A constituição federal brasileira. uma falsa noção de rigidez
 
A constituição federal brasileira. uma falsa noção de rigidez
 


A Constituição Federal brasileira. Uma falsa noção de rigidez

 

Em matéria constitucional, de regra, o consenso inexiste, especialmente porque se tratam de temas múltiplos, com múltiplas facetas ideológicas bem como com conceitos vagos e abrangentes. Contudo, no que toca à rigidez da Constituição Federal de 1988 há consenso na doutrina, ainda que de forma equivocada, de que a nossa Carta Política é rígida.

 

Se analisássemos de forma objetiva a CF/88, levando-se em conta unicamente o seu período de existência (pouco mais de 23 anos) e a sua classificação doutrinária, fatalmente concluiríamos que o texto promulgado em 1988 pouco ou nada se difere do atual, pois a modificação demandaria esforço hercúleo. Contudo, tal não se sustenta. O texto atual é extremamente desfigurado, guardando pouca relação com o texto original inicialmente promulgado.

 

A conclusão doutrinária, parte apenas de uma premissa objetiva e numérica, qual seja, a mutação exige três quintos de votos do Congresso Nacional, dois turnos de votação e o processo de alteração é diferente daquele das leis ordinárias e complementares. Não se analisa a realidade política brasileira, especialmente a pouca participação popular, o multipartidarismo, a inexistência rígida de ideológicas partidárias e a inexistência de blocos partidários com um cerne imutável.

 

Como explicar então que uma Constituição, com pouca mais de duas décadas, possuir mais de setenta emendas? Será que o processo solene exigido é fator preponderante para classificarmos uma Constituição como rígida? Será que as alterações das leis ordinárias e das leis complementares são parâmetros para tal catalogação? Será que o quórum exigido, dentro da atual estrutura brasileira para alteração, é extremamente dificultoso de ser alcançado? Enfim, será que de fato a Constituição Cidadã é uma compilação rígida?  

 

Consoante prescreve José Murilo de Carvalho[1]

                                 até 1930 não havia povo organizado politicamente nem sentimento nacional consolidado. A participação na política nacional, inclusive nos grandes acontecimentos, era limitada a pequenos grupos. A grande maioria do povo tinha com o governo uma relação de distância, de suspeita, quando não de aberto antagonismo. Quando o povo agia politicamente, em geral o fazia como reação ao que considerava arbítrio das autoridades. Era uma cidadania em negativo, se se pode dizer assim. O povo não tinha lugar no sistema político, seja no Império, seja na República. O Brasil era ainda uma realidade abstrata. Aos grandes acontecimentos nacionais, ele assistia, não como bestializado, mas como curioso, desconfiado, temeroso, talvez um tanto divertido.

 

A analisarmos de forma temporal a citação supra, poderíamos considerar que a situação atual é totalmente diversa, pois teríamos uma participação popular bastante acentuada. Contudo, tal não se sustenta.

 

De regra temos um cidadão eleitor e não um eleitor cidadão. Passado o período eleitoral, para muitos, findo está o exercício da cidadania. Para alguns, comparecer para votar no primeiro domingo de outubro é ato bastante em si, pressupondo-se que a sua parte já está feita, razão pela qual abdica de qualquer outra participação.

 

Tais comportamentos favorecem a proliferação de um corpo Executivo e Legislativo totalmente divorciado das demandas do eleitorado, pois não há uma bandeira a ser seguida. Outrossim, a composição partidária, despida de uma ideologia definida, cujo programa principal não é governar, mas fazer parte do governo, em muito contribui para tal. Prova disso, é que atualmente possuímos 29 partidos políticos, cuja existência assim como seu plano de governo, no mais das vezes, é desconhecida pelo eleitor.

 

Dessa feita, a nossa Constituição Federal, salvo melhor juízo, toma a forma que melhor lhe queira dar a ideologia política que se encontra no poder. A facilidade com se manipula o processo partidário reflete, piamente, na direção que segue a Constituição. Pari passu a nossa Constituição será tão flexível ou tão rígida quanto for a flexibilidade e a rigidez do sistema partidário.

 

Logo, uma Constituição deverá ser considerada rígida partindo da conjuntura política, especialmente ideológica dos partidos e suas composições de governabilidade, aliado, sempre ao grau de participação da população no cotidiano político. A título exemplificativo, e tomando-se por base o sistema político brasileiro, se a soma da representação legislativa dos partidos que governam for, ainda que levemente superior aos da oposição, não se pode dizer que haverá dificuldade na alteração da Constituição, pois sabidamente o Brasil possui tradição de partidos de centro, sem ideologia definida, cujo programa principal é participar do governo e, por conseqüência, das benesses que tal representa.

 

Segundo Paulo Bonavides[2]

                                 a pretensão à imutabilidade foi o sonho de alguns iluministas do século XVIII. Cegos de confiança no poder da razão, queriam eles a lei como um produto lógico e absoluto, válido para todas as idades, atualizado para todas as gerações. Dessa fanática esperança comungou membro da Convenção, conforme nos lembra o notável publicista frances, pedindo durante os debates do Ano III a pena de morte para todo aquele que ousasse propor a reforma da Constituição.

 

Tivesse prevalecido o entendimento citado, a pena capital em nosso país seria lançada de forma bastante numerosa.

 

Assim sendo, há necessidade premente de que a doutrina passe a catalogar nossa Constituição, não partindo de um aspecto formalista, mas sim com olhos voltados para a realidade política que a cerca não descurando de averiguar o grau de participação do eleitor. Fazendo isso, certamente concluirá que a nossa Lei Maior é de ser tida como semi-flexível, ou até mesmo, flexível.  


[1]CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil – o longo caminho. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2005. 7ª Ed, p. 83

[2] BONAVIDES, Paulo, Curso de Direito Constitucional, 13ª edição, Malheiros, 2003 p. 196.

 
Download do artigo
Avalie este artigo:
1 voto(s)
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Leandro Brescovit
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Graduado em Direito pela Universidade Federal de Pelotas, Pós graduando em Direito do Trabalho e Direito Tributário.
Membro desde dezembro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: