A ARTE DE VIVER EM GRUPO FRAGMENTOS
 
A ARTE DE VIVER EM GRUPO FRAGMENTOS
 
A ARTE DE VIVER EM GRUPO
FRAGMENTOS

Viver em grupo é uma prerrogativa básica dos seres humanos e de alguns animais. Viver em grupo é amar, respeitar, odiar, saber perdoar e de ser perdoado, ser discreto ou ser ousado querer e ser querido e nunca se deixar ser esquecido.
Viver em grupo é saber dividir alegrias e tristezas, saber dar e saber pedir, aceitar o diferente com igualdade e o igual com respeito, saber ser humilde sem se deixar ser humilhado, grande sem ser exaltado.
Viver em grupo é uma verdadeira arte, pois temos que chorar, ficar sério ou sorrir, contar piadas, fazer piruetas, ter um ataque de loucura sem perder o equilíbrio.
É saber criticar e receber as críticas, errar e acertar, respeitar o espaço do outro como sagrado direito de viver, ter e dar a liberdade ser o que é, ser inteligente sem subestimar a inteligência do outro, reconhecer que cada um é mestre no que sabe fazer.
Viver em grupo e falar para ser ouvido, escutar quando preciso e calar quando estiver errado. Lutar por seu espaço sem com isso machucar o outro, dar sempre o que espera receber em troca, pois com certeza terás o que for merecido.
Viver em grupo é ter a certeza de estar pronto para amparar e ser amparado, dividir um ombro amigo e enxugar as lágrimas de tristezas e deixar jorrar as de alegria. Saber o momento certo da retirada ou o de chegar junto, te olhar sempre com o olhar do outro.
Viver em grupo é ser leal, sincero, presente, é saber dizer sim ou dizer não sem medo, saber olhar nos olhos e falar eu te amo ou não gosto de você, esperar o tudo ou nada com a mesma tranqüilidade.
É oferecer a sobremesa para não ofertar restos, servir sem sevícias e não deixar que suas ofertas sejam vistas pelo outro como uma mera obrigação e sim, uma boa ação, com as pedras recebidas construir uma fortaleza, pois ao devolvê-las revelas tua fraqueza.
Viver em grupo é a sabedoria suprema de ser feliz, sabendo que nem todos agradam e nem a todos agradamos, mais mesmo assim somos aceitos perfeitos ou imperfeitos, somos simplesmente humanos.
Beth Souza
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Francisca Elizabeth Nascimento De Souza
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Assistente Social e Terapeuta Comunitaria, Especialista em Direitos Humanos e Segurança Publica, 55 anos, funcionaria publica da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Amazonas. Atuando na area de prevenção ao uso indevido de drogas e outras substâncias psicotropicas, desenvolvendo ações junt...
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo: