A EDUCAÇÃO EM SEU CONTEXTO HISTÓRICO: DESAFIOS DA EDUCAÇÃO PÚBLICA BRASILEIRA FRENTE AO TERCEIRO MILÊNIO

Várias são as questões que abordam o sistema educacional e social atualmente. Não dá para falarmos da educação sem mencionarmos a situação do sistema social ou vice versa. A educação caminha entrelaçada ao sistema que muitas vezes nos remete a repetir os paradigmas ditados como dogmas absolutos. As crianças das escolas públicas estão cada vez mais perdendo a motivação pela vida e o respeito pelo mundo. Os educadores bem como a família devem repensar nos valores que estão repassando à nossas crianças. Se essa mudança social, por conseguinte educacional não acontecer agora, dificilmente conseguiremos recuperar os valores humanos e intelectuais das crianças. Assim, a presente elaboração pretende descrever a trajetória do contexto histórico da educação, que no referido estudo compreende a Educação Difusa (Sociedade Primitiva) à Educação Nacional Brasileira do Século XX, objetivando as possíveis perspectivas do Sistema Educacional Brasileiro para o terceiro milênio rumo a construção da cidadania consciente e crítica do educando. 

Livro relacionado:

INTRODUÇÃO

O estudo da história da educação é indispensável ao conhecimento da educação contemporânea. Este produto histórico nos possibilita encontrar o caminho de uma educação realmente voltada para o desenvolvimento pleno do homem e sua realização como cidadão. A educação atual é ao mesmo tempo, reflexo do passado e preparação para o futuro, desta forma, o conhecimento do passado é chave para entender o futuro.

A temática deste estudo justifica-se por abordar questões debatidas no interior da disciplina "Sociologia da Educação I", junto ao requisito BIC exigido como projeto de pesquisa da FAHU, cursada durante o segundo semestre do primeiro ano letivo de 2004, as quais nos atentaram ainda outros questionamentos que exigiram a presente busca de aprofundamento.

O estudo deixa como registro o incentivo aos docentes a fim de que eles reflitam sobre que tipo de cidadãos querem formar, bem como repensar nos valores que estão repassando à nossas crianças para que a mudança social, por conseguinte educacional, aconteça na perspectiva de recuperar os valores humanos e intelectuais das crianças.

BUSCANDO O PASSADO PARA COMPREENDER O PRESENTE: DA EDUCAÇÃO DIFUSA À EDUCAÇÃO NACIONAL DO SÉCULO XVIII

Toda época tem a sua própria educação, que busca atentar às reais necessidades de cada período da história. A cada necessidade histórica, a educação vai se modificando morosamente em conflito com a educação do período anterior. Isso ocorre porque novas exigências vão sendo fixadas no cenário da vida social pelas novas conjunturas em cena.

O estudo da educação a partir de um contexto histórico é importante, pois nele estão juguladas as raízes do presente. A educação de cada povo surge através de sua história como uma cultura que prevalece com o decorrer do tempo. Portanto, é importante também resgatar a história da educação, para que possamos abranger a época moderna.

Assim, a educação de cada época é constituída a partir de uma série de fatores, destacando como principais os ideais sociopolíticos e o interesse do homem pelo conhecimento. Contudo, compete aos homens, operar as mudanças com o objetivo de projetar tanto na educação quanto na sociedade uma linha progressista ou não de desenvolvimento.

Educação Difusa: universal e integral

Até o momento em que o homem encontrava-se em um estado estável de socialização, educação difusa, a natureza garantia-lhe seu próprio sustento. A educação ocorria de uma maneira universal e integral, as crianças imitavam os adultos aprendendo para a vida e por meio da vida, ou seja, a criança no seu dia a dia aprendia com os adultos e esse aprendizado era passado de geração a geração.

O homem vivia em processos rudimentares de transformação. O indivíduo não tinha a necessidade de compreender a razão, o sentido e a finalidade das mudanças que ocorriam naquele tempo. Luzuriaga (2001, p.14) define o mesmo como:

Uma educação natural, espontânea, inconsciente, adquirida na convivência de pais e filhos adultos e menores. Sob a influência ou direção dos maiores, o ser juvenil aprendia as técnicas elementares necessárias à vida: caça, pesca, pastoreio, agricultura e fainas domésticas.

Segundo Aranha (1996), essa sociedade pré-histórica, primitiva, não apresentava classes sociais, comércio e instituição chamada escola, todos eram iguais não havia um superior e nem dominação de um ou de outro segmento. A educação, ou melhor, as formas de educar ocorriam em vários momentos espalhados pela tribo e todos os elementos da família, direta ou indiretamente participavam da educação da criança.

A respeito da sociedade primitiva enquanto educação espontânea e inconsciente, Brandão (1985) acrescenta que à medida que as crianças conviviam com os mais velhos, imitavam e aprendiam no próprio gesto de "fazer a coisa''. O saber fluía naturalmente, eram incomuns os tempos notadamente alocados apenas para o ato de ensinar, as situações de aprendizagem se misturavam com a vida em momentos de trabalho, lazer ou de amor. Conforme Durkheim s/d apud Brandão (1995, p.18-19):

Sob regime tribal, a característica essencial da educação reside no fato de ser difusa e administrativa indistintamente por todos os elementos do clã. Não há mestres determinados, nem inspetores especiais para a formação da juventude: esses papéis são desempenhados por todos os anciãos e pelo conjunto das gerações anteriores.

Conclui-se que essa educação era representada pela transmissão oral de costumes e crenças definidos naturalmente pela repetição das condutas dos grupos mais velhos, e também, claro, do chefe guerreiro considerada necessária à essa realidade que não dispunha de classes, comércios, e nem escritas

Educação Tradicionalista: surgimento da escrita

Entre as primeiras civilizações ou povos de organização política (Estado), que excedia a vida da tribo, incluíam-se apenas os povos chamados orientais 4000 a. C. (Egito, Mesopotâmia, Índia e China). Diferente das sociedades tribais, cujo saber era acessível a qualquer membro da tribo, essas civilizações faziam parte de uma sociedade tradicionalista.

Os governos apresentavam caracteres despóticos e teocráticos usavam a fé religiosa como forma de poder à população que, por sua vez, era constituída por lavradores, comerciantes e artesãos que além de não ter direitos políticos, não tinham acesso ao saber da classe dominante.

Essa classe subalterna era excluída da sociedade, bem como as mulheres, limitando-se apenas à educação familiar informal. A partir dessa civilização inicia-se a marca da desigualdade econômica, social e educacional; uma linha de educação ofertada aos exploradores e outra aos explorados, originando-se o dualismo escolar, presente ainda na realidade do sistema educacional brasileiro.

Nessas primeiras civilizações surge a escrita, no momento em que o Estado da época necessitava de registrar seus dados. A princípio, o conhecimento da escrita era bastante restrito por ser sagrado e esotérico (ainda em caráter não complexo até chegar ao alfabeto) e também surge como forma de poder. As classes especiais destinadas ao cultivo da escrita ficavam por conta das pessoas ligadas ao Estado (ARANHA, 1996).

Os egípcios foram os primeiros a se conscientizarem do quão importante era ensinar. Eles fundaram casas de instrução nas quais ensinavam a leitura, a história dos cultos, a astronomia, a música, e a medicina sendo que poucas informações foram conservadas.

Mesmo os filhos, cujos pais pertenciam à classe rica não tinham direito de participar diretamente dessa pedagogia oriental, eles eram obrigados a idealizar a figura patriarcal da família e a seguirem seu modelo, desconsiderando totalmente o saber e a inteligência dos mesmos; o que mais interessava a essas famílias eram os valores da tradição: "Essa educação heróica ou cavalheiresca baseava essencialmente no conceito da honra e do valor, no espírito de luta e sacrifício, assim como na capacidade e excelência pessoais" (LUZURIAGA, 2001, p.35).

Paidéia: liberdade de pensamento, uso crítico da razão

Aranha (1996) nos enuncia que diferente das outras formas de educação vistas anteriormente, a Grécia passa a exercer grande influência no que se refere às linhas conscientes de ação pedagógica durante séculos. A antiga Grécia foi a primeira civilização da antiguidade, a desenvolver um ensino centrado na formação integral do homem, corpo e espírito, consistindo em seus primórdios, na integração entre o preparo físico e a formação moral do homem e, tempos depois, no surgimento dos filósofos que incitaram a formação política e o debate intelectual entre os homens. Nasce aí, jamais vista antes, a valorização individual de cada homem e a promoção da educação em seus mais variados aspectos, principalmente, nas questões sobre: "o que é melhor ensinar?, como é melhor ensinar? e para que ensinar?"(ARANHA, 1996, p.41).

Em toda sua educação histórica pode-se dizer que a Grécia apresentou dois períodos extremamente importantes que dividiram a civilização em educação homérica (dos séculos XII a.C. ao VIII a.C.) e o nascimento da filosofia (séculos VI a.C. ao século II a.C.), nesse contexto histórico, os gregos nos deixam como legado a idéia de que homem e educação encontram-se decisivamente vinculados, é a partir dos gregos que a educação se põe com uma questão definitiva para o destino do homem.

Nos primeiros tempos, período homérico, tipicamente militar e religioso cujas ações se limitavam ao pensamento místico, era determinado que o ensino motivasse as competições e as virtudes guerreiras a fim de entusiasmar a superioridade dos gregos frente aos povos que invadiam a Grécia. O ensino era concentrado nos conteúdos de educação física e educação moral, as aulas de ginástica eram ministradas nos ginásios e, além de servirem como local de treinamento físico, favorecia o contato e as relações de convívio dos gregos e o surgimento de novas idéias.

[...]

Revisado por Editor do Webartigos.com