A Ldb E A Educação Do Campo
 
A Ldb E A Educação Do Campo
 


As adversidades não são identificadas com o propósito de se permanecer na inércia. Ao se analisar quais os passos a serem dados objetivando uma educação do campo, parecem-nos que a ação deveria começar por uma pedagogia da escuta, escutar os maiores interessados: educandos, funcionários, professores e comunidade. Considerando, pois, que estes são sujeitos e não objetos do processo.

Neste sentido, estamos pensando numa política de descentralização em que o maior campo decisório seria na própria escola. Uma política capaz de vincular as práticas de educação a um projeto popular de desenvolvimento. Em busca desse que fazer, deve-se ter um cuidado especial com a formação de professores.  Contudo, o foco nos professores se justificaria não porque estes são culpados por todos os males na educação, mas pelo potencial que se encontra nesses profissionais, nem só como articuladores, mas instigadores e  também provocadores, necessários ao rompimento de velhas práticas.

Há que se pensar uma imagem de identidades para o educador do campo conduzidas pela promoção de espaços de formação e valorização profissionais. Por isso, se os professores não podem ser trabalhadores rurais, que sejam pessoas sensíveis às causas locais. Dizemos isso porque é sabido que em alguns municípios é muito comum que as escolas do campo se destinem os não desejados no meio urbano.

No que concerne ao tipo de formação almejada deve-se ter em conta primeiro aquela que atualmente habilita e que deveria qualificar, ou seja, a educação superior.  Para esta é necessário evidenciar a carência de espaço em seus currículos a prática pedagógica contextualizada. Segundo, a continuada que na prática tem sido pontual, a custa dos horários de folgas dos professores e coordenados por consultorias que nada ouvem, apenas apresentam seus moldes prontos.

5. CONCLUSÃO

Muitas são as demandas de mudanças, mudanças que muitas vezes dependem de uma reestruturação do sistema educacional como um todo, adaptações não são ideais, contudo, como diria Paulo Freire (2000, p.79), elas podem servir de tática na luta política.  Daí considerarmos como avanço o reconhecimento da necessidade de uma política específica para educação do campo registrada na Lei de Diretrizes e Bases que vem corroborar com a menção de metas visando o meio rural no Plano Estadual de Educação, com a diferenciação valor aluno urbano/rural estipulada pelo FUNDEF e com a publicação das Diretrizes Operacionais Para Educação Básica nas Escolas do Campo. Também é um avanço a aproximação da academia, ainda que tímida, refletida na quantidade de estudos e na interiorização de campi universitários.

Quanto as amarras, parece-nos que todas se inserem naquilo que podemos chamar de choques de culturas, entre aqueles que vêem a história como possibilidade e os que a têm como determinação. Entre o global e o local, entre municípios, estados e federação. Frente a estes choques há pelo menos dois perigos: o da generalização de políticas macro destinadas ao micro e o da radicalidade dos localismos, onde o imobilismo nada mais é que a descrença ou a resistência a ambos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BAHIA. Plano Estadual de Educação da Bahia. Secretaria da
Educação. Salvador, Ba: Sec. 2005. p. 69-74.

BARROSO, João. Políticas Educativas e Organização Escolar.
Lisboa:Universidade Aberta, 2005.

BOFF, Leonardo. A águia e a galinha, a metáfora da condição
humana
. 40 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

BRASIL, "Lei nº 9.394, de 20.12.96,
Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional" In: Diário
Oficial da União, Ano CXXXIV, nº 248, de 23.12.96, pp.
27.833-27.841.

CANDEAS, Alessandro Warley. Cultura
e Desenvolvimento: em busca da humanização do crescimento econômico
in Bastos Filho, Jenner B. Amorim,  Nadia F. M. Lages,
Vinicios Nobre org CULTURA e desenvolvimento: a sustentabilidade
cultural em questão. Maceió: Editora Universitária/UFPE, 1999. 68 p

FREIRE, Paulo. Política
e educação:
ensaios. 3. ed São Paulo: Cortez, 1997. 119 p

FREIRE, Paulo. Pedagogia da
esperança:
um reencontro com a pedagogia do oprimido. 6. ed São Paulo: Paz e Terra, 1999. 245 p

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação:
cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo, SP: Ed. UNESP, 2000. 134 p

MEC Ministério
da Educação ON-LINE. http://www.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Fundebef/fundef_06_ba.pdf
 em 08.07.2006.

RESAB
Rede de Educação no Semi-árido. Educação para a Convivência com o
Semi-árido:
reflexões teórico-práticas. Juazeiro, Ba: Secretaria Executiva,
2004. 127p.

SAVIANI,
Dermeval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas.
2.ed. rev Campinas, SP: Autores Associados, 1997. 242 p

 
Avalie este artigo:
3 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também