''A proximidade e o distanciamento: um olhar crítico sobre a cultura amazônica'&...
 
''A proximidade e o distanciamento: um olhar crítico sobre a cultura amazônica''
 


"Busquei o passado na história, vivi e relatei o presente, no tempo e no espaço desta pesquisa. É chegado o momento de procurar o futuro. Indo buscá-lo, cheguei ao encontro dos rios, de onde saem muitos igarapés, abrindo um leque e sugerindo caminhos que podem ser percorridos. Qual deles seguir? Procurei alguns indícios que podiam me dar segurança: a cor da água, a largura, a vegetação ao seu redor. No entanto, não conheço os percursos, nem a profundidade de suas águas, e não sei o que posso encontrar. Estou à mercê da natureza, além de estar nas mãos do motorista do barco. O controle da máquina depende do controle humano que, por sua vez, depende de fatores alheios à sua vontade. Consciente dos desafios e dos riscos que estou correndo, optei pelo caminho mais viável e espero encontrar nele condições para continuar navegando. A força dessa natureza também ensina que ler e escrever não irá modificar as estações do ano, com as cheias e as vazantes dos rios, responsáveis pela sobrevivência desse povo. Entretanto, a paz encontrada demonstra que o respeito a essa cultura pode surpreender com a riqueza de seu conhecimento. Portanto, em meu insignificante lugar, vou aprendendo a aprender com esse mundo de homens e natureza. Este trabalho não pretende indicar caminhos. Apenas apresentar algumas trilhas... antes de o rio encher novamente!" (Nina, Representando a Educação em Pauini / AM: uma trajetória de descobertas, 2000, p. 155/156) Trabalhando desde 1997 na região amazônica, onde desenvolvi a pesquisa para o mestrado, até pouco tempo atrás não havia descoberto ainda se o caminho que percorria era o 'mais viável' para continuar navegando por entre os rios do Amazonas. Algo sempre me inquietava, do início ao fim dos trabalhos. Nunca tive muita clareza sobre minhas angústias e em minhas avaliações levantava várias hipóteses, sem conseguir confirmar nenhuma. Ao rever meu percurso e minha dissertação de mestrado, percebo que minha visão daquela realidade sempre esteve respaldada numa concepção errônea da história, ou melhor, na anti-história, na crença da estagnação, do imobilismo, pela reprodução dos fatos e dos comportamentos. Assimilei e internalizei uma ótica sob a qual a colonização do interior do Estado foi determinante na criação de uma cultura sem reflexões, que submeteu passivamente o homem à idéia de uma ordem imposta pela natureza, à qual atribui um poder maior do que sua própria interferência. Isto é, a visão de uma cultura como uma prisão da qual o homem amazonense aparenta ter receio de fugir. Essa crença foi construída e internalizada não apenas por meio da literatura e da pesquisa por ocasião do mestrado, mas principalmente pela observação e nas vivências em campo. Também foi reforçada por discursos de lideranças, representantes políticos e sindicais, que costumam atribuir dificuldades e obstáculos à inércia, ao propagado "comodismo" do caboclo. "A figura do agricultor amazonense mais conhecido por 'caboclo', homem forte, corajoso e trabalhador, que (...) por contar, algumas vezes, com a abundância oferecida pela floresta e pelos rios assume uma atitude, injustamente interpretada, como comodismo e displicência"(Instituto de Educação Rural - AM, s/d, p. 14). Embora compreendesse que pessoas inseridas em um meio ambiente muito específico possuem representações e dinâmicas culturais diferenciadas do 'meu mundo', não conseguia perceber em minhas relações o distanciamento e a proximidade que efetivamente existe entre esses 'mundos'. Pensei ter aprendido a lidar com o fato de que é do 'meu mundo' que as racionalidades impõem o seu contexto e cobram respostas. São pessoas como eu que elaboram pesquisas, teorias, leis, regulamentações, detêm o poder e submetem a população a valores e referências, enquanto cobram, ao mesmo tempo, atitudes adequadas às transformações sociais impostas. Parece que a proximidade enquanto seres humanos da mesma espécie, convivendo em agrupamentos sociais semelhantes, não nos permite quebrar o distanciamento cultural que possibilitaria "compreender a compreensão do povo, os talvez adormecidos códigos reflexivos de sua cultura" (Oliveira J. A. Cultura, história e memória, Manaus: Editora Valer / Governo do Estado do Amazonas, 2002, p. 30). Ao contrário, nossas diferenças induzem a criar, manter e reforçar um olhar crítico sobre a 'outra' cultura - olhar do 'nosso mundo' - como uma cultura que aprisiona, que não reflete e que reproduz ações, atitudes, comportamentos não condizentes com o modelo de desenvolvimento capitalista. Dessa