A Importância da Leitura: Nos Três Primeiros Anos do Ensino Fundamendal
 
A Importância da Leitura: Nos Três Primeiros Anos do Ensino Fundamendal
 


O artigo "A Importância da Leitura nos três primeiros anos do Ensino Fundamental", tem como objetivo geral, possibilitar nos três primeiros anos do ensino fundamental uma interação significativa com a leitura desenvolvendo o gosto pela mesma desenvolvendo habilidade de leitura. Busca também uma prática mais reflexiva para que a leitura se torne mais prazerosa e que faça parte do dia a dia da criança. Incentivando a leitura, facilitando o acesso do aluno ao livro, seja montando biblioteca de classe, levando ? os a biblioteca ou livrarias, planejar junto com a bibliotecária atividade de leitura com dias e horários fixos. Lembrar que essa é a idade mais apropriada à formação do hábito da leitura.
Quanto aos objetivos que norteariam a minha pesquisa: dialogar com o educador de ensino fundamental para incentivar nele o hábito da leitura de promover atividades de textos de diferentes gêneros; instrumentalizar o educador para que ele promova com o aluno de ensino fundamental a pesquisa e o contato com diferentes gêneros textuais visando o reconhecimento de sua identidade cultural e ampliação de seu universo cultural; promover, no âmbito escolar, a discussão sobre a pluralidade cultural do povo brasileiro por meio das atividades de leitura; ampliar a competência dos profissionais da educação no que se refere a analise e indicação de livros mais adequados para cada uma das diferentes etapas do processo de letramento. Com esses objetivos que nortearam a minha pesquisa adotei a seguinte metodologia para realizar este artigo foram de observações vivenciadas no espaço real da escola e conversas entre professores e colegas, utilizei como fontes de pesquisa os vários estudos realizados por mim desde o início da minha graduação, bem como outros estudos realizados para a elaboração de pesquisas acadêmicas, palestras, cursos para professores, a fim de discutir pontos que acredito serem importantes para o educador que tem a responsabilidade de escolher livros para crianças.
Estudos e pesquisas têm evidenciado a importância das atividades literárias diferenciadas no âmbito educacional para o bom desempenho da criança. A utilização da literatura como recurso pedagógico pode ser enriquecida e potencializada pela qualidade das intervenções do educador.
A importância da leitura na formação pessoal e intelectual do ser humano ainda nos anos iniciais encontra pouco espaço nos programas de formação inicial e continuada das escolas.
Este estudo pretende desenvolver atividades que convergem para ações voltadas diretamente para alunos e professores dos três primeiros anos iniciais do ensino fundamental.
Intenciona-se formar o leitor autônomo (alunos e professores dos anos iniciais), através do estímulo à sensibilidade, criatividade e da formação do gosto pela leitura, contribuindo para a construção de uma cidadania plena. Prevê na motivação da leitura nos anos iniciais para a formação de leitores efetivamente comprometidos com a prática social. Tal objetivo define como é importante o cultivo do espaço da biblioteca, através do Laboratório de Leitura, como lugar aonde aconteça à pesquisa e consulta voltada para a satisfação de necessidades mais amplas do ser humano (culturais afetivas).
Como o processo de leitura não é natural, automático ou muito menos simples, ele precisa ser construído pelo aprendiz. É pensando nisso que o livro faz a ponte com a realidade da escola, alertando os professores do ensino fundamental para o fato de que os alunos não aprendem isso sozinho.
Por outro lado, o professor deve ter domínio e clareza de algumas estratégias usadas por leitores experientes. É com a leitura que se aprende a ler, ou melhor, é tentando ler que se pode questionar e aprender sobre o que e como se lê. Isso implica a presença e o uso de textos reais e relevantes na sala de aula.
A leitura e escrita com finalidades sociais motivarão o aluno na busca de conhecimentos para dominar cada vez mais essas habilidades, que permitem maior acesso e participação no mundo social, então que a criança aprenda a ler a partir das situações reais, onde o texto seja usado para obter diversão, informação e memorização e não como pretexto para ensinar como se lê.
As mudanças tecnológicas e sociais trouxeram mais incentivo ao professor e ao aluno leitor invadindo o âmbito do lazer e do trabalho das pessoas a cada dia. Nesse sentido, novas formas de leitura e escrita inserem-se no cotidiano e fazem da escola um local especial de ensino e aprendizagem desses novos gêneros textuais.
Dessa maneira, uma preparação dos estudantes e dos docentes torna-se fundamental para o acolhimento desses novos gêneros textuais e dessas novas formas de ler e escrever.
O tema "A Importância da Leitura nos três primeiros anos do Ensino Fundamental da Rede Municipal da cidade de Brusque", tem como objetivo geral, possibilitar nos três primeiros anos do ensino fundamental uma interação significativa com a leitura desenvolvendo o gosto pela mesma desenvolvendo habilidade de leitura. Busca também uma prática mais reflexiva para que a leitura se torne mais prazerosa e que faça parte do dia a dia da criança. Incentivando a leitura, facilitando o acesso do aluno ao livro, seja montando biblioteca de classe, levando ? os a biblioteca ou livrarias, planejar junto com a bibliotecária atividade de leitura com dias e horários fixos. Lembrar que essa é a idade mais apropriada à formação do hábito da leitura.
Quanto aos objetivos que norteariam a minha pesquisa: dialogar com o educador de ensino fundamental para incentivar nele o hábito da leitura de promover atividades de textos de diferentes gêneros; instrumentalizar o educador para que ele promova com o aluno de ensino fundamental a pesquisa e o contato com diferentes gêneros textuais visando o reconhecimento de sua identidade cultural e ampliação de seu universo cultural; promover, no âmbito escolar, a discussão sobre a pluralidade cultural do povo brasileiro por meio das atividades de leitura; ampliar a competência dos profissionais da educação no que se refere a analise e indicação de livros mais adequados para cada uma das diferentes etapas do processo de letramento. Com esses objetivos que nortearam a minha pesquisa adotei a seguinte metodologia para realizar este trabalho de conclusão do curso de pedagogia foram de observações vivenciadas no espaço real da escola e conversas entre professores da rede municipal e colegas, utilizei como fontes de pesquisa os vários estudos realizados por mim desde o início da minha graduação, bem como outros estudos realizados para a elaboração de pesquisas acadêmicas, palestras, cursos para professores, a fim de discutir pontos que acredito serem importantes para o educador que tem a responsabilidade de escolher livros para crianças.
Estudos e pesquisas têm evidenciado a importância das atividades literárias diferenciadas no âmbito educacional para o bom desempenho da criança. A utilização da literatura como recurso pedagógico pode ser enriquecida e potencializada pela qualidade das intervenções do educador.
A importância da leitura na formação pessoal e intelectual do ser humano ainda nos anos iniciais encontra pouco espaço nos programas de formação inicial e continuada das escolas.
Este estudo pretende desenvolver atividades que convergem para ações voltadas diretamente para alunos e professores dos três primeiros anos iniciais do ensino fundamental.
Intenciona-se formar o leitor autônomo (alunos e professores dos anos iniciais), através do estímulo à sensibilidade, criatividade e da formação do gosto pela leitura, contribuindo para a construção de uma cidadania plena. Prevê na motivação da leitura nos anos iniciais para a formação de leitores efetivamente comprometidos com a prática social. Tal objetivo define como é importante o cultivo do espaço da biblioteca, através do Laboratório de Leitura, como lugar aonde aconteça à pesquisa e consulta voltada para a satisfação de necessidades mais amplas do ser humano (culturais afetivas).
Como o processo de leitura não é natural, automático ou muito menos simples, ele precisa ser construído pelo aprendiz. É pensando nisso que o livro faz a ponte com a realidade da escola, alertando os professores do ensino fundamental para o fato de que os alunos não aprendem isso sozinho.
Por outro lado, o professor deve ter domínio e clareza de algumas estratégias usadas por leitores experientes. É com a leitura que se aprende a ler, ou melhor, é tentando ler que se pode questionar e aprender sobre o que e como se lê. Isso implica a presença e o uso de textos reais e relevantes na sala de aula.
A leitura e escrita com finalidades sociais motivarão o aluno na busca de conhecimentos para dominar cada vez mais essas habilidades, que permitem maior acesso e participação no mundo social, então que a criança aprenda a ler a partir das situações reais, onde o texto seja usado para obter diversão, informação e memorização e não como pretexto para ensinar como se lê.
As mudanças tecnológicas e sociais trouxeram mais incentivo ao professor e ao aluno leitor invadindo o âmbito do lazer e do trabalho das pessoas a cada dia. Nesse sentido, novas formas de leitura e escrita inserem-se no cotidiano e fazem da escola um local especial de ensino e aprendizagem desses novos gêneros textuais.
Dessa maneira, uma preparação dos estudantes e dos docentes torna-se fundamental para o acolhimento desses novos gêneros textuais e dessas novas formas de ler e escrever.
2. A IMPORTÂNCIA DA LEITURA NOS TRÊS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL


"A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede".
(CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE)


A prática da leitura se faz presente em nossas vidas desde que começamos a "compreender" o mundo à nossa volta. No constante desejo de decifrar e interpretar o sentido das coisas que nos cercam perceber o mundo sob diversas perspectivas, de relacionar a realidade com a que vivemos, no contato com um livro, enfim, em todos estes casos estamos de certa forma, lendo embora, muitas vezes, não nos demos conta.
A leitura faz parte da cultura da criança em todos os tipos de sociedade, contribuindo significativas na formação de seu imaginário. Toda criança encontra na leitura um prazer especial precioso para a sua vida interior e para a compreensão do mundo.
Souza (1992, p.22) afirma:

Leitura é, basicamente, o ato de perceber e atribuir significados através de uma conjunção de fatores pessoais com o momento e o lugar, com as circunstâncias. Ler é interpretar uma percepção sob as influências de um determinado contexto. Esse processo leva o indivíduo a uma compreensão particular da realidade.

A atividade de leitura não corresponde a uma simples decodificação de símbolos, mas significa, de fato, interpretar e compreender o que se lê.
Segundo Kleiman (1992), a leitura precisa permitir que o leitor apreenda o sentido do texto, não podendo transformar-se em mera decifração de signos lingüísticos sem a compreensão semântica dos mesmos, dessa forma, o único limite para a amplidão da leitura é a imaginação do leitor; é ele mesmo quem constrói as imagens acerca do que está lendo.


No nível pragmático, o texto enquanto objeto veiculador de uma mensagem está atento em relação ao seu destinatário, mobilizando estratégias que tornem possíveis e facilitem a comunicação. No nível lingüístico-semântico, o texto é uma potencialidade significativa que se atualiza no ato da leitura, levado a efeito por um leitor instituído no próprio texto, capaz de reconstruir o universo representado a partir das indicações, pistas gramaticais, que lhe são fornecidas. (Brandão, 1997, p. 77).

Por isso ela se revela como uma atividade extremamente prazerosa. Por meio de ela adquirir mais conhecimentos e cultura o que nos fornece maior capacidade de diálogo e nos prepara melhor para atingir às necessidades de um mercado de trabalho exigente, experimentamos novas experiências, ao conhecermos mais do mundo em que vivemos e também sobre nós mesmos, já que ela nos leva à reflexão.
Essa é uma perspectiva que concebe a leitura como um processo de compreensão amplo, envolvendo aspectos sensoriais, emocionais, intelectuais, fisiológicos, neurológicos, bem como culturais, econômicos e políticos. Segundo Martins (1989, p.32), o ato de ler é considerado ''um processo de compreensão de expressões formais e simbólicas, por meio de qualquer linguagem''.
Portanto, a leitura é compreendida como construção de significados estabelecidos no meio social, a criança presencia situações de leitura e com ela torna ? se capaz de reconhecer que é preciso ter acesso ao código da linguagem o qual segue determinadas convenções.
A criança aprende que um livro inicia pela capa seguindo uma ordem e pode ser acompanhado de imagens a ele relacionadas.
Entretanto, não se deve esquecer de que a sua função primordial é despertar no aluno o interesse pela leitura. E para que esse interesse se estenda a sua vida adulta, é preciso que a criança reconheça na leitura fonte de prazer e conhecimento. O objetivo é formar crianças ativas e comunicativas, que sejam capazes de ler e produzir textos.
Formar crianças que possam ler e compreender o que lêem escrever e produzir textos e serem autônomas é preciso formar crianças que ao terminar sua escolaridade sejam capazes de agir, de reagir ou de fazer agir, capazes de elaborar e de construir seus próprios projetos e sua própria atividade de leitores produtores de textos. Felizmente, tudo isso se aprende e, assim, tudo isso pode ser ensinado.
"A leitura faz ao homem completo; a conversa, ágil, e o escrever, precisam." (FRANCIS BACON).
"O simples ato da leitura transforma a nossa forma de pensar e enriquece o nosso conhecimento, gerando uma capacidade imensurável de criar o inimaginável". (THIAGO HENRIQUE MIRANDA).
A escola torna-se fator fundamental na aquisição do hábito da leitura e formação do leitor, pois mesmo com suas limitações, ela é o espaço destinado ao aprendizado da leitura.
Aprender a ler, enquanto no cotidiano a leitura é regida por outros objetivos, que conforme o comportamento do leitor e sua atitude frente ao texto.
Essas leituras, guiadas por diferentes objetivos, produzem efeitos diferentes, que modificam a ação do leitor diante do texto. Nesse processo, ouvir histórias tem uma importância que vai além do prazer.
O uso do trabalho na escola nasce da à relação que se estabelece com seu leitor, convertendo num ser crítico perante sua circunstância. Leva o leitor a refletir sobre os diferentes tipos de leitura como um eixo fundamental no desenvolvimento da aprendizagem do ser humano. Portando, resgatar a leitura faz parte da infância traz possibilidades de rever sentimentos, sensações, diferentes culturas e linguagens, entre outros aspectos que podemos contribuir para esse estudo.
Cultivar a habilidade pela leitura é cultivar o saber pensar para melhor compreender os significados alternativos ao mundo.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Essas minhas experiências práticas e acadêmicas aqui colocadas serão acrescentadas às experiências do professor nas suas atividades diárias neste município tão diversificado na sua cultura, acredito que o sucesso do aluno depende de um bom desempenho do docente, incentivando a prática de leitura, oferecendo condições de aprendizagem, orientando as representações do ato de ler.
Esses aspectos devem interagir de modo natural despertando a curiosidade e o interesse do individuo permitindo estímulos e habilidades para as condições necessárias para uma prática de leitura que o leve a aprendizagem significativa da realidade do mundo.
Nas atividades desenvolvidas é importante que o aluno participe da escolha dos textos, que tenha contato com gêneros textuais diversificados, tais como: conto, crônica, poesia, romance, histórias em quadrinhos, reportagens de revistas, notícias de jornais, enfim, uma gama de textos para que ele conheça as várias possibilidades que poderá utilizar para expressar-se.
Neste processo de aprendizagem constante o leitor precisa adquirir habilidades de leitura para que ele possa entender o contexto histórico do mundo, dessa forma a leitura torna um meio prático pelo qual ele adquire conhecimentos. Para isto, sabe-se que os textos variam de acordo com o público a que se destinam, com a intenção de quem os escreveu e com finalidade com que foram escritos (informar, convencer, anunciar, seduzir ou divertir). As múltiplas linguagens construtoras da literatura infantil na socieda e levarão muitas crianças a ampliar e educar seus olhares para a literatura e se transformando em leitores plurais e consequentemente em cidadãos mais preparados para a vida em sociedade.
Um leitor plural não é aquele que consegue ser eficiente na leitura da linguagem verbal em norma culta, mas aquele que consegue ler e traduzir as diferentes linguagens presentes nos diferentes textos atribuidos na sociedade, da norma culta a giria; das pinturas acadêmicas aos dos grandes artistas e aos trabalhos de grafite conteporâneos.; é aquele que consegue dar significados para a sua própria lingua e ser competente para ler as possíveis manifestações de linguagem.
Portanto, concluo que conhecer essas manifestações do universo textual e relacioná ?los com o estudo da literatura para crianças é de suma importância para que o professor possa construir com mais segurança as suas atividades de sala de aula, além de conseguir, mais instrumentos para avaliar os livros que vai oferecer aos seus alunos e espera ? se que acima de tudo estejam preparados e disponíveis para aprender com as possibilidades de leitura de mundo e de vida que uma criança pode ensinar, construindo esse conhecimento por meio da leitura de bons livros, com boas informações tecnológicas e com professores bem preparados para as atividades diárias no espaço escolar.
Escrito por: Jurete da Silva Souza

REFERÊNCIAS


ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil. Gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione: 1989.
CAGLIARI, Luís Carlos. Alfabetização e Lingüística. São Paulo: Scipione, 1997.
CARDOSO, Beatriz. Ler e Escrever ? Muito Prazer. São Paulo: Ática, 1999.

FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler. São Paulo: Cortez, 1992.

FOUCAMBERT, J. A Criança, o Professor e a Leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

KLEIMAN, Ângela. Oficina de Leitura. São Paulo Editora Ponte, 1992.

KLEIMAN, Ângela. Texto e Leitor, aspectos cognitivos da leitura. Campinas: Pontes, 1989.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1989.

MATENCIO, Maria de Lurdes Meirelles. Leitura produção de textos e a escola: reflexões sobre o processo de letramento. Campinas: Mercado de Letras, 1994.
REVISTA DO PROFESSOR. Educação Infantil. Ministério da educação. Dezembro, 2001.

SENNA, L. A. G. SMITH, F. Compreendendo a Leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

SENNA, Luiz Antonio Gomes (Org.) Letramento - princípios e processos. Curitiba: IBPEX, 2007.

SILVA, Ezequiel T. Leitura: algumas raízes do problema. Campinas: FE/UNICAMP, 1985.

SILVA, Ezequiel Theodoro Da. Leitura & Realidade Brasileira. 2ª ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

SOUZA, Renata Junqueira de. Narrativas Infantis: a literatura e a televisão de que as crianças gostam. Bauru: USC, 1992.

VYGOSTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VYGOSTSKY, L.S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.














 
Avalie este artigo:
(2 de 5)
6 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Jurete Da Silva Souza
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Trabalhei como professora na Rede Municipal de Brusque SC. Atualmente trabalho no Atendimento Especializado AE, Rede Municipal de Guabiruba SC, Curso o último ano de Pedagogia e iniciando a Pos Graduação em Psicopedagogia. "O aprender é essencial e se concentra em dois pilares: a própria pessoa, c...
Membro desde janeiro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: