A Importância do Aleitamento Materno
 
A Importância do Aleitamento Materno
 


Marcia Magno
Renata Barbosa
Quizi Klowaski
Ueider Machado

RESUMO

O aleitamento materno tem como principal objetivo favorecer o laço afetivo entre mãe e filho e também combater doenças que nesta fase da vida são combatidas pelos nutrientes que somente o leite materno pode oferecer com segurança. Profissionais da saúde, principalmente enfermeiros são treinados para orientar as mães e ensiná-las a oferecer o seio materno sempre que o bebê quiser. O objetivo deste estudo é identificar os procedimentos e acompanhamento do profissional de enfermagem nos casos de aleitamento materno. Esta pesquisa apresenta-se como descritiva e exploratória. A população envolvida na pesquisa foi composta por enfermeiros perfazendo um total de 15 indivíduos. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário com perguntas abertas e fechadas, validado por professores do escritório de Metodologia e Aprendizagem Ativa (EMAA) do Centro Universitário Celso Lisboa. De acordo com a pesquisa feita com alguns enfermeiros grande parte das dificuldades das mães em aceitar o aleitamento materno é não ter informações adequadas em relação aos benefícios que o aleitamento materno traz ao bebê e a mãe. A ação dos enfermeiros é pautada orientação por meio de conversas e palestras.


Palavras-chave: Aleitamento materno


















1 INTRODUÇÃO


Devido ao grande número de abandonos na prática da amamentação e o aumento da utilização de leites industrializados, iniciou-se na década de 70 um movimento que visava à retomada da amamentação como forma preferencial de alimentar os bebês. Mas para que esse movimento tivesse repercussão, seria necessário conscientizar as pessoas sobre os benefícios que o aleitamento traz tanto para a mãe quanto para o bebê (GIUGLIANI; LAMOUNIER, 2004).
O aleitamento materno é base da sobrevivência para o recém-nascido. Com ele pode-se suprir os aspectos nutricionais, imunológicos e psicológicos do bebê em seu primeiro ano de vida (ALMEIDA; ARAÚJO; FERNANDES, 2004).
É um ato natural e eficaz, mas que depende de muitos fatores, tais como: aspectos sociais, culturais, psicológicos da mãe, do envolvimento, incentivo e conhecimentos dos profissionais de enfermagem, envolvidos na prática do aleitamento materno (ALMEIDA; ARAÚJO; FERNANDES, 2004).
O leite materno é um alimento fundamental para o crescimento, desenvolvimento e a sobrevivência do bebê, pois ele é rico em nutrientes, garante ao bebê uma boa saúde, prolonga a vida e diminui o índice de mortalidade infantil. (SILVA; SOUZA, 2005).
Antes de engravidar a mulher deve ter em mente, a importância de amamentar, os benefícios que provoca e procurar um profissional de enfermagem para uma correta orientação (CARANDINA; FALEIROS; TREZZA, 2006). Esse profissional deve oferecer ainda no pré-natal os conhecimentos, identificar os medos, partilhar experiências vividas, desmistificar os tabus, tirar as dúvidas, promover educação em saúde e garantir conforto e efetividade durante a assistência à mãe no pré e pós-parto para que se inicie uma amamentação, correta, tranqüila e segura. (ALMEIDA; ARAÚJO; FERNANDES, 2004).
Não basta somente as mulheres terem informações sobre as vantagens do aleitamento materno e optarem por esta prática, elas precisam estar acomodadas em um ambiente favorável e contar com a ajuda de profissionais habilitados. Além de conhecer as vantagens da amamentação para o bebê e para a mãe, todo profissional capacitado deve ter o conhecimento sobre o manejo e a prevenção dos principais problemas que ocorrem durante o período de amamentação. (GIUGLIANI; LAMOUNIER, 2004).
Os primeiros dias após o parto, no período que a lactação se estabelece, são difíceis para um aleitamento materno com sucesso e constituem-se como um período de aprendizado para a mãe e de adaptação para o recém-nascido. Nesse período é importante o acompanhamento dos profissionais de enfermagem, pois surgirão várias dúvidas e problemas podendo deixar a mãe vulnerável e insegura. É nesse momento de modificações que a mãe necessita de informações sobre o autocuidado, o aleitamento, o planejamento familiar e os cuidados com o recém-nascido. (ALMEIDA; ARAÚJO; FERNANDES, 2004)
A partir dessas considerações iniciais surge o objetivo que dá origem a este estudo: identificar os procedimentos e acompanhamento do profissional de enfermagem nos casos de aleitamento materno.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o aleitamento materno é exclusivo até seis meses de idade (SILVA; SOUZA, 2005). A partir dos seis meses, os bebês já podem receber outros alimentos, mas é imprescindível que a mãe continue amamentando o seu filho até os dois anos de idade ou mais. Os alimentos complementares e o leite materno juntos são fundamentais para um ótimo crescimento e desenvolvimento da criança. (GIUGLIANI; LAMOUNIER, 2004). Os aspectos sócio-econômicos influenciam as mulheres a adotarem o hábito de amamentar, já que é uma prática que não implica em custo financeiro, além de promover uma rápida recuperação uterina no período pós-parto, diminuir a incidência de câncer de mama e funcionar como um anticoncepcional natural. (ALMEIDA; FERREIRA; NEGRA?SERRA, 1997).
Em contrapartida também são inúmeras as razões para o desmame precoce, pois muitos mitos assombram as mulheres quando se fala em amamentação. O culto a beleza é um dos motivos que levam as mulheres a abandonarem a prática da amamentação achando que os seios ficarão flácidos, que o leite é fraco e não vai sustentar o bebê e algumas outras argumentações que dificultam o aleitamento. O uso de chupetas, mamadeiras também contribui para o desmame precoce (CARANDINA; FALEIROS; TREZZA, 2006).
É importante para a mãe o apoio da família, principalmente do marido, nos momentos difíceis e também para conciliar as tarefas domésticas e vida conjugal. Com a chegada de um bebê no lar a rotina de um casal é totalmente alterada. Também se pode esquecer das avós que exercem uma função de auxiliar a mãe de primeira viagem a cuidar do bebê (NITSCHKE; TEIXEIRA, 2008).
De acordo com (RIOS: VIEIRA, 2007) o Programa de Atenção à Saúde da Mulher (PAISM) lançado no início de 1980 a ênfase é em relação aos cuidados básicos de saúde e é destacada a importância das ações educacionais no atendimento à mulher. Essa é a marca diferenciada em relação ao outros programas.

2 METODOLOGIA
Esta pesquisa apresenta-se como descritiva e exploratória. Para Gil (2006) o estudo exploratório torna familiar o que ainda é estranho ou desconhecido. A população envolvida na pesquisa foi composta por enfermeiros perfazendo um total de 15 indivíduos. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário com perguntas abertas e fechadas, validado por professores do escritório de Metodologia e Aprendizagem Ativa (EMAA) do Centro Universitário Celso Lisboa.
2.1 PROCEDIMENTO DA COLETA DE DADOS
Os dados coletados foram obtidos mediante a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido, caracterizando a participação voluntária dos enfermeiros.

3 ANÁLISE DOS DADOS

A partir do objetivo inicial deste estudo, identificar e analisar o envolvimento do enfermeiro sobre o aleitamento materno, orientações, intervenções nos procedimentos, inúmeros dados foram registrados. A média de idade do grupo abordado correspondeu a 32,5 anos. Em relação ao tempo de atuação na área de aleitamento a média foi de dois anos.
O instrumento de orientação para os pacientes, mais citado pelos enfermeiros foi a consulta de enfermagem, situação na qual os profissionais tem possibilidade não só de atendimento, mas também de aconselhamentos e orientações. Na consulta de enfermagem o profissional de Saúde é um instrumento onde a mulher que procura atendimento busca orientações e para agir com autonomia, decidir e enfrentar situações que ocorram em suas vidas. É nas consultas de enfermagem que é realizada uma ação educativa que visa mostrar a mulher os procedimentos que ela terá que agir em frente a uma dificuldade, tirar sua dúvidas em relação ao aleitamento materno e viver essa experiência de maneira positiva tendo assim o sucesso na amamentação.
Este dado reforça que a consulta de enfermagem é uma forma educativa na qual a mulher que procura atendimento e o enfermeiro, que administra a consulta, pode oferecer um aprendizado de fundamental importância.
De acordo com a pesquisa realizada os profissionais de Enfermagem acham que é de fundamental importância a consulta, pois é nesse momento que terão um contato mais íntimo com a mãe e terão a oportunidade de tirar dúvidas e esclarecer eventuais problemas. As reuniões, segundo os entrevistados, são de muita importância, pois pelo mesmo motivo que a consulta de enfermagem, nelas serão abordados temas importantes com a importância do aleitamento.
Segundo Giuliani e Lamounier (2004) além de se conhecer as vantagens da amamentação e ter o conhecimento sobre o manejo e a prevenção de problemas que ocorrem na amamentação, o profissional de enfermagem dever ter um material de apoio para que as mães e seus familiares absorvam durantes as reuniões e as consultas de enfermagem .
É importante que as mães realmente se sintam motivadas e acreditarem que amamentar seu filho é uma opção que irá beneficiá-lo por toda sua vida. Nas consultas de enfermagem o profissional de enfermagem é capacitado a orientar quantos as medidas que visam o preparo do seio para amamentação e possíveis duvidas decorrente a ela.
As orientações para as mães representam as preocupações de esclarecimento para as mães (FIGURA 1).


Figura 1 ? Orientações para as mães











Para os entrevistados a posição de pega é de fundamental importância na hora da orientação às mães, pois usando a técnica correta a mãe evita acidentes como o engasgo, fissura e mastite. Em relação ao sucesso da adesão ao aleitamento materno é necessário o enfermeiro interagir. Como conseqüência haverá sucesso, havendo também uma boa comunicação, perseverança, dedicação entre outros pontos que contribuem para um bom resultando na área da amamentação (FIGURA 2).
Figura 2 ?Relações entre enfermeiros e mães









O consumo de fórmulas infantis é fato que gera problemas de saúde nos bebês. O conhecimento das últimas décadas evidencia que o leite materno protege contra infecções e alergias, favorece o crescimento e o desenvolvimento da criança. Além disso, diminui o risco de obesidade e diabetes.
Para os entrevistados há algumas diferenças entre crianças que são amamentadas e as que não são. Para a grande maioria dos entrevistados a imunidade é melhor para os bebês que são amamentados com leite materno. Pois cresce com menor risco de doenças por que recebe da mãe imunidade passiva (FIGURA2).
Figura 2 ? Diferenças entre bebês amamentados e não amamentados.







Todos os entrevistados disseram que gostam de atuar na área da amamentação e isso é uma maneira de motivação para os profissionais que trabalham com aleitamento. A motivação com o trabalho com aleitamento materno é importante (FIGURA 3).
Figura 3 ? Motivações para o aleitamento









As dificuldades que os profissionais enfrentam são muitas. De acordo com Caradina, Faleiros e Trezza (2006) o culto à beleza é um dos motivos que levam as mães a abondonar e até mesmo a não amamentar por acharem que os seios ficaram flácidos e com estrias.
Nitschike e Teixeira (2008) falam da importância que a família tem para orientação da mulher e como é importante o marido participar nas tarefas domiciliares (FIGURA 4).
Figura 4 ? Dificuldades relatadas








Em contra partida existem facilidades. O aspecto sócio-econômico influencia positivamente segundo alguns entrevistados. Outro ponto positivo que os profissionais encontram é contar com o apoio da mãe que querem o melhor para seus filhos e acreditam que o aleitamento é a melhor maneira de demonstrar esse amor (FIGURA 5).
Figura 5 ? Facilidades no processo de amamentação









Fugita, Santos e Soler (2005) diz que o leite materno é um alimento completo que produz anticorpos e protege o bebê contra infecções.
Figura 6 ? Importância do aleitamento








Além da paciência e dedicação que a mãe deve ter ao amamentar o bebê, os profissionais de saúde também concordam que o fator emocional contribui para que o aleitamento seja de total sucesso para mãe e bebê.
Hoje em dia com a correria do dia-a-dia é muito comum as mães aderirem às formulas infantis e abandonarem o aleitamento. É mais fácil o preparo desse leite do que se colocar o bebê para sugar o seio da mãe o que muitas vezes o recém nascido não consegue (FIGURA 7).
Figura 7 ? Aceitação do aleitamento








CONCLUSÃO
De acordo com a pesquisa feita com alguns enfermeiros grande parte das mães que relutam em não aceitar o aleitamento materno é pelo fato de não terem informações adequadas a respeito dos benefícios que o aleitamento materno traz. Para os enfermeiros é muito importante também a valorização do profissional por parte de outros membros da equipe de saúde. É importante também que o profissional de saúde tenha um espaço adequado e material didático para orientar as mães de maneira que elas também possam se sentir a vontade na hora da consulta com profissional de enfermagem e também com a equipe multiprofissional.

ABSTRACT

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALMEIDA, N. A. M.; ARAÚJO, C. G.; FERNANDES, A. G. Aleitamento materno: uma abordagem sobre o papel do enfermeiro no pós-parto. Revista Eletrônica de Enfermagem v.06 n.03 2004. Disponível em http://www.revistas.ufg.br. Acesso em 09 set 2008.

ALMEIDA, I.; FERREIRA, J.; NEGRA?SERRA, C. M. J. Estudo de associação entre aleitamento, hábitos bucais e maloclusões. Rev Odonto Univ São Paulo v.11 n.2 São Paulo abr./jun. 1997. Disponível em http://www.scielo.br. Acesso em 30 ago 2008.

CARANDINA, L.; FALEIROS F. T. V.; TREZZA, E. M. C. Aleitamento materno: fatores de influência na sua decisão e duração. Rev. Nutr. v.19 n.5 Campinas set./out. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 09 set 2008.

GUIGLIANI, E. R. J.; LAMOUNIER, J. A. Aleitamento Materno: uma contribuição científica para a prática do profissional de saúde. J Pediatr, 2004, 80 (5 supl): S117-8. Disponível em http://www.aleitamento.med.br. Acesso em 01 set 2008.

SANTOS V. L. F. DOS; SOLER Z. A. S. G. ; AZOUBEL R. Alimentação de crianças no primeiro semestre de vida: enfoque no aleitamento materno exclusivo. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. v.5 n.3 Recife jul./set. 2005. Disponível em http://www.scielo.br . Acesso em 09 set 2008.

SILVA, A. P. da; SOUZA, N. de. Prevalência do aleitamento materno. Rev. Nutr. v.18 n.3 Campinas maio/jun. 2005. Disponível em http://www.scielo.br . Acesso em 01 set 2008.

TEIXEIRA, A. M; NISTSCHKE, G, R. Modelo de cuidar em enfermagem junto as mulheres ? avó e sua família no cotidiano processo de amamentação. Texto Contexto - Enferm v.17 n.1 Florianópolis jan./ mar. 2008. Disponível em http: //www.scielo.br. Acesso em 01 set 2008.
RIOS, F. T.; VIEIRA, C. F. N. Ações educativas no pré- natal ; reflexo a consulta de enfermagem como espaço para educação em saúde. Ciência Saúde Coletiva v 12, Rio de Janeiro março/ abril 2007. Disponível em http://www.scielo.br Acesso em: 9 set 2008.














 
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Bacharel Enfermagem em fase de conclusão pós graduação saúde publica.
Membro desde novembro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: