A IMPOTÂNCIA DA GESTÃO DO PATRIMÔNIO PARA O BOM FUNCIONAMENTO DA ESCOLA
 
A IMPOTÂNCIA DA GESTÃO DO PATRIMÔNIO PARA O BOM FUNCIONAMENTO DA ESCOLA
 


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAL EDUCAÇÃO CCSE




A IMPOTÂNCIA DA GESTÃO DO PATRIMÔNIO PARA O BOM FUNCIONAMENTO DA ESCOLA

Willy da Silva Tavares

INTRODUÇÃO:

Em um mundo capitalista em constante evolução tecnológica, onde a cada dia, novos meios de comunicações são desenvolvidos (exemplos, TV, rádio e internet), para que o homem possa ter contato maior com as informações. Visto que em décadas anteriores não dispunhava de tal ferrametas para facilitar sua interação com o mundo.

Como o Brasil que está se desenvolvento, sua educação deve acompanhar o seu crescimento, mudando a forma tradicional do ensino no país. Na área de educação a escola assume a responsabilidade de transmitir conhecimentos. Porém no mundo globalizado uma nova concepção lhe é agregada passando a assumir uma forma diferenciada de atuação, renovando sua postura, passando a transmitir um nível de conhecimento mais elevado preparando os alunos a serem mais criativos e pensantes, formando assim cidadãos mais críticos e comprometidos com a obtenção de resultados demandados pela sociedade da informação e do conhecimento.

Em um momento em que a escola é tão criticada por seus aspectos conservadores, faz-se tão requisitada e necessária, diante de um mundo que exige maior especificação técnica e mão de obra qualificada.
A getão da escola deve-se adequar ao mundo que faz parte, que busque as soluções para abrigar dentro de seu meio a sociedade que hoje a considera desinteressante, revendo seus métodos, seus campos de atuação, ou seja, é preciso que a escola se repense, reflita seu papel na sociedade do conhecimento e da informação.

O papel do grupo gestor eleito democraticamente pela comunidade possui um valor incontestável para a realização dessas mudanças, pela aceitação da comunidade e por agregar os valores democráticos ao processo da gestão.

DESENVOLVIMENTO:

Para que uma nova gestão aconteça, os olhares tradicionais impostos na educação, onde o gestor era visto como autoritário, colocando suas opniões como parametros a serem seguidos. Um novo olhar sobre a gestão deve ser administrado por todos que compõem o corpo escolar, como: professores, integrantes do corpo ténico da escola e a sociedade como um todo.

Desenvolver a coletividade na escola é contribuir para uma educação participativa, onde todos estão apar dos intereses e assuntos que são desenvolvidos no ambiente escolar. Pois, segundo LUCKE (1999), o êxito de uma organização depende da ação construtiva de seus componentes, pelo trabalho associado. Enfatizando a importância da coletividade na gestão democrática escolar, Dinair Leal da HORA assim expressa:
A possibilidade de uma ação administrativa na perspectiva de construção coletiva exige a participação de toda a comunidade escolar nas decisões do processo educativo, o que resultará na democratização das relações que se desenvolvem na escola, contribuindo para o aperfeiçoamento administrativo-pedagógico (HORA, 2007, pg 49).

Gestão Pedagógica

Uma boa prática pedagógica, que rege resultados e engrandeça o trabalho de uma escola é uma prática bem planejada, que potencializa e articula os talentos de todos que compõem a área pedagógica de uma escola: coordenadores, pedagogos, supervisores e professores, com o acompanhamento e apoio de toda a equipe gestora.
E os bons resultados de uma prática pedagógica eficiente e democrática se dão quando a escola está inteirada e compromissada com a comunidade que dela participa. Como comunidades escolares compreenderam os grupos sociais adjacentes à instituição, cujos estudantes e pais/responsáveis frequentam e participam da escola e da instituição das mais variadas formas. É um fator social que deve ser levado em consideração aos resultados almejados.
A escola como uma instituição que deve procurar a socialização do saber, da ciência, da técnica e das artes produzidas socialmente, deve estar comprometida politicamente e ser capaz de interpretar as carências reveladas pela sociedade, direcionando essas necessidades em função dos princípios educativos capazes de responder às demandas sociais (HORA, 2005, pg 34).

Abrir horizontes para seus estudantes egressos, estimular resultados mais significativos dos estudantes em exames nacionais, vestibulares e concursos devem ser uma preocupação da equipe gestora. Propiciar uma visão de mundo mais abrangente do que a que os estudantes trazem de seu cotidiano e estimular resultados, é oferecer possibilidades para seus estudantes no mercado de trabalho e na sociedade.
Por isso, é preocupação da equipe gestora o aperfeiçoamento e o melhoramento da qualidade do ensino que o seu estudante recebe acompanhar seus resultados e estimular a criação de meios para superação de resultados negativos. Para isto é necessário que se fortaleça o ambiente agradável nas salas de aula que estimule um aproveitamento melhor das atividades pedagógicas assim como também o professor possa participar de atividades destinadas à sua formação continuada.

Gestão Administrativa

A gestão administrativa engloba os cuidados necessários com a parte física da escola zelando pelo prédio e os equipamentos materiais que a escola possui bem como da parte institucional. Suas especificidades estão enunciadas no Plano Político Pedagógico de Gestão Escolar, ou Projeto Pedagógico, bem como no Regimento Escolar. Zelar pelo patrimônio da escola sejam eles físicos ou institucionais é imprescindível para o desenvolvimento e êxito dos resultados escolares, bem como se faz necessário cultivar em cada integrante do processo educacional sejam eles professores, alunos, pedagogos, funcionários, pais ou comunidade em geral o sentimento de responsabilidade e compromisso na busca de resultados mais consistentes e consequentemente mais eficazes, colocando-os como parte integrante desse processo. Além da conservação da estrutura física que é indispensável ao meio escolar, primando pelo espaço-ambiente necessário para o bom desenvolvimento das práticas educativas, norteia-se pelo Plano Político Pedagógico da escola é fundamental para que suas ações, metas e objetivos sejam alcançados em consonância com os interesses da comunidade escolar, bem como embasados pela legislação vigente fazer cumprir os direitos e deveres de todos os que compõem a escola, além de preservar pelo bom funcionamento dos trabalhos de secretaria, intrinsecamente ligados aos resultados por ela produzidos.

Gestão de Recursos Humanos

Podemos nos reportar a gestão de recursos humanos como parte tão importante quanto à gestão pedagógica, gerir pessoas ? alunos, equipe escolar, comunidade, constitui a parte mais sensível de toda a gestão. Sem dúvidas, lidar com pessoas, mantê-las trabalhando satisfeitas, rendendo o máximo em suas atividades, contornar problemas e questões de relacionamento humano, proporcionar um ambiente harmonioso, partilhar o poder através da descentralização até serem tomadas decisões importantes que diretamente irão intervir no cotidiano escolar, no alcance de resultados a fim de proporcionar a satisfação comum.

O Regimento Escolar deve ser elaborado de modo equilibrado, não inibindo demais a autonomia das pessoas envolvidas com o trabalho escolar, nem deixando lacunas e vazios sujeitos a interpretações ambíguas, atuando como guia para indicação dos direitos e deveres de todos que compõem a escola, com o auxilio do regimento a gestão de recursos humanos se torna mais simples e mais justa, primando sempre pela convivência harmoniosa e prazerosa no ambiente escolar como reforça DALMÁS (1994, P. 47)

"... a questão do clima escolar mostrando que não pode haver na escola um clima de hostilidade, de individualismo, de irresponsabilidade e de não envolvimento, pois esses comprometem o andamento do planejamento participativo e que ao invés da construção desse clima deva existir sim, um ambiente de acolhida, aceitação mútua e interesses um pelo outro?,

CONCLUSÃO:

Para que acha uma boa gestão, esta deve ser criada de acordo com as reais necessidades que a sociedade esteja passando, acompanhanhando o seu desenvolvimento e se reiventando. Para que isso aconteça, a escola deve se desvincular do modo tradicional de ensino, onde o gestor é encarado como o único administrar responsável pela instituição, e sim devemos envolver todo o copor técnico da escola. Como: professores, pedagogos, e a sociedade como um todo.
Conquistando uma gestão participativa, onde a comunidade terá um papel importânte e significativo na renovação da instituição. Pois com o apoio da mesma, a escola ficará apar da real necessidade encontrada na sociedade, visto que está tem a sua propria pluralidade, e tem maneiras diferentes de agir e pensar, paticularidades que influênciam no cotidiando do aluno, e determinando a sua personalida, que se caracteriza de acordo com a multiculturalidade que o envolve. E devem ser descobertas e vivenciadas pelo corpo administrativo, principalmete em respeito ao currículo que é repassado ao educando, deve-se levar em consiração a cultura em que ele está inserido, para se conseguir um bom entendimento entre aluno e as materias propostas pela escola.
Criando um companheirismo entre escola e sociedade, facilitará o papel do gestor, tendo este apoio em suas desicões, podendo aos poucos conseguir o a participação ativa de todos os elementos que compõem a sociedade. E todos poderão garantir uma educação de qualidade para os demais cidadões.


















REFERÊNCIAS
BRASIL, Lei 9 394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, MEC. Brasília, 1997.
ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, Normas Básicas para Organização e Funcionamento Administrativo e Pedagógico das Escolas da Rede Estadual de Ensino. Vol. 2 Natal, 2001.
LUCK, Heloísa. Perspectivas da Gestão Escolar e Implicações quanto a Formação de seus Gestores. Artigo da publicação Em Aberto n.72. Brasília: INEP, fev/jun 2000.
HORA, Dinar Leal da. Gestão democrática na escola: artes e ofícios da participação coletiva. 14ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2007.
RIBEIRO, Arilda Inês Miranda. Formação Do Gestor Educacional. São Paulo:Arte e Ciência, 2005
DELGADO, Evaldo Inácio. Políticas educacionais em crise e a prática docente. Canoas, Ed. ULBRA, 2005
ANDRADE, Carlos Alberto Nascimento de. Planejamento educacional, neopatrimonialismo e hegemonia política, RN, 1995-2002. São Paulo: Annablume, 2005
SANTOS, Clóvis Roberto dos. O gestor educacional de uma escola em mudança. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002
http://www.conteudoescola.com.br/site/conteut/veew/42/45.
www.portalensinando.com.br/ensinando/principal/conteudo.









 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Willy Tavares
Talvez você goste destes artigos também