forma, encontrava na população o que parecia ser descrença nos resultados dos trabalhos, pior ainda, descrença no futuro, e era minha própria descrença que via refletida em suas atitudes. Por outro lado, a estranha felicidade, que estava sempre estampada naqueles rostos, era minha esperança e meu desafio para continuar. Compreender e preservar aquele sentimento, muito em falta na atualidade, tornou-se minha 'causa'. Hoje entendo a força da ideologia, dos sistemas dominantes que nos ensinam a construir nossas próprias armadilhas, percebo a importância de buscar e refletir constantemente sobre o passado, pois é dessa forma que podemos compreender o presente e talvez encontrar caminhos para o futuro. Atualmente estou tentando achar um novo caminho, não mais o meu caminho, mas o caminho onde os rios se cruzam, onde é possível 'compreender a compreensão do povo'. É preciso o silêncio das minhas referências para que eu possa 'ouvir' esse povo. É preciso aprisionar o orgulho, construído em tantos anos de estudo, e manter a curiosidade frente a tantas possibilidades de conhecimento. É preciso, por fim, manter em estado de alerta minha autocrítica, pois é fácil cair na armadilha de achar que estou fazendo o que é melhor para o outro, difícil é perceber que na maioria das vezes esse outro sabe o que é melhor para ele. Esteja ele onde estiver, seja de que cultura for. Como um importante instrumento para o trabalho de campo, sugiro a utilização da história. Não apenas da história política e social ensinada nas escolas, mas da outra versão da história por meio da qual se "busca sentido para sua própria natureza em mudança" (Thompson, P. A Voz do Passado. São Paulo : Paz e Terra, 1992, p. 21). Páginas da história são escritas todos os dias, provocando conflitos que geralmente significam mudanças. Mudanças pelas quais muitas vezes somos responsáveis e que não devem ficar limitadas aos muros das diferenças culturais. Muito menos reproduzir a ordem estabelecida, pois as mudanças devem produzir dinâmicas integralizadoras das culturas envolvidas. Isso, no entanto, só é possível promovendo reflexões sobre os padrões que geralmente são utilizados para conceituá-las: de forma linear e valorativa, como 'boas' ou 'ruins', 'desenvolvidas' ou 'atrasadas', que 'aprisionam' ou que 'libertam'. Todas as comunidades têm sua história, constituída de forma coletiva. Essa história não é buscada, reconhecida, valorizada como um espaço de interlocução e de possibilidades de novas construções sobre a mesma base. Nada pode ser construído sobre o nada. Portanto, faz-se necessário um espaço de diálogo entre o passado e o presente, revelando, nesse espaço temporal, a intemporalidade da memória. Memória que pode, certamente, "ser um meio de transformar tanto o conteúdo quanto a finalidade da história". Dessa forma, é possível "devolver às pessoas que fizeram e vivenciaram a história um lugar fundamental, mediante suas próprias palavras." (Thompson, P. A voz do passado. São Paulo : Paz e Terra, 1992, p. 22) Portanto, sob a ótica da história continuo lutando pela minha 'causa'. Busco compreender a história que constrói e é construída, transforma e é transformada por culturas e civilizações. Pretendo assim desenvolver um novo 'olhar' sobre um interessante cenário, composto de uma exuberante natureza e de atores muito especiais que preservam a afetividade nas relações humanas, como sua maior riqueza. Possivelmente desviarei do caminho muitas vezes, afinal em todos esses anos não aprendi ainda a navegar por entre aqueles rios, mas com certeza estarei muito mais atenta aos detalhes do percurso. Durante esse percurso, estarei construindo minha história. "Essas coisas que aqui contei já se passaram há muitos anos. Já tenho 85. Às vezes volto em meu pensamento e tudo me parece um sonho. Custo a acreditar que faça tanto tempo e que tudo já passou. Muitas vezes não sinto o peso da idade. O peso da saudade é que é imenso." (Minha Vida no Seringal. Manaus : Prograf, 1996, p. 111). Assim como dona Ocirema Rabelo, também quero ter do que sentir saudade um dia.
 
Avalie este artigo:
 
Revisado por Editor do Webartigos.com


Leia outros artigos de Virginia Liebort Nina
Talvez você goste destes artigos também
Sobre este autor(a)
Formada em Psicologia, tive o privilégio de trabalhar por 12 anos e de desenvolver a pesquisa de Mestrado em Psicologia da Educação, pela PUC SP, no Estado do Amazonas. Realizei trabalhos e projetos em diferentes áreas do conhecimento. Pude conviver e aprender com uma cultura que o Brasil desconhece...
Membro desde fevereiro de 2010
Facebook
Informativo Webartigos.com
Receba novidades do webartigos.com em seu
e-mail. Cadastre-se abaixo:
Nome:
E-mail: