A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO PARA OS PROFESSORES EM FORMAÇÃO
 
A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO PARA OS PROFESSORES EM FORMAÇÃO
 


PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS APLICADAS

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS

ARTIGO: A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO PARA OS PROFESSORES EM FORMAÇÃO

Disciplina 01121  Projeto de Atuação Ensino Ciências Sociais I

Docente  ProfessoraMara Salvucci

Ana Paula Silva L.L. Dreyer  RA 07029952

Caio Zulian  RA 07264500

Fabio de Carvalho Lazzari  RA 02591345

Mateus Rosa Tognella  RA 07382187

Vitório Guazelli de Souza  RA 07071988

Orientação: Professora Mara Salvucci

Campinas

2009

DREYER, Ana Paula S.L.L.; ZULIAN, Caio; LAZZARI, Fabio de C.; TOGNELLA, Mateus R.; SOUZA, Vittorio G.. A importância do estágio para os professores em formação

Orientação: Professora Mara Salvucci

A transformação da Educação brasileira só ocorrerá quando o Estado, na posição de provedor de normas educacionais cobrar das instituições de ensino superior responsáveis pela formação dos educadores, a reformulação de suas propostas curriculares quanto ao tempo de aulas práticas e também da conscientização destes, quanto à importância dos estágios na preparação de um bom profissional. Temos que observar também o papel das entidades educacionais, principalmente as públicas, quanto à cooperação nas práticas de estágio. Este artigo tem como proposta ressaltar como as experiências anteriores à atuação docente definitiva, ou seja, antes do término da graduação possibilitam uma possível perspectiva transformadora no desempenho do professor.

A problemática da formação

Sabemos que a formação de professores também constitui uma problemática na

Educação brasileira; processo negligenciado pelas instituições de ensino superior e pelas políticas educacionais. A docência é encarada muitas vezes como uma atividade de "reprodução cultural", (Bourdieu 1986, 1988; Bourdieu e Passeron, 1977), ou seja, a reprodução de todo um processo de não participação, de não questionamento a respeito das condições sociais, políticas e econômicas e marcada pelo desinteresse e vista como "inferior" pelos estudantes (PCN's, 2006, p.99).

Nas instituições de ensino superior a formação para a docência fundamenta-se quase que integralmente em teoria, perpetuando assim à distância da prática. Mas também devemos observar que a relação entre as entidades educacionais (ensino público) e as instituições formadoras não estabelecem um "espaço institucional para os estágios" (PCN's, 2006, p. 99), para que o futuro professor antes de terminar seu processo de formação, já tenha obtido uma experiência relevante de contato com a sala de aula e com os educandos. Por conta disso, as propostas curriculares do ensino superior, para a formação de professores continuam a manter o distanciamento (teoria/prática) e transformando a inabilidade da construção de "didáticas eficazes" (PCN's, 2006, p.100) num aspecto "naturalizador" da Educação brasileira. Portanto, faz-se necessário observar que para a formação do educador  o estágio  ou seja, seu primeiro contato com a prática antes da atuação profissional concreta, tenha um espaço maior nas propostas curriculares do ensino superior.

A deficiência na formação de professores é uma herança histórica e diferentemente das políticas educacionais anteriores constitui-se fato a preocupação com a formação dos educadores, estando incluído nas Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+), que fazem parte da reformulação educacional do Ensino Médio, baseadas nas Leis de Diretrizes e Bases de 1996, capítulo referente a essa problemática. A proposta dos PCN's esta voltada para a orientação de ação de formação profissional em serviço, conduzida na escola.

Dentro desta reflexão sobre a formação do docente, principalmente aquele que atuará no Ensino Médio, e da fragilidade de sua formação relacionada ao pouco tempo destinado aos estágios, importantíssimos para um desempenho posterior, a fim de não "... perpetuar desigualdades econômicas e sociais ao longo de gerações".(Giddens apud Bourdieu, 2008, p. 413), faz necessária a observação sobre o trabalho pedagógico. Para isso recorremos a Miguel G. Arroyo (2000), em "Oficio de Mestre", para discutir o papel do professor hoje, já que a nova LDB (Lei nº 9394/96) propõe que o conceito de educação deve ser ampliado.

"Artigo 1º - A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais".

Para Arroyo, professores e professoras encontram dificuldades para incorporar a concepção de uma "visão aberta" (Arroyo, 2000) de educação. Historicamente a educação, o processo de aprendizado, assim, como a atividade de docência sempre estiveram ligados a uma hierarquia e a transmissão de conteúdos, não considerando a realidade e o contexto social do educando; a possibilidade da ampliação dos espaços sociais de aprendizagem torna a questão da especificidade do docente latente.

Segundo Arroyo (2000) o que ocorre é que a "imagem social" do educador é abalada, desenvolvendo-se uma insegurança: qual é o meu papel? E a minha formação disciplinar? Mas esses questionamentos segundo o autor, não poderão ser solucionados somente com o esclarecimento a cerca das inovações educacionais; trata-se da identidade do profissional e isso teve ser feito com cuidado e respeito.

"Não é fácil redefinir valores ou pensamentos, práticas ou condutas socialmente incorporadas a nossa personalidade profissional. É uma violência íntima. Exige muito cuidado e respeito. Não se trata de ser a favor ou contra mais uma moda na roupagem pedagógica, de ter consciência crítica ou alienada. Está em jogo o pensar, sentir e ser da gente".(Arroyo, 2000, p. 70).

A vivência da docência antes da atuação profissional através dos estágios e o papel do educador estão relacionados ao objetivo deste artigo, por se tratarem de aspectos levantados em nosso primeiro contato com os alunos e com o ambiente de sala de aula, em oficina temática sobre o "Trabalho: Divisão Social do Trabalho".Podemos perceber que a contextualização da temática a realidade social dos alunos, propiciou uma maior participação e um maior interesse por parte dos alunos, com isso a proposta dos PCN's para uma formação cidadã se confirma.

"Mais do que reproduzir dados, denominar classificações ou identificar símbolos, estar formado para a vida, num mundo como o atual, de tão rápidas transformações e de tão difíceis contradições, significa saber se informar, se comunicar, argumentar, compreender e agir, enfrentar problemas de qualquer natureza, participar socialmente, de forma prática e solidária, ser capaz de elaborar críticas ou propostas e, especialmente adquirir uma atitude de permanente aprendizado".(PCN's, 2006, p. 9).

A contextualização temática a realidade social dos educandos, nos remete à Paulo Freire em seu livro "Pedagogia do Oprimido" que reflete sobre a importância do processo da educação enquanto um meio capaz de unir os homens em busca da liberdade, do ato de tentar libertar-se da opressão, das desigualdades e da exploração, entretanto, os homens devem entender e compreender o seu importante papel enquanto agentes de transformação da realidade; o método que vislumbra superar a atual realidade, portanto deve levar em conta o seu potencial enquanto sujeitos históricos. Não deve o líder se impor sobre as massas, isso é algo tí­pico da elite opressora, o líder da revolução deve acima de tudo buscar construir com as massas a libertação, nada deve ser imposto pela força e também é fundamental acreditar no potencial dos sujeitos que se encontram no lado menos privilegiado do sistema capitalista, pois bem, trata-se obviamente de uma mudança de concepção polí­tica por parte das lideranças que pretendem ser revolucionárias, afinal, no sistema capitalista o que mais interessa para o líder é justamente o contrário, ou seja, ele se utiliza da falta de consciência e de condições dignas de existência das massas para utilizar-se destas como massa de manobra, com a revolução que ocorre é justamente o oposto, o lí­der revolucionário já deve possuir a consciência de que junto com as massas é que se farão a revolução e que os homens não se libertam isoladamente, mas constroem uma nova realidade a partir da crí­tica e da reflexão em conjunto do modelo atual que possuí­mos de sociedade. Desse modo, a necessidade de uma mudança radical no estilo de liderança é essencialmente uma necessidade política com intuito de se promover uma sociedade com relações em todos os sentidos mais horizontais.Quanto à metodologia, é necessário que o educador tenha compreensão de seu papel, dominar fatos e fenômenos e como estes se relacionam e como foram ocasionados (processo histórico) e ter clareza da função da educação, "daquilo que ela faz: educação para quê, a favor de quem, contra quem, que tipo de homem e de sociedade formar, etc, (dimensão política, filosófica)".(Vasconcellos, 2006, p. 25).Nossa experiência se deu com os alunos do 3º ano do Ensino Médio de uma escola pública, localizada na periferia de Campinas. Através da primeira visita realizada na escola com a duração aproximada de 3 horas e o encontro com os professores de Sociologia, foram escolhidos os temas considerados relevantes e que também estão propostos nos PCN's e nas OCN's. O próximo passo foi à atuação docente que se deu em 2 dias, num total de 90 minutos, ou seja duas aulas por dia.O tempo destinado à atuação em nosso processo de formação, mínimo em nossa opinião, nos proporcionou uma grande satisfação, não que concordemos com sua "quase ausência" na matriz curricular, mas devido à distância existente entre a teoria e prática e por se tratar de um curso noturno, ou seja, a dificuldade de alguns alunos de se comprometerem com um tempo maior de estágio.

O que mais nos impressionou durante o estágio, é que tínhamos em mente em relação ao ambiente escolar, principalmente de uma escola pública, um meio hostil e de agressividade, onde o professor assumiria um papel de submissão e medo em relação ao comportamento dos alunos, no entanto o que observamos foi algo totalmente inesperado, contamos com a participação e a disciplina destes e podemos apresentar nossa proposta com tranqüilidade.

A atuação docente como já foi colocado anteriormente é dificultada devido a pouca experiência prática adquirida durante o curso de formação. Procuramos em nossa primeira experiência, nos orientarmos através das OCN'se e dos PCN's, que propõem a formação do cidadão, desenvolver a capacidade de analisar, compreender e situar o indivíduo como componente das transformações sociais, políticas e econômicas. Utilizando-se de Celso dos S. Vasconcellos (2006) e de seu conceito de "alienação da educação", concluímos:

"O professor não tem compreensão do seu trabalho na complexidade que ele implica; está alienado do seu quefazer pedagógico: foi expropriado do seu saber, situação esta que o desumaniza, deixando-o à mercê de pressões, de ingerências, de modelos que são impostos como 'receitas prontas', impossibilitando um trabalho significativo e transformador...".

(p. 25).

Por fim, devemos mais uma vez ressaltar a importância do estágio na formação do professor. Durante esse pequeno contato com a escola, com professores e com os alunos podemos vivenciar na prática como se dá efetivamente à relação entre os sujeitos, além de observar como o papel do educador ainda é importante para a construção da cidadania, mesmo que a realidade social contribua para o "... sofrimento, ao desgaste, ao desânimo, ao descrédito quanto à educação, à acomodação, à desconfiança, chegando mesmo à falta de companheirismo e de engajamento em lutas políticas..." (Vasconcellos, 2006, p.25).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais - Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2006: 7-40, 87-98.

Orientações Curriculares para o Ensino Médio - Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, 2006: 101-133.

ARROYO, Miguel G..Ofício de Mestre: Imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2005

GIDDENS, Anthony. "Trabalho e Vida Econômica". In: Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2008, p.305-340

VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Planejamento: Projeto de Ensino-Aprendizagem e Projeto Político-Pedagógico. São Paulo: Libertad, 2006.

 
Avalie este artigo:
(3 de 5)
12 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Mateus Rosa Tognella
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Formado em Ciências Sociais Licenciatura / Bacharelado, pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP). Período: 2007-2010. Atualmente Preside o Diretório Municipal do PSB (Partido Socialista Brasileiro) de Nova Odessa (São Paulo). Período: Abril 2010 até o Presente Momento. Cursando a ...
Membro desde setembro de 2009
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: