanto, uma obra que possui múltiplos narradores. Deve-se destacar também o pessoalismo do narrador-autor, que volta e meia interfere para julgar ou ponderar, mostrando comoção ou indignação. Mas sem se alongar demais nas suas digressões a ponto de prejudicar a ação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Com este estudo, tornou-se possível fazermos uma análise mais profunda a respeito da obra Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco. Este não se restringe apenas a própria obra, pois ao lançarmos um olhar retrospectivo sobre sua produção literária, constatamos que sua mulher romântica refere-se aos fatos sociais intrínsecos à realidade distinta. Ou seja, as mulheres camilianas eram idealizadas e deusas intocáveis, às vezes pelo sentimento do amor e outras pelo sentimento divino.

Assim tentar analisar um texto é uma das maneiras mais ousadas de desmistificar o universo alheio. Sim, porque o texto não é um produto estático, está sempre em transformação. Percebemos ainda por meio da obra camiliana que as partes são tão importantes quanto o todo, já que nos permite aos poucos entender as ideologias que, permeiam as estruturas textuais.

Por meio deste, estudamos o universo feminino e seus papéis ao logo dos séculos sendo uma maneira de percebermos o quanto o mundo evoluiu, juntamente com a possibilidade de uma transformação democrática. Visto que, a mulher ao longo do tempo conquistou o seu espaço no meio social, político e cultural, porque não tiveram medo de insistir, de serem queimadas vivas, ou condenadas pela inquisição. Hoje a mulher está neste patamar porque um dia ousou e deixou-se ousar pelo desejo de conquista e liberdade.

 

 

 

 

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

 

CUNHA, H. P. (Org.). Desafiando o cânone: aspectos da literatura de autoria feminina na prosa e na poesia (anos 70/80). Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1999.

 

MOISÉS, Massaud. Preliminares. In:_ A Literatura Portuguesa através dos textos. 30 ed. São Paulo: Cultrix, 2006, p.251-261.

 

MOISÉS, Massaud. Romantismo. In:_ A Literatura Portuguesa. 33ed. São Paulo: Cultrix, 2005, p. 111-134.

 

 

SAMUEL, Rogel. A crítica feminina. In:_ Novo Manual da Teoria Literária. 2 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002, p. 142-149.

 

SARAIVA, Antonio José. Romantismo. In:_ História da Literatura Portuguesa. 17 ed. Porto: Porto Editora, 2008, p. 654-670.

 

 

 

 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Elma Santos Souza Quinto
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Graduada em Letras Vernáculas pela Universidade do Estado da Bahia-UNEB,campus XXI-Ipiaú. Pós-granduanda em Docência do Ensino Superior (Instituto Pró-Saber) e Literatura e linguagens: o texto infanto-juvenil (UNEB).
Membro desde maio de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: